Estudante maranhense cria bioplástico feito de buriti; entenda

Ana Beatriz de Castro Silva criou — ainda no ensino médio — três biotecnologias por meio do fruto do buriti que podem substituir o plástico

O projeto da estudante começou em 2018 com pesquisas nos buritizais –  (crédito: Reprodução)

“O que me moveu foi a vontade de mudar”. Quem diz a frase de impacto ao Correio é a jovem Ana Beatriz de Castro Silva, estudante de 17 anos que nos últimos anos pesquisou e desenvolveu um tipo de bioplástico biodegradável a partir do casca, caroço e polpa do buriti. A estudante de Imperatriz, cidade do Maranhão, criou três materiais diferentes com uma espécie de palmeira originária da Amazônia enquanto cursava o terceiro ano do ensino médio.

O buriti é uma espécie de palmeira originária da amazônia e do cerrado, tem um fruto rico em diferenças vitaminas, cálcio, ferro e proteínas. Possui um óleo rico em caroteno e também pode ser utilizado para amaciar, colorir e aromatizar diversos produtos.

O projeto da estudante começou em 2018 com pesquisas nos buritizais: “Foi um processo longo, mais necessário”. No fim de 2018, e começo de 2019, Ana teve a oportunidade de entrar em contato com o laboratório e ir até as comunidades que vivem próximas aos buritizais. “O processo de pesquisa não foi simples, minha escola tinha um laboratório muito simples, mas como meu orientador trabalhava na universidade estadual da região a UEMASUL (Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão) eu consegui ter essa flexibilidade de fazer a pesquisa lá dentro, no laboratório de biologia, mas logo depois começou a pandemia e meus horários dentro do laboratório foram diminuídos.”

Estudante brasileira cria bioplástico feito de buriti (foto: Reprodução)

Ana Beatriz explica que nunca se conformou com a ideia do plástico destruindo o planeta e que a ideia do projeto é mostrar que há outras possibilidades. “Eu já conhecia o buriti como artesanato e alimento, mas eu não conhecia a questão química dele. Aí veio a dúvida, se eles conseguem lixar, o talo que solta muito pó, que é descartado, porque eu não conseguiria chegar na celulose. Destas perguntas surgiu a necessidade de estudar os processos químicos, a composição química do buriti. Comecei estudando o talo e depois o fruto, e então descobri vários compostos químicos, como a lignina, para que eu conseguisse produzir o bioplástico” explica Ana.

Durante essa pesquisa a estudante encontrou as particularidades de cada parte do buriti: ele é composto pelo epicarpo, que seria a casca, por uma película branca que fica entre o caroço, o endocarpo ou o mesocarpo que é a polpa. Com as três composições foi possível desenvolver três materiais: “Com o epicarpo eu consigo produzir um material mais resistente, um material que serve para revestimento de piso ou papel de parede. Já com o endocarpo eu produzo um material menos resistente, parecido com o acrílico, No mesocarpo eu consegui produzir um biofilme, um material já mais fino, flexível, mais fácil de ser manuseado que pode ser usada na produção de sacolas compostáveis, por exemplo .”

Depois de produzir os biopolímeros, Ana Beatriz testou resistência química, as propriedades mecânicas, a opacidade e a capacidade de degradação em solo. Os produtos também são biodegradáveis, eles se degradam em apenas 15 dias na água e em até 20 dias no solo, podendo ser usados como adubo.

Eu Estudante

admin

Jornalista (MTB - 918). Pós-Graduado em Design Gráfico pela UFMA – Universidade Federal do Maranhão. Publicitário e Designer Gráfico. Membro da Academia Vianense de Letras (AVL) - Cadeira nº 20 - Patrono: Bispo Dom Hélio Campos. Edita o Blog Vianensidades desde 2007. CONTATOS: Email: [email protected] | Whatsap: 98 98461 2929

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.