A Baixada é só uma, e uma só!

Arquivo Google

Autor Elizeu Cardoso

Desde que vi a nova regionalização do Maranhão que fiquei mudo. Perdi a fala, feito criança amuada, e ando meio empacado, não vou mentir, burro brabo que pode é apanhar, mas não arreda o pé.

Estava todo mundo lá na Baixada, povo de riso fácil e histórias de nunca acabar, e alguém teve a descabida ideia. Homens fechados em salas de vidro e ar modificado, com caneta e lápis, notebook, smartphone e gps, decidiram: A Baixada é muito grande, vamos subdividir!

De uma canetada levaram Alcântara, Bequimão, Bacurituba e Cajapió, para um tal “Litoral”, ao lado de Mirinzal, Central do Maranhão, Guimarães, Cururupu, Cedral, Porto Rico, Serrano do Maranhão, Bacuri e Apicum-Açu.

São meio tanso, né? Pensam que só porque uns têm rios e outros têm mar, o sal há de nos separar. Deixem de bobagens, doutores! O que nos une, eu nem queria, mas vou elencar:

– É a curacanga, bola de fogo que anda por tudo quanto é lugar. Nesse pedaço de terra todo mundo já viu, até as crianças que acabam de nascer, é só perguntar.

– É a travessia no ferry-boat. Quando a gente deixa a cidade grande e ri até com o vento, assim que avista o Cujupe, vem tudo no pensamento.

– É o quintal cheio de fruta, o poço e a cerca velha. Na mesa da cozinha duas comidas sagradas: Na hora do almoço e do jantar a farinha de mandioca, e no meio da tarde, todo mundo reunido tomando café preto e um bolo de tapioca.

– É a conversa na boca da noite, a rua é o quintal da gente. Os vizinhos são tudo irmão, os mais velhos tudo tios, e se ficar magro é doença, porque lá ninguém tem fastio. É manga, milho, abacate, araticum, jenipapo, bagre, tapiaca, muçum, caranguejo, camarão, sururu, acará, piaba e traíra.

Deixem como estava, sei dessa ciência um pouquinho. A Geografia é mãe, desde os gregos, que sempre acha um jeitinho. Já ouviram falar da velha que olhou a foto da neta e disse: Benzadeus, retrato é coisa que parece! Do outro que só andava em linha reta na sua bicicleta? Bastava chegar num canto que descia, para arrumar a direção? Do casal que criou um sapo como se fosse um filho? Do pistoleiro que acabou uma festa fazendo o som de tiro com a boca? De Dom Sebastião e seus cachorros andando na noite escura? Do vendedor de ovos que comprava e revendia pelo mesmo valor, apenas porque o trabalho enobrece o homem? Tudo coisas de lá.

Essas coisas não cabem em mapas, senhores, porque são cartografias das falas, dos risos, das memórias, dos cheiros, das cantorias, dos tambores e das festanças. A Baixada não cabe nem nela mesma, repare bem como a gente a leva para tudo quanto é lugar. Mas se ainda assim tiverem dúvida do que vos alerto e protesto, mandem uma pessoa dessas, de qualquer lugar falar. Bastará abrir a boca que vai sair de uma vez, pois por mais que falemos português, é a alma que determina, o nosso sotaque é baixadês!

Arquivo Google

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *