“CABO AMADOR”

Era uma manhã de março, na Cidade dos Lagos. O nosso majestoso cartão-postal estava quase em sua plenitude, mas as lanchas, canoas, barcos, entre outros meios fluviais, já povoavam a extensa lâmina d´água do Lago Maracu.

Eu, então, com quase seis anos, intrépido, observava aquele vai e vem das embarcações deslizando entre as moitas de mururus, balsedos e aguapés. Estava no canto da nossa residência, na Rua Antônio Lopes, com vista para um beco que revelava o lago, assim como o imponente Morro do Mocoroca.

Na margem espremida, entre currais e cerca de capinzais, uma enorme canoa, conhecida como “casco da estiva” desembarcava pesadas sacas de arroz, café, trigo, entre outros derivados que seriam distribuídos no comércio local.

Um a um, os sacos eram colocados nas cabeças ou nos ombros de corpulentos homens – bravos pais de família –, descamisados, chapéu de palha na cabeça e que causavam impressão aos garotos da época por causa da musculatura avantajada e pela alegria durante a breve e pesada atividade. Em seguida, as mercadorias eram empilhas em carroças que formavam fila para receberem a carga.

Nisso, uma pesada mão toca meus ombros e ouço uma conhecida voz:

– Tu “tá” vendo aqueles homens carregando sacas na cabeça?

– Sim senhor, respondi!

– Olha também aqueles outros puxando as carroças. “Tá” olhando?

– “Tô” vendo, declarei virando-me para um senhor moreno, musculoso e voz firme.

Era o meu pai, Amadeu Morais, que, de relance, abriu um pequeno embrulho e me apresentou ao conteúdo.

Antes, porém, ele apontou para os personagens da cena às margens do lago.

– Sabes por que aqueles homens estão carregando sacos e puxando carroças?

Arregalei os olhos e aguardei a resposta.

– Porque eles nunca quiseram estudar, afirmou meu pai com ar de sabedoria e complacência.

Só naquele momento, ele me entregou, até então, os objetos da minha curiosidade; uma daquelas antigas cartilhas do ABC, uma tabuada e um lápis preto, com uma pequena borracha branca introduzida em uma das extremidades.

Logo ele que, anos depois eu viera, a saber – por meio da minha avó paterna –  que o meu pai havia tomado três surras durante três dias consecutivos, na porta da escola, mas não entrou no recinto do saber. Não entrou e não estudou!

Recebi o humilde e mais importante material escolar e, também, a primeira lição:

– A partir de amanhã, tu “vai” começar a aprender a ler e escrever!

Trago esse episódio como um mantra, que, mais tarde, mesmo de forma silenciosa, transmitiria aos meus filhos e a todas as crianças que, por ventura, eu observasse estar fora da escola.

E, foi assim que observei, atentamente, a luta do meu pai e da sua fiel companheira, minha mãe, Hermínia Morais, determinados a não permitir que nenhum dos seus dez filhos ficassem fora da escola.

Essa é a maior e mais importante herança que ele nos deixou!

No último domingo, 8 de julho, dia do aniversário de Viana, Amadeu Morais sentiu-se mal, depois de seis anos sofrendo por problemas neurológicos, acamado, sem visão, sem forças para caminhar e, como se estivesse com o nome da sua companheira gravado de forma repetida, implorava pela sua voz, pela sua presença, pelo seu amor e carinho.

Levado às pressas ao hospital, faleceu nos braços do meu irmão José Carlos, aos 88 anos, de forma serena, suave, como se atendesse ao chamado do Pai Celestial, não antes de amargar o seu purgatório, ou o que se paga aqui na Terra, antes do mistério da morte.

Deixou aos seus dez filhos (dois deles “in memorian”), a herança do aprendizado, o talento nato de um operário e o DNA correndo em nossas veias, pois, mesmo de forma empírica, causava espanto aos seus clientes que usaram seus serviços, seja como ferreiro, armeiro, ou qualquer atividade que precisasse de um perito confiável e experiente.

O apelido carinhoso de “Cabo Amador”, como era conhecido entre tantos outros “Cabos” na Praça da Matriz, em Viana, talvez não simbolizasse o verdadeiro “general” ou “gladiador” que foi. Talvez um guerreiro de muito valor, que trabalhou durante toda a vida, com honestidade, humildade, caráter, resignação e dignidade.

Na verdade, foi realmente um grande pai de família para os seus dez filhos.

