Vianenses em confraternização

São Luís – O clima foi de total descontração, música ao vivo e muita torcida (o Vasco escapou fedendo)!

A colônia vianense fez uma grande festa na Barraca do Chef, na Av. Litorânea, em São Luís, no último domingo (2), força e união para confraternizar e discutir também os problemas da Cidade dos Lagos.

A festa deixou saudades e, a Associação dos Amigos de Viana e os seus colaboradores promete um evento maior no próximo ano, inclusive a banda “Os Químicos” vai tocar com a sua formação original, e botar todo mundo pra dançar, sempre com um repertório bem ao gosto dos conterrâneos.

CONFIRA MAIS MOMENTOS.

 

Colônia Vianense realiza grande confraternização na Litorânea, em São Luís

Divulgação

Neste domingo (02), será realizada a tradicional confraternização dos “Amigos de Viana”, que todos os anos reúne um grande número de conterrâneos para celebrar as conquistas do ano, colocar o papo em dia, tudo regado a Chopp gelado e muita animação.

Este ano, o encontro acontece na barraca do Chef, na Av. Litorânea, cujo proprietário, Miguel Moisés vai preparar um cardápio especial, com 30% de desconto (também nas bebidas), além da feijoada oficial, pelo valor simbólico de R$ 10,00.

O evento é aberto a todos os vianenses que quiserem comparecer com suas famílias e amigos. No local terá música ao vivo e, quem sabe, até uma palhinha do considerado grupo “Os Químicos” – com Emerson Cutrim no violão e vocal; Amauri Silva (violão) e Cláudio Rocha na bateria. A festa promete!!!

O mundo pertence aos ousados

O mundo pertence a quem compreende que existir não é passivo. Pelo contrário, viver exige. É preciso dar ao mundo. E não apenas esperar dele.

“A fortuna favorece os ousados”. É uma frase do filme Bohemian Rhapsody que abriu as portas para algumas reflexões oportunas sobre como se associam coragem e realização pessoal. Não raramente, assim são disparados os gatilhos das reflexões: no cinema em plena segunda, no ponto de ônibus no fim do dia, ouvindo uma música pela primeira vez. As inquietações não foram educadas para saber aguardar.

O filme traz um recorte bonito da história daquele que foi um dos maiores vocalistas de todos os tempos. Um gênio. Um desajustado. Um primeiro e, possivelmente, também um último olhar sobre a figura extraordinária de Freddie Mercury poderia nos fazer assim defini-lo. Gênio, dada a sua originalidade inquestionável e vibrante. Desajustado, partindo de um referencial que pode considerar desajuste simplesmente aquilo que não se encaixa na normalidade, algo que extrapola, que não cabe.

Mas para além de genialidade e desajuste, há algo que chama ainda mais atenção. E trata-se justamente da maneira como Freddie se posiciona ante a sua enorme habilidade em cantar e inovar. E é, sem dúvida, um posicionamento de pura e genuína ousadia. Algo, talvez, ainda além da própria coragem. Uma coragem que não se interroga.

Em uma sociedade que taxa qualquer forma de excesso enquanto algo fora do normal, parece ser necessária uma espécie de chama interior inextinguível para sustentar o “exceder”. Esse exceder que não se ajusta, que se sabe diferente, mas quem nem sempre associa-se naturalmente à coragem, à ousadia. E é essa fórmula – talento e ousadia – que provavelmente compõe a genialidade.

Genial e extraordinário é tudo e todo aquele que não pertence à esfera do comum, do ordinário, do perfeitamente equilibrado. E ainda é preciso mencionar que é essa ousadia a condição para a entrega necessária. Uma entrega que, quando não existe, facilmente pode travestir o gênio de exótico, estranho e esquisito. Assim poderia ter sido com Freddie Mercury, não fosse o fato de que ele se sentisse tão confortável na própria pele, nas próprias vestes e com o próprio talento.

Em uma cena notável, Freddie diz a Mary, então sua companheira, que se sentia exatamente quem nascera para ser e que não tinha medo de nada. A sensação de não ser incipiente, de não dever para si mesmo uma exploração de suas potencialidades o eximia de todos os receios.

A entrega é o que sustenta o destino de um alguém talentoso. E entregar-se não é tarefa fácil, simplesmente porque entrega não pressupõe nenhum tipo de garantia. E é mais fácil abster-se, dado que o roteiro de uma vida normal não supõe que, para ser feliz, seja necessário mais que os ideais de beleza, família, emprego e riqueza.

Não está escrito em praticamente nenhum conto clássico infantil, em nenhum guia prático ou gibi, que, para sentir-se realizado – feliz – é preciso procurar no palheiro do peito a agulha daquilo que nos desperta interesse, curiosidade, dúvida, respeito e encanto.

Trazendo a reflexão para mais perto da esfera do comum, vale dizer que grandes habilidades que, por ventura, boa parte senão todas as pessoas possuem, podem evoluir ou atrofiar em decorrência de uma dedicação ou uma negligência. E que talento se refere à grande habilidade que se tem paixão ao executar, e que desperta a sensação de ter nascido para realizar. Talento é da tecitura da paixão. E paixão é um modo de se viver que não possui meios termos.

A cultura muda conforme mudam as fronteiras de cada país, e às vezes muda conforme muda a fronteira das cidades, dos bairros, dos muros das casas. E poucas dentre as culturas vigentes na atualidade pós-moderna relacionam felicidade com um preenchimento interno e singular que não é outra coisa senão a própria evolução do sujeito.

Freddie Mercury sabia disso. O Queen sabia disso. E soube no momento em que optou manter o nome e todas as características de uma música que, a princípio, “não fazia sentido” para a crítica e empresários da época: Bohemian Rhapsody, que mais tarde daria nome ao filme biográfico do vocalista.

Freddie Mercury, mas não apenas ele, como também Cazuza e alguns outros nomes da música, da pintura, da literatura. Mas não apenas das artes, mas também da Medicina, da Educação, do Jornalismo. Mas não apenas das vertentes acadêmicas. Mas também do trabalho manual, rotineiro e dito simples. Uma grande habilidade somada a uma entrega sem receios é capaz de mudar o mundo. E de marcar a história.

Tatiane Cris Nunes By Obvius

Peixadas – notas rápidas

Bolsonaro e Viana

O jovem cadete, Jair Bolsonaro e o vianense, também cadete, Manoel Pereira Gomes, no Rio de Janeiro

Neste registro raríssimo (acervo da família Gomes), o então recruta Jair Messias Bolsonaro, que este ano foi eleito o 38º presidente do Brasil, para o mandato de 2019 a 2022, com 55,13% dos votos, é flagrado caminhando ao lado do seu amigo, o vianense Manoel Pereira Gomes (hoje Major reformado), irmão do General Oswaldo Gomes (falecido).

Os dois formaram-se em 1977 na Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende, Rio de Janeiro. Hoje, militar reformado, Bolsonaro também cursou a Brigada de Paraquedismo do Rio de Janeiro. Em 1983 formou-se no curso de Educação Física do Exército. Chegou à patente de Capitão.

Em tempo: Manoel Pereira é tio de dois ilustres vianenses: o advogado e ex-presidente da Câmara de Viana, Ezequiel Gomes, e do agente federal, ex-comandante do GTA – Grupo Tático Aéreo (GTA) e ex-secretário adjunto de segurança do Maranhão, Laércio Costa.

Prefeito cabeça fria

Enquanto a maioria da população vianense padecia durante dez dias, com a as cabeças quentes e doendo de tanto carregar baldes de água, o alcaide vianense, Magrado Barros (PSDB), se divertia descontraidamente, acompanhado de uns poucos “puxas”, tomando umas “gelosas” em uma conhecida balada noturna da Cidade dos Lagos.

Viana ficou cerca de 10 dias sem agua nas torneiras, do final de outubro ao início de novembro, e, depois de muitas críticas e reclamações nas redes sociais, a prefeitura, por meio do SAAE, emitiu uma nota esdrúxula, sem pé, sem cabeça e sem data, com as velhas desculpas esfarrapadas de “uma pane elétrica no quadro de comando de bombas”.

