Viana – Festa de aniversário deixa rastro de sujeira e destruição

A festa de aniversário de Viana, que completou 261 anos no último domingo, 9, foi realizada somente na segunda-feira, 9 e deixou um circo de horrores no Praça Dilú Melo e arredores.

Patrocinado pela Prefeitura, o evento atraiu centenas de moradores, a maioria de bairros periféricos e se estendeu até a madrugada da terça-feira, quando várias turbas de bêbados deixaram o Parque Dilú Melo rumo ao outro lado da cidade, deixando o local irreconhecível de tanta sujeira e quebradeira.

Moradores da comunidade da Praça da Matriz tomaram sustos ao se depararem com várias poças de sangue, durante suas rotineiras caminhadas matinais no local.

Também foram ouvidos – durante a madrugada-, disparos de arma de fogo, gritarias e muito barulho, originados de motos e veículos equipados com som.

Ainda pela manhã, nossa reportagem se deparou com o circo de horrores deixado na via pública, bêbados espalhados pelo chão, e vários grupos que acharam pouco a bebedeira e continuaram atazanando a paciência de quem quisesse visitar o que sobrou da área de lazer mais visitada do município.

Em dois anos de mandato, o prefeito Magrado Barros (PSDB), parece querer contrariar a história e transferiu para o dia posterior ao aniversário, a auge da festa, de forma a prestigiar o seu “refinado” eleitorado, que está mais preocupado com o pão e circo do que qualquer outro benefício à cidade.

E, para isso foi decretado dois dias de feriado municipal: segunda e terça, para o ilustres privilegiativos curarem a ressaca e curtirem o dia seguinte comentando aquilo que essa gestão faz de melhor.

Viana merece… (?)

Lançamento Anos Dourados em Viana

Divulgação

O escritor Luiz Alexandre Raposo lança nesta terça-feira, dia 3, às 19 horas, na Livraria da AMEI (Shopping São Luís), o livro Anos Dourados em Vianaartigos e crônicas. A obra, como o próprio título indica, traz uma coletânea de artigos e crônicas sobre os acontecimentos que marcaram a cidade nos badalados anos 1960.

A criação de sua própria diocese, a fundação do Ginásio Professor Antônio Lopes e da Escola Normal N. S. da Conceição, a chegada das Auxiliares Femininas Internacionais (AFI), os movimentos estudantis surgidos naqueles anos, o Cine Glória, o teatro de Anica Ramos, as vitórias futebolísticas da seleção vianense nos Campeonatos Intermunicipais e a abertura da via terrestre ligando Viana a São Luís são alguns dos temas abordados na obra que, segundo o autor, comprovam como a década de 1960 foi marcante na recente história da cidade.

Aberto ao público em geral, o evento deve reunir grande número de vianenses, especialmente a geração que vivenciou esse período de efervescência cultural na cidade.

O livro também será lançado em Viana, provavelmente no próximo mês de novembro, durante reunião solene da Academia Vianense de Letras.

Viana Feliz patrocina “Boi Passa Fogo”

O empresário Júnior Linhares (Viana Feliz), deu mais uma prova de amor ao município de Viana, ao apoiar a brincadeira de São João mais aguardada da Cidade dos Lagos: o Boi Passa Fogo.

A tradição tipicamente vianense acontece nesta quinta-feira, 28, véspera de São Pedro, e atrai uma multidão de algozes, devidamente protegidos, que vão literalmente torrar o novilho comandado pelo “boa praça” Zé de Betrone.

Zé de Betrone comanda os últimos preparativos para a apresentação do Boi Passa Fogo

Em Viana já está tudo pronto para a festança, cuja concentração será na Praça de São Benedito, a partir das 9h, e deve percorrer as estreitas ruas de pedra da cidade, no escuro e sob uma intensa chuva de fogos, entre eles, bombas, foguetes, busca-pés e carretilhas.

Leia abaixo artigo da Academia Vianense de Letras sobre a história da brincadeira.

Bumba-meu-boi sob fogo cruzado

Em Viana, uma tradição singular do Bumba-boi resiste por mais de um século

Luiz Alexandre Raposo*

É na noite de 28 de junho, véspera de São Pedro, que a cidade de Viana se torna palco de um inusitado e interessante espetáculo, envolvendo a figura do animal tão festejado no mês. Conhecida pela população local como “passar fogo no boi”, a farra anual consiste em fazer chover uma verdadeira torrente de fogos sobre o dorso do animal, enquanto todos dançam sob o ritmo frenético das matracas.

Não se sabe ao certo a origem da brincadeira. Difícil também definir quando tudo começou. Os registros mais antigos sobre essa tradição do Bumba-boi vianense remontam ao início do século passado. O médico e escritor Salvio Mendonça (1892-1970), no livro de memórias “História de um Menino Pobre,” assim se refere a essa peculiaridade folclórica de sua terra natal:

“Em Viana, o Bumba-meu-boi tinha outro apreço, era a passagem do boi pelo Canto Grande, entre saraivada de busca-pés, foguetes, carretilhas e bombas, de fabricação do velho Rocha. O boi mais famoso de Viana era o do Valentim. Eram feitas as apostas para a passagem do boi pelo Canto Grande, cruzamento das Ruas Grande e Padre Hemetério. O valor da aposta era um barril de cachaça. O boi vinha completamente molhado para resistir ao fogo. Os negros, também molhados, vinham descalços, para facilidade nos pulos. Os rapazes se ajuntavam nas esquinas, municiados, e quando o boi do Valentim chegava ao Canto Grande, era cercado pela frente, retaguarda e lados, entre o estrondar das bombas, foguetes, busca-pés e carretilhas, o que constituía bombardeio de muitas horas. Se o grupo do bumba-meu-boi resistia até se esgotarem os fogos, levava o barril de cachaça. No fim da brincadeira, ficava sempre queimado algum dos batalhadores.”

Travassos Furtado (1912-1990), outro famoso memorialista vianense, também descreve o pitoresco folguedo que tanto encantou sua juventude.

“Após percorrer grande parte da cidade, dançando à porta dos homens de maior projeção de Viana, o boi se prepara, agora, para descer a Rua Grande, a fim de aceitar o desafio dos lançadores de fogos. Antes, porém, retiram-lhe o rico lombo, e assim todo encharcado de água, inicia a caminhada em direção a um trecho estreito daquela rua, entre o chamado Canto Grande e a pequena praça do antigo mercado. Já a essa altura a turma do fogo estava preparada, aguardando apenas o momento de entrar em ação.

Começa, então, a travessia perigosa. Protegido por homens corajosos, que se lançam à frente, aos gritos estridentes, o boi desce vagarosamente, entrando aos poucos, na zona de fogo. E a grande batalha tem início, sob a expectativa da população.

Espetáculo impressionante. Uma chuva de foguetes, carretilhas e busca-pés, com estouros aterradores, cai sobre os brincantes, partindo de todos os lados. O boi e os vaqueiros ficam durante alguns minutos dentro de um verdadeiro círculo de fogo. A luta dura, às vezes, mais de uma hora, e só termina, realmente, quando se esgota a munição. Mas a vitória pertence, quase sempre, ao boi.”

Com o passar dos anos, a brincadeira trocou o antigo Canto Grande por um trecho estratégico da Rua Dom Hamleto de Angelis. Antes, porém, há uma concentração na Praça de São Benedito, marcada para as 20 horas. À meia-noite, seguido por extensa fileira humana, o boi deixa a praça para descer a Rua Grande. No ponto de estrangulamento já o aguarda grande multidão, ansiosa por começar a batalha de bombas, estrepa-moleques, besouros e carretilhas (os busca-pés foram proibidos). São quase três horas de queima de fogos, estouros e muita fumaceira.

Por sua vez, de tanto ser queimado, o boi também adquiriu uma certa imunidade. Hoje, fabricado especialmente para esse fim, possui uma armação mais resistente ao calor. E em vez de um só, são quatro os brincantes que se revezam embaixo dele, enquanto dura a árdua batalha.

Uma vantagem do boi vianense é que o modelo utilizado na Baixada é mais corpulento do que o protótipo adotado em São Luís ou outras regiões do Estado. Esse detalhe favorece maior proteção, na hora do fogaréu, para quem o leva nas costas. Embora continue entrando na zona de fogo previamente encharcado, o boi também conta, atualmente, com a benevolência de seus algozes. Além de lhe permitirem novos banhos de balde no meio do percurso, em determinados momentos entra em cena um secretário para abanar sua face com uma toalha, evitando assim que a fumaça o sufoque completamente.

José Ribamar Vieira (59 anos), o popular Catarrinho, é um dos heróis e principais incentivadores da festa. Encarregado de encomendar a munição de fogos aos fabricantes, ele ainda dança debaixo do boi há vários anos. Apesar das queimaduras inevitáveis do ofício, diz ter o maior prazer em participar do folguedo: “É um costume muito antigo. Meu avô, Raimundo Paixão, era patrão do boi e não perdia a brincadeira. Recebo cem reais pelo trabalho, mas faço tudo de graça se preciso for, para que essa tradição não desapareça nunca do nosso São João”- afirma entusiasmado.

A julgar pelo crescente número de adeptos da folia junina em Viana, nos últimos anos, Catarrinho pode ficar despreocupado. Em 2003, incluindo as caravanas vindas dos municípios vizinhos, estimou-se a presença de 5.000 brincantes e foram queimadas duzentas dúzias de carretilhas. Para este ano, os organizadores já encomendaram quinhentas dúzias. A farra de passar fogo no boi, no próximo dia 28, portanto, promete esquentar!

*Luiz Alexandre Raposo ( Acadêmico da Academia Vianense de Letras)

Cézar Bombeiro comemora o Centenário do Bairro da Liberdade com sucesso

Apesar dos transtornos causados por alguns “políticos” no sentido de não deixar que o vereador Cezar Bombeiro (PSD) realizasse o Centenário do Bairro da Liberdade. Uma festa que foi  pensada pelo vereador Cezar Bombeiro há anos,  com ajuda das organizações populares e pelos moradores da liberdade. A festa em fim foi realizada com sucesso e  na santa paz .

