Amigos vianenses lamentam a morte de José Raimundo Perna

O mês de fevereiro não está sendo fácil para a memória afetiva dos vianenses.

Zé Raimundo (Gurgo) em um momento descontraído em sua residência

Hoje, 24, mais um conterrâneo partiu para o plano celestial e deixa uma lacuna de melancolia e saudades entre os amigos que conviveram com a sua presença.

O ex-Capitão da PM do Distrito Federal, José Raimundo Perna sofreu um infarto fulminante na madrugada desta quarta feira, na sua residência, em um sítio na Estrada de São José de Ribamar.

Apaixonado pela sua terra natal, Gurgo, como era chamado carinhosamente pelos amigos sempre sonhava em mudar-se para o Maranhão, assim que se aposentasse da farda. Um amplo e acolhedor sítio, na Estrada de São José de Ribamar foi o local escolhido para seus dias de descanso.

Sua maior alegria era receber os amigos de infância para longas e animadas conversas, regadas com cerveja, música e muitas gargalhadas. “Não é fácil perder a quem amamos, fica um vazio,  um adeus constante. Tantos porquês, tantas lembranças. Você que sempre reuniu seus amigos em sua casa com tanta hospitalidade, agora só fica lembranças, meu amigo. Que Deus o receba na sua próxima morada”, escreveu em um grupo de amigos o empresário Cláudio Rocha.

Gurgo também defendeu a Seleção Vianense de Futebol, nos anos 80, deixando o seu legado no meio esportivo vianense.

A prefeitura de Viana divulgou Nota de Pesar pelo falecimento do ilustre vianense.

O Blog Vianensidades se solidariza com a família enlutada, nesse momento de dor, em especial ao amigo Paulinho Perna, advogado radicado em Brasília, pela inestimável perda.

Juiz nega lockdown, mas proíbe música ao vivo e DJs em bares e restaurantes

O juiz Douglas de Melo Martins, titular da Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís, decidiu hoje (11) não conceder liminar ao defensores públicos estaduais que pediam a decretação de lockdown em todo o Maranhão.

Arquivo Google

Após audiência de conciliação, o magistrado determinou, contudo, que música – ao vivo, ou mesmo som mecânico, com DJ, por exemplo – está proibida em bares, restaurantes e casas de show do estado. Não serão permitidas, também “resenhas” particulares em espaço público.

Ao decidir desta forma, Martins explicou por que não decretou lockdown. “Por mais que eu entenda que esses dados apresentados [pelos defensores] são gravíssimos, tomar uma decisão que não seja cumprida, desmoraliza todo o sistema de justiça”, justificou o juiz.

O despacho desta quinta-feira vale até o próximo dia 18 de fevereiro, quando será realizada uma nova avaliação de cenário.

“Se as pessoas não cumprirem as medidas preventivas e a rede de saúde entrar em colapso, o poder judiciário irá se manifestar novamente”, completou. (Via Blog do Gilberto Leda).

Com avanço da Covid-19, Prefeitura de Viana proíbe eventos públicos ou privados

A realização de eventos, festas ou comemorações, promovidas pela iniciativa privada ou pelo poder público, está proibida em Viana, a partir desta quinta-feira (4) até que a situação epidemiológica traga dados que flexibilize as regras de restrição, em razão da pandemia do vírus Covid-19. A medida refere-se a locais públicos e privados que possam gerar aglomeração independentemente do número de pessoas. A determinação está no Decreto n°127/2021, assinado nesta quarta-feira (3) pelo prefeito Carrinho Cidreira, e já está em vigor. O objetivo é prevenir a disseminação da Covid-19.

De acordo com o Decreto, visando garantir o distanciamento social no âmbito do Município de Viana, fica proibido a realização de eventos sociais públicos e privados de qualquer natureza, assim como ficam suspensas as licenças e autorizações para eventos que possam ocasionar qualquer aglomeração. As determinações do Decreto poderão ser revistas em decorrência de novas recomendações do Governo do Estado ou do Ministério da Saúde.

Em casos de descumprimento das medidas previstas neste Decreto, as autoridades competentes devem proceder com a devida apuração de eventuais práticas de infrações administrativas, cíveis e penais, consequentemente sujeitando assim, os infratores na prática do crime previsto no artigo 268 do Código Penal Brasileiro.

AVL abre diálogo com Prefeitura de Viana para futuras parcerias culturais

Em reunião realizada na manhã desta quarta-feira (26), a Academia Vianense de Letras (AVL) e a Prefeitura de Viana deram início a uma série de agendas que devem originar convênios e parcerias para resgatar a agenda cultural do município.

Nélio Júnior, Chefe de Gabinete da Prefeitura de Viana, Acadêmico Costa Júnior, Fátima Travassos, Presidente da AVL, Acadêmico Luiz Antonio Morais, e Acadêmico Joaquim Gomes

Ciceroneada pela presidente da AVL, Fátima Travassos – reeleita para o segundo mandato no biênio 2021/2023 -, a reunião contou ainda com as presenças do Chefe de Gabinete da Prefeitura de Viana, Nélio Júnior, representando o prefeito Carrinho Cidreira, e dos Acadêmicos Costa Júnior, Joaquim Gomes e Luiz Antonio Morais.

Na oportunidade, a presidente entregou cópias de documentos oficiais, entre eles o Regimento Interno da Academia, aprovado em 14 de dezembro de 2020, o Plano de Gestão da AVL, e do Diário Oficial do Município, edição de 9 de julho de 2019, no qual foi publicada a Lei Municipal de n 446, de 06 de julho de 2019, que institui  o Dia da Bandeira de Viana, além do Decreto que consta o Termo de Cooperação Técnica entre a Prefeitura de Viana e a AVL.

Segundo Fátima Travassos, “nós queremos reabrir e manter essa cooperação porque é muito benéfica para os dois lados, pois com a inauguração da nova sede da AVL, as políticas públicas e os eventos da academia podem se utilizar e caminhar juntas. Nossa instituição é apartidária e deseja formalizar parcerias duradouras e amigáveis para contribuir com o desenvolvimento cultural e educacional de Viana,” afirmou.

O Chefe de Gabinete, Nélio Júnior, reiterou que o prefeito Carrinho Cidreira (PL), deseja fomentar a cultura vianense. Nélio destacou que é preciso manter a aproximação da AVL com a sociedade vianense, com as escolas e redefinir uma agenda cultural que resgate as nossas tradições. “A Secretaria de Cultura não pode se comportar como nos últimos 4 anos, sendo uma mera contratante de bandas de forró. Nosso município, com 263 anos, precisa dignificar sua história, sua importância na Baixada, sua cultura e estender o seu leque de alcance cultural com as instituições”, declarou.

Entre os assuntos tratados, também foram debatidos abertura de parceria do AVL com o Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM), e o resgate do Acordo de Geminação com a cidade de Viana do Castelo – Portugal, que pode reacender os laços amigáveis e de trocas culturais entre as duas cidades.

O próximo passo será uma visita oficial dos Acadêmicos da AVL à Prefeitura, no início de fevereiro, de forma a oficializar um novo Termo de Cooperação Técnica, dentre outros assuntos do interesse de Viana.

Ex-doméstica, maranhense é classificada na primeira fase do ‘The Voice +’

Yeda Maranhão também é sambista do Salgueiro teve voz comparada à de Alcione nas redes sociais.

Ex-doméstica, maranhense é classificada na primeira fase do ‘The Voice +’ — Foto: Reprodução/TV Globo

Yeda Maranhão é o nome da maranhense de 76 anos que participou da primeira audição às cegas do “The Voice +”, novo reality show da TV Globo. A cantora escolheu a música “Nem Morta”, interpretada originalmente por Alcione, onde três cadeiras viraram para a artista.

A maranhense revelou que teve uma infância difícil, que onde morava nem tinha luz elétrica: “Tive meus filhos e o pai deles me abandonou, então fui para o Rio de Janeiro trabalhar em casa de família e ajudar minha mãe que ficou com eles lá. Encontrei uma grande patroa, Dona Beatriz, que me ensinou tudo e que me levou em um lugar para me apresentar. Ali, foi me dando mais vontade de cantar.”

Yeda, que estava usando um look confeccionado por ela própria, escolheu escolheu o Time Mumuzinho para disputar as próximas fases do reality show.