A tal “pane” levou cerca de dez dias para ser solucionada e, enquanto isso, carros pipas cobravam R$ 30,00 reais por mil litros de água, fora as compras semanais de água mineral para beber.

Ninguém aguenta mais!

Viana e a Baixada nesse período sempre sofreram com fortes estiagens. Um calor insuportável toma conta de toda a região, enquanto as áreas alagadas viram terra esturricada.

Com um sistema de distribuição dos anos setenta, defasado e quase fora de utilidade, o drama piora a cada gestão que faz pouco ou quase nenhum investimento no setor. Uma caixa d’ água de 2 milhões de litros, erguida na parte alta do bairro Piçarreira e recurso para a captação – oriunda de uma emenda do Governo Federal -, e que seria a redenção dessa falta d´água, foram para o esgoto na última gestão do ex-prefeito Rilva Luis.

A obra virou um elefante branco, verba retida na Justiça e a sofrência continua.

Privatização

Para alguns interlocutores e correligionários, Magrado tem afirmado que o SAAE deverá ser privatizado e que os estudos para o encaminhamento do processo de licitação estariam em curso. A afirmação soa como retórica e até como incapacidade de enfrentar e resolver o crônico problema.

Ora, observa-se que muitos desses problemas seriam evitados com vontade política e decisão. Se o gestor tem coragem e toma decisão para realizar grandes carnavais, contratando, por exemplo, a banda baiana Chicabana a peso de ouro, entre outras bandas de axé e forró, será que não poderia tomar também a decisão de evitar esse dramalhão mexicano, que nos remete ao século passado, com centenas de pessoas com lata d’água na cabeça?

Xô, urubu!!!

Depois da denúncia do Blog Vianensidades, que obteve mais de dez mil visualizações e muitos comentários indignados, a prefeitura de Viana maquiou algumas fotos e até produziu um vídeo com desculpas esfarrapadas sobre o estado caótico e a imundice da feira da Barra do Sol.

No entanto, não passaram despercebido dos atentos internautas, cenas da mesma vassoura que lavou o esgoto, sendo utilizada para lavar as superfícies dos balcões, onde são comercializados carnes, verduras e legumes. E mais: um dia após a veiculação da propaganda oficial, “repórteres” do Blog foram à feira e constataram que a sujeira e os urubus continuam, portanto, não adianta tapar o sol com a peneira.

Saindo da casinha

Pelo menos dois vereadores resolveram se rebelar publicamente contra a gestão de “Macho Velho” em Viana. Luzardo Segundo (PHS), que recentemente concorreu ao cargo de deputado federal, e João de Marcos (PRB). Os dois têm utilizado as redes sociais com vídeos e fotos, denunciando o estado de calamidade pública em hospitais e escolas do município.

Observadores políticos e até eleitores veem com bons olhos a iniciativa dos edis; no entanto as motivações, para variar, se mostram meramente políticas diante do jogo bruto imposto pelo prefeito Magrado Barros àqueles não rezam na sua cartilha.

Saúde na UTI

Na cidade dos Lagos o reflexo da saúde inspira cuidados de UTI, depois da visita dos dois vereadores Luzardo Segundo e João de Marcose que expuseram nas redes sociais a lastimável situação do hospital dom Hélio Campos (Sesp). Enfermarias com temperaturas insuportáveis sem um mísero ventilador, cirurgias desmarcadas por falta de material, refeitórios e cozinhas insalubres fizeram parte das denúncias dos edis vianenses que protocolaram tudo que viram em denúncia no Ministério Público e na tribuna da Câmara. Acuado, o alcaide vianense entrou em campo e bem ao seu estilo demitiu o diretor da casa de saúde, Magno, e nomeou o enfermeiro Ênio para a espinhosa missão de estancar a sangria da impopularidade e o nervo exposto da saúde vianense.

Fogo familiar

Luzardo Segundo faz(ia) parte da corte do velho casarão azul, como caçula do clã dos Barros, e tem DNA político nas veias. O jovem tem objetivos ambiciosos e, não foi à toa que, com precária infraestrutura, se lançou candidato à Câmara Federal. Na cidade, gravou em letras garrafais o seu sobrenome, esculpido em concreto em prédios de propriedade familiar, sinal que deseja ter o seu nome lembrado pelo eleitorado vianense.

O pai do vereador, o engenheiro civil Luzardo Filho, ex-secretário de infraestrutura, se afastou ou foi afastado do cargo no ano passado; também se comenta na cidade que “Macho Velho” também teria demitido sumariamente a esposa e outros contratados indicados por Luzardo Segundo. Foi o estopim do pé de guerra declarado no próprio terreiro familiar. Aguardem cenas dos próximos capítulos.

E agora, João?

Já o introspectivo vereador João de Marcos, que tem seu trabalho bastante reconhecido na Zona Rural, pela sua dedicação e respeito aos seus eleitores, talvez lute pela própria sobrevivência política. O edil que sempre demonstrou independência com relação ao executivo e, até no exercício na Câmara, não galgou sucesso entre os seus escolhidos no último pleito de outubro. Pode ser que deseje dar voos mais altos, quem sabe até uma candidatura solo a prefeito ou ter a indicação para compor uma chapa em 2020. O tempo dirá!  

Cajari tal qual Viana!

O promotor de justiça Lindemberg Vieira, da Comarca de Viana, agiu corretamente ao usar a mão pesada da Justiça, para, pelos tentar impedir o derrame de dinheiro público na festa dos 70 anos de Cajari, um dos municípios mais miseráveis do Brasil.

A Prefeitura anunciou quatro bandas para a festa de aniversário da cidade. Dentre as atrações, estava a banda Aviões do Forró, cujo cachê supera o valor de R$ 300.000,00.

A divulgação da festa, segundo apurado, acontece desde o mês de junho de 2018, muito antes do processo licitatório ser iniciado. Na Ação, o Ministério Público do Maranhão também requereu a imediata suspensão da contratação da banda Aviões do Forró, sob pena de multa diária de R$ 100.000,00.

Pau que dá em Chico…

Depois de muito barulho na mídia e desinformações, a Prefeitura de Cajari emitiu uma nota, tentando justificar a origem dos recursos utilizados para pagar a boca livre. Entranho observar que, a gastança agora seria bancada pela iniciativa privada do minúsculo município, que, ao que se tem notícia, nunca bancou sequer festa ou Baile de São Gonçalo com a Banda Rabo Seco Venenosa, do Povoado Tocoíra, imagine a caríssima a badalada troupe do comandante Xande Avião.

…também dá em Francisco (?)…

A população não esquece que, a atenta Justiça vianense não utilizou os mesmos pesos e as mesmas medidas, em 2015, quando sentenciou e obrigou o então prefeito Chico Gomes a cancelar o carnaval de Viana, sendo que os recursos disponíveis deveriam ser utilizados tão somente para pagar os servidores com salários atrasados. A decisão, correta do ponto de vista da moralidade pública, nunca alcançou a gestão do atual prefeito, Magrado Barros (PSDB) que está deitando e rolando com gastos vultosos em festas com bandas de todos os cantos do Brasil, enquanto a cidade padece pela falta de água, buraqueira nas ruas, caos no hospital municipal, dentre outros descasos a olhos vistos por todos.

Efeito Sérgio Moro (?)

Ainda no calor da polêmica sobre sua escolha para ser o super ministro da Justiça e da Segurança Pública, o juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, encaminhou ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) manifestação em que nega ter tentado influenciar o processo eleitoral ao tornar público o teor da colaboração premiada do ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci e, claro, a conturbada prisão do ex-presidente Lula.

Longe de querer insinuar qualquer tipo de suspeição sobre a atuação da Justiça, foi público e notório que a não realização do carnaval de avenida, em Viana, em 2015, foi um golpe de misericórdia no gestor anterior, que cumpriu sua parte, mas pagou um preço alto por se negar a dar aquilo que os vianenses não abrem mão e, que talvez um dia seja objeto de estudo científico, ou seja: PREFEREM O PÃO E CIRCO DO QUE SAÚDE, EDUCAÇÃO E INFRAESTRUTURA!

Eleições 2010

Nos bastidores políticos já começa a movimentação para o pleito eleitoral de 2020. Do lado governista, a parceria “Macho Velho” e sua vice, Lucimar Gonçalves, parece cada vez mais consolidada. No campo oposicionista nomes tradicionais como Carrinho Cidreira e do ex-prefeito Chico Gomes já aparecem em todas as enquetes das redes sociais, assim como novas caras, entre elas Luzardo Segundo, João de Marcos, Fellyckson do Posto e Júnior Viana Feliz. Corre por fora também um grupo liderado pelo PC do B, partido do governador, que é liderado por Marcelo Santana (ainda sob as asas de Magrado), e Julinho Mendonça (um dos principais auxiliares de Flávio Dino). Para completar o time de nomes que poderão enfrentar Magrado Barros nas urnas, está o Major Ferreira, terceiro colocado na eleição passada, que mesmo distante da terrinha, articula apoios para uma eventual disputa.

Capim no lago

Agora com a baixa das águas no Rosário de Lagos Maracu, eis que a população se depara com uma velha e conhecida ameaça ao nosso combalido ecossistema. O famigerado plantio de arroz à margens do lago de Viana, desta vez observado no Bairro Carecas, ou seja, os produtores tentam evitar a exposição dessa prática criminosa e fugir da vigilância da população de dos órgãos de controle e proteção.

A prática já foi pauta de inúmeros artigos, denúncia neste Blog e objeto de debates em inúmeros eventos na capital e na Região da Baixada.

 Segundo apuramos, o problema do plantio do arroz no Lago e Campos de Viana foi arquivado, depois de várias reuniões com a Associação dos Plantadores, Ministério Público e autoridades do governo Municipal, sob a alegação de não haver recursos para o EIA-RIMA (Estudos de Impactos Ambientais – Relatório de Impactos Ambientais do Meio Ambiente de Viana), sendo considerado apenas crime de poluição visual no Lago de Viana.

Poluição e destruição

Segundo o professor, pesquisador e escritor José Raimundo Campelo Franco, acadêmico da Academia Vianense de Letras (AVL), os problemas com a aceleração do processo erosivo são seríssimos… há estudos detalhados destes impactos na baixada feitos por uma equipe de pesquisadores da UEMA… até citei no livro “Veias do Rio Maracu”… fora as inúmeras transgressões da Legislação Ambiental, vigente sobre recursos hídricos.

Continua o pesquisador: “…os últimos levantamentos que fiz em 2014 evidenciaram que este plantio priva o direito de ir e vir dos usuários do lago, que é um recurso de uso comum; as culturas absorvem demasiadamente as águas do lago enfraquecendo-as para invasão das marés salobras; aceleram o aterramento e compactação das várzeas, diminuindo a capacidade de armazenamento hídrico das conchas lacustres; está desvinculado da agricultura familiar, já que funciona como agronegócio, entre outros descompassos que desfavorecem o equilíbrio e plenitude ambiental das nossas água…”

Fotos: Gracinha Cutrim – Viana-MA

…por fim, a notada redução dos plantios nos últimos 4 anos deve-se ao medo dos agricultores mediante os prejuízos decorrentes das invasões de marés salobras ocorridas em 2012, 2013 e 2016… ou seja, não se trata de uma consciência ambiental, sim das primeiras respostas do lago em meio a tantas agressões…

Pesca de arrastão

Quem visitar o local denominado “Praia” antigo reduto de compra e venda de pescados em Viana ou até mesmo a bagunçada feira da Barra do Sol, jamais terá o prazer de observar e escolher uma espécie de peixe nativos em tamanhos e peso ideal para o consumo, assim como nossos pais e avós tiveram o privilégio de fazê-lo.

A fome, a necessidade e a falta de consciência dos pescadores não respeitam nem a proibição do período de defeso, quando os peixes estão se reproduzindo, tampouco a agonia do lago de Viana, castigado pelo assoreamento, lixo e esgoto, que estão lhe condenando a desertificação, caso não sejam tomadas providências urgentes e inadiáveis.

De Belém ou açude

O ex-goleiro de futebol, José Ribamar Vieira, o popular Catarrinho, todos os dias se desloca até a “praia” onde mantém a esperança de ainda se deparar com algum barco ou canoa om peixes nativos, graúdos e frescos, entre eles a pescada, o aracu ou surubim, para atender sua clientela, nas ruas ou na feira da Barra do Sol, espalhados em seu carrinho de mão.

“Eles, os pescadores utilizam redes gigantescas, de malha fina, fazem um grande arrastão no lago e estão acabando com tudo”, lamenta. “Estes aqui, infelizmente, são os únicos que temos e ninguém vai encontrar maior. Eles dizem que essas pescadas grandes são do lago mas não é verdade. São peixes de Belém, que chegam aqui congelados ou aqueles de açudes que os vianenses não têm o costume de consumir”, resigna-se.

Pescaria de carros de luxo

Operação da PRF apreendeu mais de 80 carros roubados ou clonados na Baixada Maranhense. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) divulgou, nesta segunda-feira (12), que 88 veículos que foram roubados no estado. A operação que contou com a parceria da Polícia Civil da Bahia registrou ainda 39 roubos na região baiana, o que contabilizou 127 ocorrências nos dois estados do Nordeste.

Segundo o superintendente da Polícia Rodoviária Federal do Maranhão, Paulo Moreno, a prática criminosa no estado acontecia principalmente na região da Baixada e nos Lençóis Maranhenses. “Esta prática foi mais relevante nas áreas da Baixada e Lençóis”, revelou. A ação foi desencadeada em municípios como São João Batista, São Vicente, Matinha, Pinheiro, São Bento, Viana e outras cidades.

Em Viana, no sábado, 3 de novembro, durante o dia e a noite, não rodaram nenhuma das ostentosas picapes Hilux, que costumam chamar a atenção nas ruas, no Parque Dilu Melo e nos campos. Porque será, hém!!!

Nova obra de Nonato Reis

Divulgação

A saga de Amaralinda, romance de base histórica, ambientado ás margens do rio Maracu/Viana, berço da catequese jesuítica, terá lançamento, dia 24/11, às 19 horas, Multicenter Sebrae, na 12 Feira do Livro de São Luís. O jornalista e escritor vianense convida todos os amigos para prestigiar o evento.

Momentos agradáveis com amigos

Dois registros especiais: o niver deste editor, realizado em 7 de outubro na Chácara Soeiro, em Viana, e no Parque Dilu Melo, em noite de pizza e parabéns para a mana Santinha. Na foto abaixo, Maércio  Cutrim, Cláudio Rocha, Simone Silva, Dr. Ezequiel Gomes, Dirce Costa, Luiz Morais, Cleinaldo Bil, Antonio Portela,  Dil, Bimbô e José Carlos Morais.

Abaixo: Joaquim e esposa, Socorro, Dirce Costa, Dr. Ezequiel Gomes, Santinha, Luiz Morais, José Arnold e esposa.

Niver de Carim Neto

Reencontro de amigos vianenses, na noite de quarta-feira (7/11), para comemorar o niver do amigo boa praça, Carim Neto. No registro: Rosana e Dario; Amauri, Sérgio Lopes, Clésio Lopes, Carim Choairy, Carim Neto, Cláudio Rocha, Luiz Morais, Miguel Moisés Cleinaldo Bil e Ver. Cézar Bombeiro. O evento aconteceu no “Boteco do Neto”, em sua residência no bairro Araçagy, em São Luís-MA.

Praça Vila Dom Luís é entregue com festa no Itaqui-Bacanga

O Governo do Estado e a Prefeitura de São Luís entregaram na última quinta-feira (1) a Praça Praça Vila Dom Luís, na Avenida dos Portugueses, área Itaqui-Bacanga. A inauguração contou com a presença do presidente da Agência Executiva Metropolitana (AGEM), Lívio Jonas Mendonça Corrêa, do vice-prefeito de São Luís, Julio Pinheiro, dentre outras autoridades.