Cleinado Bil e Cezar Bombeiro, na festa do Bairro Liberdade

O evento já vinha sendo discutido há anos pelo vereador e a comunidade e não havia sentido se não fosse realizado a contendo. O vereador Cezar Bombeiro (PSD) demonstrou claramente que tem força e representatividade para encaminhar as demandas do bairro com responsabilidade e dedicação. A festa foi realizada na rua Correia de Araújo porque a Blitz Urbana revogou a licença da praça do Viva.  Estava presente o pré- candidato a deputado Cleinaldo Bill e convidados. O vereador Cezar Bombeiro aproveitou o momento e agradeceu o comandante do Corpo de Bombeiros Militar que deixou uma ambulância durante a festa e o comandante da Policia Militar que reforçou o policiamento na região. Vereador de São Luís, líder comunitário e morador da Liberdade há mais de 40 anos, o servidor público Cézar

Bombeiro destaca a mobilização popular incansável que antecedeu a celebração da data, tão significativa para o bairro, muito mais conhecido pelo alto índice de pobreza e pela violência acentuada que marcam o seu cotidiano do que pelos talentos artísticos que sempre produziu. “Com certeza, é um marco para toda a nossa comunidade poder festejar o centenário em clima de festa e, acima de tudo, valorizando a cultura do Maranhão”, salientou. A definição do dia 25 de maio como data de fundação da Liberdade se deu por meio de pesquisas e informações de moradores, que relembram importantes dados deixados por parentes, muitos dos quais identificados pelas pesquisas. Tais informações tornaram-se referências para o projeto de lei de autoria do vereador Cézar Bombeiro, aprovado por unanimidade pela Câmara Municipal de São Luís, oficializando a data como aniversário do bairro.

Via Blog do Genivaldo Abreu

Baixada Maranhense começa a sofrer com a falta de combustível

Posto Vinólia, na MA 014, em Viana é um dos poucos que ainda está fornecendo combustível na região

Viana – A greve dos caminhoneiros que acontece em todo o território nacional pelo quarto dia seguido, já está afetando a maioria dos municípios da Baixada.

Segundo apurou o Blog Vianensidades, os postos de gasolina das cidades de São João Batista, Matinha, Arari, Vitoria do Mearim, Pedro do Rosário, Penalva e Viana já estão com as reservas comprometidas, e, os serviços das prefeituras, comércio, entre outros podem ser paralisados a qualquer momento.

Em conversa com o Blog Vianansidades, o empresário Fellikson do Posto, proprietário do Posto Vinólia, afirmou que foi o único da região que se preparou para o pior e está garantindo o abastecimento de Viana e região. “Alguns concorrentes tentaram me difamar de que eu havia majorado o valor do combustível para R$ 5,00, tudo mentira, e reafirmo que mantive o valor praticado (R$ 4,35) respeitando nossos clientes”, assegurou Fellikson.

No momento é grande a movimentação no Posto Vinólia, onde os vianenses e cidades da região tentam garantir combustível para o final de semana.

Cézar Bombeiro diz que comemoração do centenário da Liberdade vai integrar toda a comunidade

Cézar Bombeiro com o presidente do Boi da Maioba, José Inaldo Ferreira, que confirmou a presença do batalhão na festa do centenário da Liberdade

Autor da lei municipal que fixou o dia 25 de maio como data do centenário da Liberdade, o vereador Cézar Bombeiro (PSD) diz que a comemoração, marcada para o próximo fim de semana, vai integrar toda a comunidade. Um dos bairros mais antigos de São Luís, a Liberdade terá uma programação cultural vasta e diversificada, com apresentações de grupos folclóricos, para comemorar os seus 100 anos de fundação.

O centenário da Liberdade será um dos momentos mais expressivos do calendário de eventos da capital neste mês de maio. Do dia 25 ao dia 27, os moradores do bairro e visitantes, vindos de diferentes áreas de São Luís, se divertirão com o melhor da cultura maranhense. Para abrir a programação, será ministrado um culto ecumênico, em respeito ao sincretismo que sempre marcou a história da Liberdade, ambiente onde convivem adeptos de todos os credos e religiões.

Um dos destaques da programação será o Boi da Maioba, maior grupo do sotaque de matraca do Maranhão. A festa também abrirá espaço para o tambor de crioula e o cacuriá, como forma de valorizar a tradição folclórica local.

Artistas oriundos do bairro também participarão das festividades, entre eles Tássia Campos, Robson Garcia e Moisés Dias. Confirmando a diversidade de ritmos, o centenário da Liberdade também será comemorado ao som de seresta (Som Costa e Mano Tropical), reggae e samba, com o grupo Sambacana, do vocalista Márcio Negro Jô e Banda.

Cézar Bombeiro anuncia, ainda, a realização de uma cerimônia na Câmara Municipal de São Luís com artistas oriundos da Liberdade, que será condecorados com medalhas pela valorosa contribuição que dão à cultura. (Via Blog do Genivaldo Abreu)