Acusados de homicídio na Baixada Maranhense são condenados

Júri promovido pela comarca de Matinha na Baixada Maranhense nessa quarta-feira, 17, terminou com a condenação dos réus Antonielson Oliveira Nunes, Daniel Gonçalves Silva, Joberval Pinto Pacheco, o “Jobinho” e Geovane Aires Pereira, o “Thoca” a, respectivamente, 02 (dois) anos, 03 (três) meses de reclusão e 39 (trinta e nove) dias-multa; 26 anos de reclusão; 03 (três) anos, 04 (quatro) meses e 03 (três) dias de reclusão e 03 (três) anos e 08 (oito) dias de reclusão. O cumprimento de pena do condenado Daniel deve ser inicialmente fechado, no Complexo Penitenciário de Pedrinhas. Os réus responderam pelos crimes de homicídio, tentativa de homicídio, tráfico de drogas e associação para o tráfico. Presidiu o júri o titular da comarca, juiz Celso Serafim.

Segundo a denúncia, no dia 18 de janeiro de 2014, por volta das 21h, em um clube localizado no município, um desentendimento inicial entre Geovani e Anderson Marlos da Silva, o “Saci”, gerou uma briga corporal na qual se envolveram todos os acusados e que culminou com a morte do dono do clube, Claudiner Alves Silva, atingido por um tiro de revólver disparado por Daniel, além de lesões causadas por disparos de arma de fogo  em  Anderson e em outra vítima, Everaldo Sousa Rodrigues.

Consta da denúncia que Anderson foi atingido no ouvido por tiro à queima-roupa disparado por Joberval, enquanto que Everaldo foi atingido no joelho por tiro de Daniel.

De acordo com o processo, após os crimes os denunciados fugiram, tendo sido presos em flagrante na companhia de um menor com o qual foram encontradas 13 (treze) “pedras” de crack.

Em júri promovido no dia anterior, 17, Rayan Silva Ribeiro respondeu por tentativa de homicídio praticada contra Amistroques Penha Santos. O crime, ocorrido no dia 15 de janeiro de 2015, por volta das 02h30, na casa da vítima, contou com a participação de outro acusado, Luzenilson Mota Lindosos, conhecido como “Gordinho”, além de um terceiro citado em depoimentos como participante do crime, Júnior.

Por maioria, o Conselho de Sentença decidiu que o réu não teve a intenção de matar a vítima, diante do que o juiz declarou reconhecer a possibilidade de nova definição jurídica do fato, desclassificando o  crime para lesão corporal, declarando a incompetência do Tribunal de Júri para julgar o fato.

“Determino que após o trânsito em julgado desta sentença seja retificada a distribuição no sistema Themis PG especificando o novo procedimento e assunto a ser adotado”, diz o magistrado na sentença. Via Blog do Vandoval Rodrigues

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VIANA