A comunidade da Vila Dom Luís, que aguadardava pela obra, comemorou a entrega do espaço de lazer e convivência. A banda da Polícia Militar do Maranhão e o Bumba meu boi da Vila Bacanga também participaram da solenidade.

“Era um espaço que já estava se perdendo, estava depredado e agora a comunidade ganhou esse presente, que traz uma academia, uma quadra para campeonatos, área para eventos e a oportunidade de geração de renda”, disse o conselheiro tutelar e líder comunitário Luziano Campos.

Moradora do bairro há 40 anos, a autônoma Dalvirgem Costa aprovou a reforma. Além da quadra de esportes, que ficou mais segura, ela gostou dos equipamentos de ginástica ao ar livre.

“Antes eu ia caminhar na UFMA, agora eu venho me exercitar aqui que fica mais perto é melhor pra gente”, disse.

A revitalização da Praça Vila Dom Luís é uma das ações do Governo do Estado, desenvolvidas por meio da AGEM e em parceria com a Prefeitura que visam a melhoria de espaços públicos em toda a Região Metropolitana.

“Fizemos o projeto, revitalizamos todo esse ambiente que agora está agradável, é mais uma intervenção fruto da parceria Governo e Prefeitura e como essa aqui, dessa aqui temos três apenas na área Itaqui-Bacanga, que são as da Vila Paraíso, Vila da Paz e no bairro do Bacanga”, disse o presidente da AGEM, Lívio Jonas Mendonça Corrêa.

O vice-prefeito Júlio Pinheiro também reconheceu a importância do trabalho conjunto que favorece a população da capital.

“Além do Mais Asfalto, melhorias no trânsito em grandes avenidas, de escolas de tempo integral, essa praça na entrada da Área Itaqui Bacanga, assim como vários outros equipamentos públicos, são a prova de que esse esforço do Governo e da Prefeitura tem trazido resultados que beneficiam São Luís”, disse Júlio Pinheiro.

Praça

No local, foi revitalizada uma área de 2.080,26m². A nova praça conta com academia de ginástica, palco coberto, iluminação, quadra de esportes com alambrado, bancos de concreto, estacionamento, acessibilidade por rampas, além de centro administrativo com depósito de materiais, recuperados pelo Governo do Maranhão, por meio da AGEM. A Prefeitura recuperou a iluminação pública e promoveu a formação do comitê gestor.

Fonte: Secap

Texto: Izabella Silveira

Foto: Gilson Teixeira

Viana – Festa de aniversário deixa rastro de sujeira e destruição

A festa de aniversário de Viana, que completou 261 anos no último domingo, 9, foi realizada somente na segunda-feira, 9 e deixou um circo de horrores no Praça Dilú Melo e arredores.

Patrocinado pela Prefeitura, o evento atraiu centenas de moradores, a maioria de bairros periféricos e se estendeu até a madrugada da terça-feira, quando várias turbas de bêbados deixaram o Parque Dilú Melo rumo ao outro lado da cidade, deixando o local irreconhecível de tanta sujeira e quebradeira.

Moradores da comunidade da Praça da Matriz tomaram sustos ao se depararem com várias poças de sangue, durante suas rotineiras caminhadas matinais no local.

Também foram ouvidos – durante a madrugada-, disparos de arma de fogo, gritarias e muito barulho, originados de motos e veículos equipados com som.

Ainda pela manhã, nossa reportagem se deparou com o circo de horrores deixado na via pública, bêbados espalhados pelo chão, e vários grupos que acharam pouco a bebedeira e continuaram atazanando a paciência de quem quisesse visitar o que sobrou da área de lazer mais visitada do município.

Em dois anos de mandato, o prefeito Magrado Barros (PSDB), parece querer contrariar a história e transferiu para o dia posterior ao aniversário, a auge da festa, de forma a prestigiar o seu “refinado” eleitorado, que está mais preocupado com o pão e circo do que qualquer outro benefício à cidade.

E, para isso foi decretado dois dias de feriado municipal: segunda e terça, para o ilustres privilegiativos curarem a ressaca e curtirem o dia seguinte comentando aquilo que essa gestão faz de melhor.

Viana merece… (?)