Folia dos Conterrâneos e Amigos de Viana

Um registro da galera bonita e animada que prestigiou no último sábado (18), mesmo com muita chuva, a Folia dos Conterrâneos e Amigos de Viana – uma boa sacada de Magno Froz que reuniu muitos amigos e conterrâneos em uma festa de pré-carnaval do jeito que os vianenses gostam, com marchinhas dos antigos carnavais,  no bairro Cohama, em São Luís.

Fotos obtidas em Redes Sociais

Preso e acusado de participação a assalto a banco no MA é natural de Matinha-MA

Fábio Júnior Mendanha Mendes tem 28 anos e é natural de Matinha. Primeiros meses de 2017 já foram cumpridos 55 mandados de prisão.

Fábio Júnior Mendanha Mendes é suspeito de participar dos assaltos às agências bancárias de Cajari e São Mateus (Foto: Divulgação/SEIC)

Do G1 MA

Uma operação da Polícia Civil por intermédio da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic) prendeu nesta terça-feira (21) no bairro Maracanã, situado na zona rural de São Luís, Fábio Júnior Mendanha Mendes, de 28 anos. Ele é suspeito de participar de assaltos em agências bancárias no Maranhão.

Segundo a polícia Fábio, que também é conhecido como “cegonha”, é natural do município de Matinha, a 222 km da capital, e é suspeito de ter participado da explosão aos caixas eletrônicos do Banco do Brasil (BB) das cidades de Cajari e São Mateus do Maranhão nos meses de novembro e dezembro do ano passado.

Fábio Júnior Mendanha Mendes foi levado para o Complexo Penitencário de Pedrinhas, no bairro Pedrinhas, em São Luís, onde ficará à disposição da Justiça.

De acordo com a Polícia Civil, só nesses primeiros meses de 2017 já foram cumpridos 55 mandados de prisão em face de assaltantes de banco.

Viana – Após o CALOTE, Prefeitura vai gastar mais de 1 milhão no Carnaval*

Depois de deixar milhares de servidores de cargos comissionados, fornecedores e prestadores de serviços sem receber seus recursos, a nova gestão vianense anuncia, em cima da hora, o que sabe fazer de melhor, afinal, é o mesmo grupo do ex-prefeito Rilva Luis, fazendo mais do mesmo, ou seja, CACHAÇA E FORRÓ para o povo esquecer que nada mudou.

Segundo o panfleto divulgado, e apuração do Blog, tem banda que custou R$ 100.000.000 (cem mil reais), para tocar durante 2 horas, apenas um dia no carnaval de todos eles. A estrutura divulgada é de fazer inveja aos melhores carnavais do Brasil. 

Vale a pena fiscalizar e aguardar a prestação de contas e a origens dos recursos para uma festa nababesca, sendo que faltam recursos para pagar os servidores e fornecedores.

BOMBA, BOMBA E BOMBA!!!

Acabou de chegar à Redação, notícia (ainda não confirmada), que o organizador do carnaval apresentou uma planilha com o valor exorbitante de 120 mil reais (CACHÊ DE APENAS UMA BANDA). O financeiro da prefeitura achou muito salgado e ligou direto para o empresário da banda. Resultado: o sabidão tinha colocado 20 pilas a mais de sobretaxa, para garantir o dele, claro.

As velhas práticas, os mesmos vícios, e assim Viana vai dançando conforme a música, e para pior.

Segundo informações, o prefeito estaria furioso e, é capaz de rolar até demissão. Aguardem novas informações.

*Estimativa em carnavais divulgados com a mesma estrutura de bandas, som e palco.

PF apreendeu 1,2 mil quadros, que adornavam até os banheiros de Márcio Lobão

Durante a deflagração da Operação Leviatã, um desdobramento da Lava Jato, a Polícia Federal apreendeu nesta quinta-feira (16) 1.200 quadros na residência Marcio Lobão, filho do senador Edison Lobão, presidente da CCJ; segundo o colunista Lauro Jardim, parte da coleção de Marcio Lobão adornava “paredes até dos banheiros e lavabos do seu apartamento de frente para o mar do Leme”

Márcio Lobão, filho do senador Édison Lobão, foi deletado por receber propina

 247 – A Polícia Federal apreendeu nesta quinta-feira 16, durante a Operação Leviatã, um desdobramento da Lava Jato, 1.200 quadros na casa de Marcio Lobão, filho do senador Edison Lobão (PMDB-MA), presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado.