Quando trabalhava como doméstica, a artista lavava roupa cantando e foi aí que a patroa viu seu talento. Ela também já foi cabeleireira, manicure e costureira. Hoje, integra a ala de compositores do Salgueiro e já foi até indicada ao Grammy Latino.

“Comecei a andar em escolas de samba e fiz um samba para o Salgueiro, o presidente gostou e disse que dali para frente eu seria batizada na ala de compositores, como sou até hoje. Fiz parte do grupo musical da Velha Guarda. Em 2004, fomos indicados ao Grammy Latino. Sou uma cantora do povo”, vibrou Yeda, aplaudida pelos técnicos.

Após sua apresentação, a maranhense ainda recebeu elogios da jurada Claudia Leitte. “Sua história é inspiradora, seu vestido é lindo”, comentou.

Yeda Maranhão é participante da 1ª temporada do ‘The Voice +’ — Foto: Divulgação/TV Globo

(G1-MA)

Haja Chico da Ladeira

Um tributo a esse poeta popular, que soube como poucos interpretar a cultura do Maranhão.

O cantor e compositor maranhense Chico da Ladeira morreu na madrugada deste sábado (24), aos 72 anos, por falência múltipla dos órgãos.

O artista conhecido pelo sucesso “Haja Deus”, da década de 1970, fazia parte da ala dos compositores da escola de samba Flor do Samba, em São Luís.

O velório será realizado na quadra da Flor do Samba, no bairro do Desterro.

O carrasco do boi

Luiz Antonio Morais*

 

Ele já passou o sal

Soprou a brasa, vermelhou sob a grelha, o troféu

De uma noite encantada bem ao léu

De uma fazenda sem dó, de tortura um parto só

Um desejo, um lampejo de um facão

No peito cravejado no ventre, no coração

De um grito uma vingança, uma sina

Ela quer, ela deseja, ela vomita palavrão

Ela quer a carne trêmula do gozo do patrão

Ela é Catirina, ela é fina, ela é mulher

Menina teima, queima a fogueira, um tição

Da fuga do boi, a corda alcança a paixão

Do laço do abraço rebolado, a dança da fogueira

Vaidade cega, brilho da lua

Estrelas, sangue suor a noite inteira

Aguardente, quente, couro quente

Badalos, sotaques, pulsar, é fogo

O couro come, som, dançou, fugiu

A lança do ferrão, no lombo que sangrou

A fera ferida que urrou, ecoou

Na palafita, nos guetos, do terreiro sujo

Na poeira que solta o grito, toada, canção

Matraca, chifre na cabeça é um barbatão

Que chama da janela, a menina apaixonada

Um baiante da noite sem dormir

Com o sol que nasceu da lua, da noite que cair

É um troço é um treco, é amante da brincadeira

É sotaque sem besteira de parir

É toada que maltrata o coração

Até na hora de partir

Já vou m‘ imbora paruano volto aqui

Alma rachada, da noitada e sem tí

Procurando, na pintura do teu rosto

O amor da nativa que perdi

Canto perdido de vaqueiro abandonado

Na porteira, na espera, na espora

No prenúncio da aurora

No sangue do vinho, do ciúme

No gosto do beijo, invasão de língua

Do mimoso eu sentí

No céu da tua alma, mata ele, mata a fome

Ressuscita, faz a festa São João

Traz o santo, traz o terço, faz a oração

Levanta e vai, conquista, encanta

Volta pro teu torrão, corta o sabor

Da língua que essa menina desejou

Meu coração arrebatou

Mas ela chegou pra sempre amor

Pro abraço do carrasco do desejo eterno

Pro abrigo da fazenda, a festa do feitiço

Berra o grito, porque nunca foi, nunca foi, nunca foi…

Ê meu boi!!!

Êêêêêêê Flor Catirina

Catirina Flor

Desce a escadaria

Minha mina,

Sobe a pradaria

Vem pra esta fazenda

Refúgio do meu amor

 

*Publicitário | Jornalista | Acadêmico da Academia Vianense de Letras (AVL) – Viana, junho 2020. (Escultura do boizinho: Nil Muniz).