Viana – Blog Vianensidades entrevista: Carrinho Cidreira

Sharing is caring!

O economista e empresário Carlos Augusto Cidreira, o Carrinho, tem sido apontado em Viana como um dos nomes mais fortes para a sucessão do prefeito Magrado Barros (PSDB). Carrinho foi três vezes vereador, foi vice-prefeito, secretário de Saúde e de Educação, com êxito na execução das políticas públicas municipais. Na entrevista que segue, a ser feita pelo Blog com todos os possíveis pré-candidatos às eleições municipais de 2.020, o empresário faz uma avaliação do cenário político no município a partir da insatisfação da população com a atual administração. Ele não se negou, inclusive, a comentar as críticas dos adversários que o chamam de perseguidor. “Você acha justo não ser correto com as pessoas, não cumprir seus deveres e suas promessas? Se isso é ser perseguidor, eu creio que tem muita gente preferindo um “perseguidor” do que um “enganador”, provoca.

BV – Partidários do prefeito Magrado acusaram a oposição de ser a responsável pela manifestação, realizada nas ruas de Viana. Estamos a pouco mais de um ano para a sucessão municipal. Não é cedo ainda para um “Fora Magrado”?

CC – Eu concordo que ainda é cedo. É muito cedo para tamanha insatisfação por parte da população a ponto de fazer as pessoas ocuparem as ruas do município para protestar. Por outro lado, já estamos na metade de um mandato legítimo, uma escolha feita pelos vianenses e nenhum obra ou ação relevante foi feita pela Prefeitura Municipal. O dono deste mandato é o povo, pois conforme nossa Carta Magna, “todo poder emana do povo”. Um prefeito é um servidor público, cujo salário é pago por todos nós. O que se espera é que, qualquer que seja o chefe do Executivo, ele preste contas de seu mandato ao patrão – que é a população – e não que aponte dedo para grupo político A ou B. Em minha modesta opinião, em vez de responsabilizar a oposição pela manifestação, o prefeito deveria vir a público e mostrar o que fez, convencendo assim nossos conterrâneos de que esse protesto é injusto. Será que todos vianenses estão satisfeitos com essa administração? Será que somente a  oposição está insatisfeita? Aquilo foi um ato de coragem, havia jovens na manifestação, nenhum político esteve presente.

Outra coisa que precisa ser observada é que o eleitorado brasileiro mudou muito, nos últimos anos. Felizmente as pessoas estão mais atentas, mais exigentes, mais informadas. Qualquer um que almeje um cargo público deve respostas, explicações. Viana está cansada, quer seriedade, quer menos conversa fiada e trabalho de verdade que resulte em melhoria de vida para seus filhos.

BV – O senhor aparece em todas as sondagens informais como um dos nomes mais fortes para suceder o prefeito Magrado. É agora o momento da população dar uma oportunidade a Carrinho?

CC -Não acho que seja uma “oportunidade para Carrinho”. É hora de darmos uma oportunidade para Viana. O vianense precisa voltar a ter orgulho de suas ruas, seus pontos turísticos. Não é possível mais vivermos em uma das cidades mais lindas do Maranhão, com riquezas ambientais, beleza, cultura, história, sem o mínimo de serviços básicos. Como podemos ter ambulância ou hospital, sem médicos suficientes? Nem o acesso à água, o mais básico dos serviços foi possível resolver em dois anos. O meu nome costuma ser sempre lembrado pela população e eu agradeço pela confiança de cada um. Há também bons nomes para sucessão do prefeito e, quem sabe, possamos formar um grupo forte, comprometido com o trabalho, preparado, com ideias inovadoras. Uma cidade não é feita só de asfalto e de praça. E olhe que nem isso conseguimos ter ainda.

BV – Na sua opinião, de economista, empresário – que gera emprego e renda no município – como fazer com que Viana cresça, se desenvolva e saia dessa situação de estagnação?

CC – É exatamente essa a sensação: sentimos hoje que há uma completa estagnação em Viana. Não é possível que se faça, e muito mal, apenas o “feijão-com-arroz” administrativo, esperando que o município consiga se desenvolver. Só pagar o funcionalismo vai fazer o município crescer?  Só inaugurar uma praça vai melhorar nossa economia? Logicamente que não. Precisamos de leis municipais, de políticas públicas para incentivar o empreendedorismo, para transformar o nosso rico ecossistema em fonte de renda com o turismo e as atividades produtivas. Precisamos também promover eventos para Viana, que não seja apenas Carnaval, mas feiras, exposições que gerem renda e criem um ambiente de negócios na cidade. Os bancos públicos possuem várias linhas de financiamento, a juros baixos, que os comerciantes não sabem como fazer para adquirir. Eu, que fui bancário e que sou um empreendedor, conheço a importância de um capital de giro para abrir ou ampliar os negócios. Outro aspecto importante: é preciso ter trânsito em Brasília não apenas para fazer fotos ao lado de deputados ou senadores. Mais da metade das prefeituras do Brasil perdem verba por falta de projetos. É nós temos projeto para a nossa cidade.

BV – Viana, com 55 mil habitantes aproximadamente, recebeu agora só na terceira parcela de recursos federais, do último dia 30 de janeiro, quase 6 milhões de reais, somando FPM e FUNDEB. E mesmo assim vivemos como se estivéssemos abandonados no município. Falta dinheiro ou gestão?

CC – Com um repasse de 6 milhões nos cofres da prefeitura, é evidente que o problema é de gestão. Veja, por exemplo, o Sistema de Abastecimento de Águas e Esgoto de Viana, o SAAE. Já chegaram aqui até autoridades para visitar essa obra interminável, mas a água nunca veio, inclusive o telhado está destruído. A população está sofrendo. Agora se não for problema de gestão, o prefeito precisa vir a público e explicar porque as obras não saem do papel com tantos recursos recebidos. Por que em dois anos nenhuma escola foi reformada, com tanto recurso recebido? Se houve aumento da taxa de iluminação pública, por que as ruas continuam um caos? O município possui péssima infraestrutura, a zona rural vive ao “deus-dará”. Como eu disse, a metade do mandato do atual prefeito já se foi. Ano que vem será um ano eleitoral e devem aparecer algumas obras para que a população se convença de que algo foi feito. Mas pelo clima no município, as pessoas desta vez estão mais exigentes e com toda razão.

BV – Seus adversários o acusam de ser muito rigoroso e até “perseguidor”. Isso procede ?

Rigoroso eu sou, principalmente quando se trata de usar a verba pública, um dinheiro que vem dos bolsos da população. Recebi de meus pais uma formação que ensinou a ser responsável, a cumprir minhas obrigações desde cedo. E a cada dia me convenço que é essa a postura necessária a quem tem um propósito de mudar a vida das pessoas, de trabalhar por um ideal de justiça e oportunidade para todos.

Para muitos (felizmente há exceções), a política no Brasil virou um negócio e, em alguns casos, um negócio que rouba a vida das pessoas, quando a verba da Saúde não é aplicada corretamente, que rouba oportunidades de crescimento, quando não se investe adequadamente em Educação. É preciso rigor com as contas públicas.

Eu sou político porque acredito que a política é um instrumento poderoso de transformação social. Fui três vezes vereador, fui vice-prefeito, secretário de Saúde e de Educação e tenho experiência, já fui testado. Nunca fui perseguidor, sempre agi tendo como parâmetro aquilo que considerei justo e correto. Ou você acha justo não ser correto com as pessoas, não cumprir seus deveres e suas promessas? Se isso é ser perseguidor, eu creio que tem muita gente preferindo um “perseguidor” do que um “enganador”. (risos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *