Radiografia da Baixada Maranhense

O Estado do Maranhão possui 217 municípios distribuídos em 5 mesorregiões e 21 microrregiões geográficas. A microrregião da Baixada Maranhense pertence à mesorregião Norte Maranhense.

A atual divisão microrregional fixada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estabeleceu que a Baixada Maranhense é formada por 21 municípios: Anajatuba, Arari, Bela Vista do Maranhão, Cajari, Conceição do Lago-Açu, Igarapé do Meio, Matinha, Monção, Olinda Nova do Maranhão, Palmeirândia, Pedro do Rosário, Penalva, Peri-Mirim, Pinheiro, Presidente Sarney, Santa Helena, São Bento, São João Batista, São Vicente Férrer, Viana e Vitória do Mearim.

Assim, de acordo com o IBGE, os municípios de Cajapió, Bacurituba, Bequimão e Alcântara não integram mais a microrregião geográfica da Baixada Maranhense.  A partir de 1990, passaram a fazer da microrregião do Litoral Ocidental Maranhense, ao lado de Mirinzal, Central do Maranhão, Guimarães, Cururupu, Cedral, Porto Rico, Serrano do Maranhão, Bacuri e Apicum-Açu.

Situada às margens do Golfão Maranhense, ostentando características naturais extraordinárias e diferentes ecossistemas, a BAIXADA MARANHENSE FOI transformada em Área de Proteção Ambiental, por meio do Decreto Estadual nº 11.900, de 11 de junho de 1991.

Os principais rios da Baixada: Aurá, Maracu, Mearim, Pericumã, Pindaré e Turi.

Os principais lagos: Aquiri, Cajari, Capivari, Coqueiro, Formoso, Itans, Lontra, Maraçumé e Viana.

Os principais peixes: acará, acari, aracu, bagrinho (anojado), cabeça-gorda, calambanje ou carambanja, camurim, carrau, cascudo, corró, curimatá, jandiá, jeju, lírio, mandi, mandubé, muçum, pacu, pescada, piaba, piau, piranha, pirapema, sarapó, solha, surubim, tapiaca, traíra e viola.

As principais aves : bacurau, carão, colhereiro, garça, gavião caramujeiro, guará, gueguéu, graúna, jaburu, jaçanã, japeçoca, juriti, lavadeira, maçarico, marreca, mergulhão, pato-do-mato, pescador, pirulico, siriquara, socó e tetéu.

As principais plantas: aninga, arariba, arroz-do-campo, caçu, canarana, cantã, capim-açu, capim-de-marreca, gameleira, gapéua, guarimã, jeniparana, junco, jurubeba, mata-pasto, mururu, orelha-de-veado, taboa, titara e tripa de vaca.

As principais atividades econômicas: pesca de subsistência, agricultura familiar, pecuária extensiva, piscicultura, caça, extrativismo vegetal (babaçu) e pequenas criações (galinhas, patos, porcos, ovinos, caprinos etc).

Suspeito de fraudes no Seguro Defeso, Fernando Furtado é denunciado à PF

Fernando Furtado

O suplente de deputado estadual Fernando Furtado (PCdoB) foi denunciado hoje (13) à Polícia Federal por suspeita de fraude na concessão de Seguro Defeso na cidade de Viana.

 

Segundo documento protocolado na Superintendência da PF no Maranhão pelo Sindicato dos Pescadores de Viana, o comunista – que comanda a Federação dos Sindicatos dos Pescadores do Maranhão (Fespema) – tem feito o cadastro de pessoas que não são pescadores para receber o benefício.

Para isso ele contaria, de acordo com a denúncia, com o apoio de Antonio Coelho Azevedo, que chegou a ser preso pela Polícia Civil em março de 2015, quando o delegado Ney Andreson, por meio da Operação Peixe Grande, descobriu um esquema justamente no Sindicato dos Pescadores de Viana.

“O referido grupo [comandado port Furtado e Antonio Azevedo]iniciou processo de requerimento de seguro defeso para pessoas que não são pescadoras”, afirma o Sindicato, que entregou aos federais relação dos cadastrados irregularmente, com cópias de todos os documentos.

Ainda segundo o sindicato, o esquema foi descoberto quando pessoas alheias à atividade pesqueira em Viana procuraram entidade para cadastrar-se e receber o benefício.

“Tendo em vista que o atual sindicato não compactua com as atitudes irregulares da gestão anterior, foram as pessoas informadas de que não seria possível tal procedimento”, informaram.

O Blog apurou, também, que Fernando Furtado teria o apoio de um funcionário do INSS em Pinheiro, onde, mesmo com a documentação irregular, conseguiria dar entrada no seguro para os falsos pescadores.

O caso deve começar a ser investigado em breve.

 

Do Blog do Gilberto Léda

Globo ajudou agronegócio com novela e Basf comprou o samba da Vila Isabel, mas este ano tem resposta na Sapucaí

“Censo Agropecuário de 2006 mostrou que 70% dos alimentos que chegam à nossa mesa vêm da agricultura familiar, mesmo tendo ela direito à apenas 24% das terras”

Imperatriz acerta em cheio umbigo do agronegócio. Enredo é tudo que o agronegócio não quer ouvir

Por Alan Tygel*, no Brasil de Fato

Há alguns meses, publicamos neste espaço um artigo sobre a tentativa desesperada do agronegócio em salvar sua imagem perante a sociedade com a novela O Velho Chico.

Na ocasião, afirmamos que o investimento na novela tentava construir a imagem de um agro-pop-tudo em oposição ao velho coronelismo.

A motivação para esse esforço veio de uma percepção do próprio agronegócio de que a sociedade o associa ao desmatamento, aos agrotóxicos e ao trabalho escravo.

Em 2012, o mesmo agronegócio, representado pela Basf, comprou o samba da Vila Isabel.

O (lindo, por sinal!) enredo, que tinha Martinho da Vila como um dos autores, não era sobre os agrotóxicos e transgênicos produzidos pela empresa, mas sim sobre a vida camponesa cumprindo sua missão de alimentar o povo.

Por trás, havia a tentativa subliminar de associar esta linda imagem ao agronegócio.

Neste ano, é da mesma Sapucaí que vem um belo golpe na imagem do agronegócio.

Depois de um ano marcado, entre outros, por ruralistas formando milícias para atacar indígenas, a Imperatriz Leopoldinense acerta com beleza e elegância o ego daqueles que se acham donos do país.

O enredo, chamado “Xingu, o clamor que vem da Floresta”, fala basicamente sobre luta pela terra. E tudo que o agronegócio não quer ouvir.

Um dos trecho diz que “O belo monstro rouba as terras dos seus filhos / Devora as matas e seca os rios / Tanta riqueza que a cobiça destruiu”, e emoldura alas como os “Olhos da cobiça”, “Chegada dos invasores” e “Fazendeiros e seus agrotóxicos”.

Acostumados a olhar apenas para o próprio umbigo, sem enxergar um palmo além da sua soja transgênica, ruralistas irados lançam notas e escrevem matérias a torto e a direito.

Por mais que se procure, sempre batem nos mesmo dois argumentos falaciosos: (1) o agronegócio alimenta o Brasil; (2) o agronegócio sustenta o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

O primeiro argumento é o mais débil de todos; sabemos que a grande massa de produção agrícola se concentra nas commodities de exportação (soja, milho para ração, cana-de-açúcar), e o Censo Agropecuário de 2006 mostrou que 70% dos alimentos que chegam à nossa mesa vêm da agricultura familiar, mesmo tendo ela direito à apenas 24% das terras. Portanto, esse argumento é claramente falacioso.

Em relação ao PIB, a análise é um pouco mais profunda, mas o argumento não é menos falacioso. Em primeiro lugar, precisamos entender que o PIB representa o conjunto de riquezas produzidas pelo país.

Não fala sobre distribuição de renda, nem geração de empregos.

Não se importa no bolso de quem essa riqueza vai parar. Pois bem: em 2015, a produção de soja rendeu ao Brasil R$90 bilhões. Ótimo? Nem tanto.

Como vimos recentemente, a enorme dependência de insumos externos do agronegócio faz com que grande parte deste valor fique nas mãos das empresas transnacionais.

Custos com sementes, agrotóxicos, fertilizantes e máquinas podem chegar a 90% do preço final, num mercado completamente oligopolizado por gigantes transnacionais como Bayer, Monsanto, Cargill, Basf, Syngenta, Bunge, Dreyfus, ADM…

Nem no Brasil o dinheiro fica.

Não custa lembrar que o subsídio do governo no Plano Safra chegou à casa dos R$ 200 bilhões no ano passado, só para o agronegócio.

É transferência direta do governo para as transnacionais, e ainda dizem que isso sustenta o PIB.

Como nota de rodapé, poderíamos incluir ainda que o agronegócio não gera empregos: são apenas 1,7 pessoas por 100 hectare (ha), enquanto a agricultura familiar emprega 9 vezes mais: 15,3 pessoas por 100 ha.

Entre 2004 e 2013, o agronegócio reduziu 4 milhões de empregos, ou 22% do total. No mesmo período, o desemprego no Brasil caiu de 11,7% para 4,3%.

Que chorem os plantadores de soja, criadores de zebu e especuladores da fome: o Carnaval de 2017 já tem vencedor, e somos nós: povos indígenas, quilombolas, camponeses, sem terra, do campo, das florestas e das águas, todas e todos que lutam por seus territórios sadios contra o agronegócio.

Todo nosso respeito à Imperatriz Leopoldinense.

*Alan Tygel, da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

ELEIÇÃO FAMEM: Irlahi está fora do páreo e Tema é candidato único

Irlahi Moraes sai da disputa e Cleomar Tema vira candidato único
Irlahi Moraes sai da disputa e Cleomar Tema vira candidato único

A eleição à presidência da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (FAMEM), a ser realizada na próxima segunda-feira (16), tomou novo rumo nesta sexta-feira (13).

É que a prefeita de Rosário, Irlahi Moraes (PMDB) deixou a disputa por conta de irregularidades constatadas no registro da chapa encabeçada por ela. Outro problema foi o quantitativo de integrantes pois a chapa foi se esvaziando e tornando-se inviável para participar da eleição.

Com a prefeita Irlahi fora do páreo, o seu único adversário Cleomar Tema (PSB), que já acreditava na vitória, agora reina sozinho na disputa presidencial da FAMEM.

Vale ressaltar que a chapa “Prefeito Humberto Coutinho” – nome em homenagem ao ex-prefeito de Caxias e atual presidente da Assembleia Legislativa – registrada por Tema, vem mesclada de partidos tanto dinistas quanto sarneysistas demonstrando assim uma pluralidade ideológica, fator fundamental para uma eleição com viés unicamente financeiro. (Via Blog do Minard)

Membros de organização criminosa são presos em Viana e Santa Inês

Operação da Polícia Civil por intermédio da Superintendência Estadual de Investigações Criminais  –  SEIC, Delegacias regionais de Viana e Santa Inês em conjunto com a Polícia Militar por intermédio da DIAE e Batalhão de Santa Inês prendeu nas cidades de Viana e Santa Inês 11 (onze) membros da quadrilha que no dia 15.12.2016 explodiu o banco do Bradesco da Cidade de São Mateus-MA, bem como parte do armamento utilizados na empreitada criminosa.

Após 03 (meses) de Investigações pelo departamento de combate ao roubo às Instituições Financeiras da SEIC foram identificados a organização criminosa que agiu em São Mateus e em outras cidades do interior do Estado.

No dia de ontem foi deflagrada a operação em conjunto com a Polícia Militar e com as delegacias regionais de VIana e Santa Inês sendo presos 7 alvos em Santa Inês e 4 alvos em Viana, conforme segue a relação:

PRESOS EM VIANA:

TORQUATO CIDREIRA SILVA, 19/11/1983, NATURAL DE SÃO LUÍS, POSSUI ANTECEDENTES POR HOMICÍDIO E PORTE ILEGAL DE ARMA DE FOGO EM VIANA-MA; ADRIANA COSTA ANDRADE, 12/05/1990, NATURAL DE VIANA; LUIS CARLOS ROCHA MENDONÇA, VULGO NÉNEM, 05/03/1986, NATURAL DE VIANA, POSSUI ANTECEDENTES POR HOMICIDIO EM VIANA; ELIONALDO ROCHA MENDONÇA, VULGO NALDO, 28/11/1982, NATURAL DE VIANA, POSSUI ANTECEDENTES POR RECEPTAÇÃO E FORMAÇÃO DE QUADRILHA EM VIANA; MATERIAL APREENDIDO: DUAS ESCOPETAS CALIBRE 12, UM RIFLE .44 E UM COLETE BALÍSTICO.

PRESOS EM SANTA INÊS:

SERBSON PINHEIRO RIBEIRO, VULGO ERBÃO, 15/02/1980, NATURAL DE CAJARI-MA, POSSUI MANDADO DE PRISÃO PELO CRIME DE ROUBO JUNTO A COMARCA DE BURITICUPU; JEANFERREIRA MAGALHÃES, NATURAL DE BACABAL-MA, 02/08/1986, POSSUI MANDADO DE PRISÃO PELO CRIME DE ROUBO JUNTO A COMARCA DE BACABAL; RAIMUNDO CICERO SANTOS BEZERRA, 12/12/1968, NATURAL DE SANTA LUZIA-MA; WANDERSON RAMON GRANJA PEREIRA, 31/08/1990, NATURAL DE SANTA INÊS, POSSUI ANTECEDENTES POR ROUBO E PORTE ILEGAL DE ARMA DE FOGO EM SANTA INÊS; ADNALDO ALVES PEREIRA, 01/12/1970, NATURAL DE SANTA INÊS; EZEQUIAS NARCISIO SILVA, 11/07/1992, NATURAL DE SANTA INÊS; POSSUI MANDADO DE PRISÃO POR MARABÁ-PA E MATUPÁ-MT, POR TRAFICO DE DROGAS E HOMICÍDIO; ADAILTON LOBO, VULGO “NENA”, NATURAL DE SANTA LUZIA-MA, 25/11/1978, POSSUI MANDADO DE PRISÃO POR ROUBO A BANCO EM PIO XII.

MATERIAL APREENDIDO: UMA PISTOLA E UM REVÓLVER

Viana será contemplada com Núcleo de Educação Integrada do Governo do Estado

Governador Flávio Dino, secretário Felipe Camarão (Seduc), secretário Clayton Noleto (Sinfra), prefeitos e deputados estaduais durante a assinatura das ordens de serviço.Foto: Handson Chagas/Secap

O Governo do Estado continua com a política de expansão da rede de educação em tempo integral no Maranhão. Nesta quinta-feira (12), o governador Flávio Dino assinou ordens de serviço para a construção de sete Núcleos de Educação Integral, que comtemplarão os municípios de VIANA, Santa Inês, Vargem Grande, Codó,  Açailândia, Zé Doca e Santa Luzia. Com investimento de R$ 5,5 milhões em cada unidade, a construção destes núcleos beneficiará aproximadamente 25 mil estudantes da Rede Pública Estadual e das redes municipais.

Os Núcleos de Educação Integral fazem parte de um modelo de transição entre a educação regular e o ensino em tempo integral, e serão construídos para atender estudantes de diversas escolas das regiões contempladas, que poderão exercer atividades no contraturno. Os núcleos serão construídos especialmente para o desenvolvimento de atividades complementares aos componentes curriculares da escola regular, nos quais os estudantes poderão desenvolver diversas atividades artísticas, esportivas, de laboratórios, reforço escolar, entre outras.

De acordo com o governador Flávio Dino, o Maranhão já tem em curso a estratégia para cumprir a meta do Plano Nacional de Educação, de chegar a 30% dos alunos em escolas de tempo integral. Para isso, o Governo do Estado já conta com três unidades do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia (Iema), outros quatro entrarão em funcionamento em 2017, além de mais 11 escolas de tempo integral (Educa Mais) que também começarão a funcionar neste ano.

Com a construção de mais sete Núcleos de Educação Integral, o Maranhão sairá de nenhuma, para 30 unidades de educação em tempo integral em 2018. “De modo que são as três estratégias que nós temos como complementares, para que nós possamos chegar ao mesmo objetivo. Temos uma meta fixada em lei. Isso exige um esforço continuado. O Maranhão está no rumo certo”, ressaltou o governador.

O secretário de Educação, Felipe Camarão, fez uma exposição sobre o funcionamento dos Núcleos e disse que essa política foi instituída em Decreto no dia que o governador Flávio Dino assumiu o Estado em janeiro de 2015. Ele explicou que atualmente já existem dois Núcleos em construção – em Pinheiro e Barra do Corda – e “a intenção é que a gente possa espalhar geograficamente para atender o maior número de municípios possível. São cidades polos escolhidas nas diversas regiões do Estado”.

O secretário de Infraestrutura, Clayton Noleto, esclareceu que as características da parte física dos Núcleos de Educação Integral se conjugam com o projeto pedagógico, para atender as necessidades do ponto de vista da infraestrutura educacional, que é parte fundamental do processo de melhoria da qualidade da educação. “A divisão do espaço da edificação visa permitir que as atividades sejam desenvolvidas de forma coordenada, sinérgica e harmônica, criando um ambiente que seja favorável ao desenvolvimento de atividades educativas”, realçou.