 O colunista Lauro Jardim assim descreveu Marcio Lobão nesta manhã:

 Márcio Lobão é conhecido por ser amante de bons vinhos tintos franceses (dá preferência aos de Bordeaux). Participa de várias confrarias de amantes de boas safras. É dono de uma adega de qualidade.

 Notabilizou-se também, desde que foi morar no Rio de Janeiro, há pouco mais de uma década, por colecionar obras de arte. Tem um excelente acervo. Parte deles adorna paredes até dos banheiros e lavabos do seu apartamento de frente para o mar do Leme.

 O ex-presidente da Andrade Gutierrez Energia e delator da Lava Jato, Flávio David Barra, foi quem apontou o senador Edison Lobão (PMDB/MA) como o suposto responsável por coordenar o recebimento de propinas para o PMDB envolvendo as obras de Belo Monte e da usina nuclear de Angra 3.

 Segundo o ex-presidente da Transpetro e também delator, Sergio Machado, era Marcio Lobão quem recebia, em mãos, um mensalão de R$ 300 mil do esquema. Por meio de seus advogados, Marcio Lobão se disse inocente e chamou a Operação Leviatã de “drástica medida judicial”, (Via Blog do Garrone).

Viana – “Quem estiver pagando prestação de Corolla não vai receber”…

A versão destrambelhada, esdrúxula e debochada da “comunicação” do prefeito Magrado Barros (PSDB), para o SUPERCALOTE que deixou milhares de servidores (inclusive ex-secretários), e prestadores de serviço sem receberem seus pagamentos ao qual tem direito, pelos serviços profissionais que prestaram ao município. Falta de aviso não foi! E agora, de qual lado vão ficar o Ministério Público e os vereadores de Viana?

É no mínimo polêmica e debochada a versão oficial da Prefeitura de Viana, ao se referir aos servidores não concursados, comissionados e prestadores serviço que ficaram sem receber seus salários e pagamentos de novembro e dezembro (da gestão passada), por conta do bloqueio das contas do Município, decisão que atendeu ao pedido do Ministério Público do Maranhão (MPMA), e fez parte da ação institucional “A cidade não pode parar: campanha pela transparência na transição municipal”.

Lembrando que a gestão passada deixou os recursos para os pagamentos, e que estes foram bloqueados pela Justiça. A Prefeitura e o prefeito Magrado, talvez movidos por ódio e perseguição, generalizaram os documentos e a ação do Ministério Público, e deixarem os servidores (até os ex-secretários municipais), e prestadores de serviço no prejuízo e no desespero, muitos deles pais de famílias que precisam pagar suas contas no comércio, têm família, filhos e compromissos com empresas que não querem nem saber de onde vem os recursos para honrar suas dívidas.

Depois de finalizada mais uma audiência, nesta quarta-feira (15), com Juiz Celso Serafim Júnior – Juiz de Direito Titular da Comarca de Matinha/MA, representando a 1ª Vara da Comarca de Viana, os interlocutores da Prefeitura procuraram emissoras de rádios e redes sociais para, ao invés de informarem a população, fazerem uma espécie de caça as bruxas, com afirmações levianas sobre atuações de supostos “fantasmas” e também sobre aquisição de bens de supostos servidores. A perseguição é tamanha que até o ato criminoso de “vazar” em redes sociais – contracheques  de servidores e notas fiscais de fornecedores contrários ao famigerado grupo – estão sendo praticados por integrantes da atual gestão.

A pergunta que não quer calar

Quem será o feliz proprietário desse famoso Corolla?

E quem comprou mansões, apartamentos, sítios, carrões, cursou faculdade particular com recursos da Prefeitura, praticou orgias, guardou montanhas de dinheiro em cofres e praticou todos os crimes públicos previstos em Lei, merece respeito e receber salários da atual gestão em Viana?

Cara de pau é pouco!!!

Alguns áudios gravados e divulgados em redes sociais funcionam como um COICE no estômago na população e nos servidores que estão desesperados com os atrasos salariais, afinal, (os áudios) são oriundos de representantes de um grupo que montou uma verdadeira “quadrilha” na Cidade dos Lagos e agora estão abrigados novamente no casarão azul, dependentes e carentes dos recursos da “viúva”.

Carente ainda de um Sistema de Informação, a nova gestão “empurra” signatários raivosos sem o menor preparo para o dever de bem INFORMAR a população sobre seus direitos, debochando e afrontando a dignidade de todos sem exceção.

E assim, de COICE em COICE, o povo vianense vai caindo na real e lamentando o tratamento deseducado, debochado e desrespeitoso por parte daqueles que deveriam cuidar e respeitar o povo vianense que paga seus salários com impostos.

Contradições (?). Conivência (?) Entenda o caso

A decisão proferida pela Justiça na semana passada (reveja) deixou muitos servidores e prestadores de serviços esperançosos de receber seus atrasados, mas, pelo que se apurou até agora, a Prefeitura protelou por via judicial uma sindicância que vai perdurar por 70 dias, prorrogável por mais setenta e, para o bom entendedor, nem os comissionados, nem fornecedores ou prestadores de serviços vão ver a cor do seu dinheiro tão cedo, mesmo sabendo que ainda existe (bloqueada) uma parcela dos recursos deixados pela gestão anterior para esses pagamentos. A Justiça mais uma vez vai ser acionada.

Leia a sentença (anterior)

“Determino que o município faça aportar aos autos em até 05 dias a relação analítica dos beneficiários e/ou pagamentos referentes aos R$ 540.805,05 supramencionados, após comprovada a dotação determino o encaminhamento ao Banco do Brasil para efetuar o pagamento, devendo permanecer bloqueado o remanescente. Após que o Banco do Brasil informe a este juízo o pagamento em até 48 horas. Redesigno a audiência de continuação para quarta feira próxima 15 de fevereiro de 2017, às 10h”.

Porém, só vão receber os servidores efetivos e concursados. Os “outros” terão de passar pelo crivo de “advogados” conhecidos e sedentos de vingança – que estão de volta à boquinha -, com a conivência do atual gestor, portanto, quem quiser receber que conte com a benevolência da Justiça, pelos próximos anos, até uma nova eleição.

Moral da história: ENTRE NA JUSTIÇA (CONFIE), OU FAÇA PROMESSA À PADROEIRA N.S. DA CONCEIÇÃO. OU VÁ A ROMA RECLAMAR AO PAPA (DE CARONA NUM COROLA)!

Homens são analógicos, mulheres são digitais

Se não quiser sucumbir, a economia em rede precisa tornar o arquétipo feminino dominante, nas empresas e em todas as organizações

Por Walter Longo, via Revista HSM

Todo mês de junho, a Dell Computer patrocina a conferência DWEN. A sigla significa Dell Women’s Entrepreneur Network, ou rede Dell de mulheres empreendedoras. A sede vai mudando: o pri­meiro encontro ocorreu em Xangai, China, em junho de 2010; o segundo, no Rio de Janeiro, exatos 12 meses de­pois; o terceiro em Nova Délhi, na Índia, e assim por diante. Em 2016, foi a vez da Cidade do Cabo, na África do Sul.

Por que uma empre­sa ocupada em lutar uma verdadeira guerra pelo mercado de tecnologia da informação investe uma fortuna para construir um relacionamento de lon­go prazo com executivas e empreen­dedoras, especialmente de pequenas e médias empresas? O que a Dell sabe que nós não sabemos?

Da mesma forma, a revista Fast Company já elaborou uma lista de mulheres que estão mudando o mundo, “The League of the Extraordinary Women”, a revista Fortune produz um ranking de melhores empresas para mulheres trabalharem, várias consultorias, como a McKinsey, acompanham a evolução das mulheres no mercado de trabalho etc.

Alguns argumentam tratar­-se de me­ra matemática mercadológica. Afinal, mais de 60% da movimentação nas redes sociais é realizada pelas mulheres, no que se refere a atualizações e comentários, e muitos ecommerces têm 70% dos clientes têm apenas cromos­somo X. Mesmo o universo dos games, antiga fortaleza masculina, está sendo dominado pelo público feminino: o Zynga já informou que 60% de seus games online já são hoje consumidos por elas.

Outros acreditam que as pessoas começam a acordar para o fato de que, em tempos de sustentabilidade, as mulheres constituem o pilar sustentável de famílias e comunidades, como já comprovou o Prêmio Nobel da Paz Muhammad Yunus, conhecido por seu revolucionário programa de microcrédito dirigido apenas a mu­lheres em Bangladesh. Questão de comportamento: em geral, elas não vão embora nem abandonam os ou­tros por motivos fúteis, incluindo em­pregadores e fornecedores.

Em minha opinião, as duas explicações para haver tanto interesse do mundo business pelas mulheres procedem, mas não bastam. As mulheres não são somente as maio­res usuárias ou as provedoras está­veis, como também, crescentemente, as grandes protagonistas. Desde 2010, das dez celebridades mais procuradas em diferentes mecanismos de busca na internet, apenas um é homem, se­gundo levantamento da COED Maga- zine, revista do estilo de vida teen nor­te­-americano. E, independentemente de qualquer juízo de valor, celebrida­des são os “role models” de uma so­ciedade de massa.

A questão central é outra: por razões históricas e biológicas, mulheres estão mais aptas do que homens para prota­ gonizar —e sustentar— esta era digital.

ANÁLISE BIOCOMPORTAMENTAL

Tidos como piadas ou recriminados pelos defensores do politicamente correto, os mitos de gênero se con­firmam na maioria das vezes: ho­mens sabem ler mapas, mulheres encontram objetos em gavetas mais facilmente. Homens privilegiam o monólogo e falam menos, mulhe­res gostam de diálogo e falam mais. Homens empreendem, mulheres ge­renciam. Homens têm foco, mulhe­res são multitarefas.

Tudo isso requer, no entanto, uma análise biocomportamental. No perío­do em que o cérebro teve sua maior evolução —hoje ele continua muito si­milar—, cabia aos homens caçar e pes­car e às mulheres cuidar da moradia e dos filhos. Eles precisavam ter uma noção de espaço aguçada, visão foca­ da na distância, ser silenciosos para não espantar as presas, buscar algo que não possuíam e concentrar-­se na­ quela única missão. Elas, por sua vez, tinham de viver em espaços reclusos e restritos, com visão próxima e na penumbra, fazer barulho para man­ter a moradia a salvo dos predadores, cuidar do que possuíam e lidar com várias atividades ao mesmo tempo, até pela quantidade de filhos.

Outro aspecto interessante, de acor­do com estudos biocomportamentais recentes, é que a reação ao perigo era radicalmente distinta em homens e mulheres. Se eles respondiam a uma ameaça com o típico “fight or flight” (lutar ou fugir), elas apelavam para o “tend and befriend” (cuidar e fazer amizade), porque seu objetivo era pre­servar o máximo de sua cria.

Essa propensão a compor com os outros é atribuída, em inúmeras pes­quisas, ao fato de o hormônio femi­nino estrogênio alavancar os efeitos da oxitocina, que estimula o amor e o “instinto maternal”.

ABUNDÂNCIA = COLABORAÇÃO

A economia industrial, onde havia escassez, sempre foi baseada na do­minação e no controle, não na cola­boração e no senso de comunidade. Assim, sempre foi claramente mas­culina. Afinal, lutar ou fugir e a hos­tilidade XY são o que viabiliza tanto a dominação como o controle.

A economia pós-­industrial, caracte­rizada pela abundância resultante da globalização e das tecnologias em rede, pede, ao contrário, colaboração e sen­so de comunidade. É uma mudança de paradigma gigantesca e, embora já muito alardeada, ainda se mostra pou quíssimo compreendida.

A única coisa que falta para a ne­cessária revolução é justamente en­tender e aceitar o papel dominante das mulheres na economia pós­-in­dustrial, pois, para elas, a colabora­ção e o senso de comunidade são o padrão. (Trata­-se do papel do arquétipo feminino, uma vez que este pode ser incorporado por homens tam­bém, assim como tantas mulheres incorporaram o arquétipo masculino na economia industrial.)

Em um ambiente de escassez, ho­mens se dão melhor porque há uma disputa contínua pelo poder, que re­quer luta ou fuga. Num ambiente de abundância, onde qualquer estrutura é mais participativa e descentrali­zada, é a mulher que se sai melhor, cuidando dos outros e fazendo ami­zades. Se os homens insistirem em continuar à frente nesta era de abun­dância, tenderão a forjar a escassez para manter o poder. E os resultados tendem a ser desastrosos para todos.

Só elas podem levar esta nova eco­nomia em rede a um estado de graça, enquanto nós talvez a conduzamos a um cataclismo. Nós, homens, somos analógicos e as mulheres é que são digitais. É a elas, e ao arquétipo fe­minino, que este mundo pertence. Os líderes de empresas como a Dell já o per­ceberam. E você?