Parceria com os municípios

Governador Flávio Dino, secretário Felipe Camarão (Seduc), secretário Clayton Noleto (Sinfra), prefeitos e deputados estaduais durante a assinatura das ordens de serviço.Foto: Handson Chagas/Secap

A solenidade de assinatura das ordens de serviço para a construção dos Núcleos de Educação Integral contou com a participação dos prefeitos das cidades que receberão as unidades. Para Carlinhos Barros, gestor de Vargem Grande, esses espaços serão fundamentais para melhorar os índices de educação dos municípios. “A educação é o primeiro passo para a modernidade. Fico muito feliz em receber um Núcleo desses”, enfatizou.

Flávio Dino explicou que esses Núcleos são meios para o desenvolvimento do objetivo maior que é a qualidade do ensino, mensurada, sobretudo, por indicadores como o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica). “Nós temos um grande desafio, que para dar certo só pode ser feito em regime de colaboração dos municípios. Nós não vamos conseguir melhorar o Ideb da rede estadual, sem a rede municipal. Por isso que nós queremos estreitar os laços com os municípios ainda mais. Porque só assim nós teremos um crescimento sustentável do Ideb no Maranhão”, sublinhou o governador.

Dimensão econômica

Além da política pública, há no investimento de quase R$ 40 milhões para a construção destes sete Núcleos, a dimensão econômica. Em meio a grave crise nacional da economia que atinge a construção civil, o Governo do Estado acelera os investimentos públicos para manter um nível de atividade privada mínima, suficiente para a retomada do ciclo de desenvolvimento econômico que o Brasil precisa.

“Queria destacar o fato de que essas ordens de serviço significam mais ou menos R$ 40 milhões em obras com várias empresas, porque isso significa a democratização das oportunidades. Que cumpram o contrato com determinação e com amor à causa. Para além da letra fria, destacar a importância do empenho de não só executar as obrigações contratuais, mas tendo em vista de melhorar a educação de todo o povo do Maranhão”, finalizou o governador Flávio Dino.

Fonte: SECAP-MA

É muita “xila”!!! Policias apreendem mais de duas toneladas de droga em aldeia no MA

Operação foi realizada na aldeia Felipe Boner, em Jenipapo dos Vieiras. Além do cacíque, foram presas em flagrante outras seis pessoas da aldeia.
 Do G1 MA

As polícias Civil e Militar do Maranhão apreenderam mais de duas toneladas de maconha, apreenderam armas e carros e prenderam sete pessoas na aldeia Felipe Boner, em Jenipapo dos Vieiras, distante 340 km de São Luís. A operação foi na manhã desta quarta-feira (11) e todo material foi encaminhado para a 15ª Delegacia Regional de Barra do Corda. Entre os presos está no cacíque da aldeia.

As polícias informaram que a operação foi o resultado de quatro meses de investigação, que levantou informações sobre “tráfico de drogas, crimes de receptação de veículos roubados, organização criminosa, corrupção de menores na cidade de Jenipapo dos Vieiras, especialmente na Aldeia Felipe Boner”.

Maconha apreendida pela polícia em aldeira no Maranhão foi levada pra delegacia de Barra do Corda (Foto: Dilvulgação / Polícia)

Maconha apreendida foi levada pra Delegacia Regional de Barra do Corda
(Foto: Dilvulgação / Polícia)

A ação foi assegurada por meio de mandados de busca e apreensão na aldeia, inclusive na casa do cacíque Darlan Guajajara de Sousa, de 36 anos. A polícia divulgou que o líder indígena é também suspeito de ser o líder “de todos esses ilícitos ocorridos na aldeia”. A Delegacia Regional de Barra do Corda é comandada por Renilto  Ferreira.

Além do cacíque, foram presas em flagrante outras seis pessoas, todas da aldeia. Jacilene Guajajara de Sousa, Licinha Carvalho Guajajara de Sousa, Laide Carvalho Guajajara de Sousa, Erivan de Sousa Carvalho Guajajara, Ezequiel Carlos Atanazio Guajajara e Elizaldo de Sousa Carvalho Guajajara. A Polícia Civil informou que todos foram autuados por tráfico de drogas, associação para o tráfico e posse ilegal de arma de fogo.

Só de maconha, a operação resultou na apreensão de 2.300 kg. Foram apresentados também na delegacia três veículos (entre as quais um carro de luxo que era usado pelo cacique), cinco armas de fogo, duas prensas artesanais usadas no ‘tratamento’ do entorpecente, balanças utilizadas nos crimes e demais objetos suspeitos.