Saudades!

———————————————-

Em memória de AMADEU MORAIS

Inspirado na luta para criar e educar os seus 10 filhos: Maria Rosa, Luiz Antonio, José Carlos, Maria do Espírito Santo, Diana (in memorian) Beatriz, Mariene, Élio Aquino, Emílio e Cristiano (in memoriam); dos seus netos, bisnetos, irmãos sobrinhos, demais familiares e amigos.

Viana, 13 de julho de 2018

Luiz Antonio de Jesus Morais

Lançamento Anos Dourados em Viana

Divulgação

O escritor Luiz Alexandre Raposo lança nesta terça-feira, dia 3, às 19 horas, na Livraria da AMEI (Shopping São Luís), o livro Anos Dourados em Vianaartigos e crônicas. A obra, como o próprio título indica, traz uma coletânea de artigos e crônicas sobre os acontecimentos que marcaram a cidade nos badalados anos 1960.

A criação de sua própria diocese, a fundação do Ginásio Professor Antônio Lopes e da Escola Normal N. S. da Conceição, a chegada das Auxiliares Femininas Internacionais (AFI), os movimentos estudantis surgidos naqueles anos, o Cine Glória, o teatro de Anica Ramos, as vitórias futebolísticas da seleção vianense nos Campeonatos Intermunicipais e a abertura da via terrestre ligando Viana a São Luís são alguns dos temas abordados na obra que, segundo o autor, comprovam como a década de 1960 foi marcante na recente história da cidade.

Aberto ao público em geral, o evento deve reunir grande número de vianenses, especialmente a geração que vivenciou esse período de efervescência cultural na cidade.

O livro também será lançado em Viana, provavelmente no próximo mês de novembro, durante reunião solene da Academia Vianense de Letras.

Em nome da Baixada Maranhense

Fotos: Alexandre Abreu

Por: Batista Azevedo*

Este artigo é em nome de toda uma região – a Baixada Maranhense. Uma grande área constituída de 21 municípios que apresentam uma mesma característica: suas terras estão quase ao nível do mar. É por assim dizer uma região de terras baixas. Seus campos verdejantes misturam-se aos inúmeros lagos e enseadas, proporcionando um colorido sem fim de belezas infinitas.

 O IBGE redefiniu em estudo os municípios que compõem a região da Baixada Maranhense. O número de municípios permanece o mesmo, porém não fazem mais parte da região, muito embora mantenham as mesmas características físicas e culturais, os municípios de Cajapió, Bacurituba, Bequimão e Alcântara, os quais passaram a integrar a região do Litoral Ocidental Maranhense, ao lado de Mirinzal, Guimarães, Bacuri, Cururupu, Central, Cedral, Porto Rico, Apicun-açu e Serrano do Maranhão.

 Na configuração regional do estado, embora apresentem características e relevo um pouco distintos, o IBGE incluiu os municípios de Conceição do Lago-açu, Igarapé do Meio,Bela Vista e Monção, que ao lado de Santa Helena, Pinheiro, Presidente Sarney, Pedro do Rosário, São Bento, Palmeirândia, Peri-Mirim, São Vicente Férrer, São João Batista, Olinda Nova, Matinha, Penalva, Cajari, Viana, Vitória do Mearim, Arari e Anajatuba, fazem a grande nação de baixadeiros.

Esta vasta região, que bem se pode chamar de “pantanal amazônico” é uma imensa região formada por cadeias de lagoas com extensos pântanos e campos inundados periodicamente, onde está situado o mais extensivo refúgio de aves aquáticas da região nordeste. A Baixada Maranhense estende-se por mais de 20 mil quilômetros quadrados, nos baixos cursos dos rios Mearim e Pindaré, e médios e baixos cursos dos rios Pericumã e Aurá, reunindo um dos maiores e mais belos conjuntos de lagos e lagoas naturais.

 Pela sua importância ecológica, especialmente para aves aquáticas migratórias e residentes que utilizam a região como ponto de apoio e reprodução, a Baixada Maranhense foi transformada em Área de Proteção Ambiental (APA) pelo governo do Estado, em 1991. Parte da área também foi incluída no Acordo Internacional da Convenção de proteção das áreas úmidas de importância internacional. (Ramsar, Irã, 1971).

 Além do maior conjunto de bacias lacustres do Nordeste, onde se destacam os lagos Açu, Verde, Formoso, Carnaúba, Aquiri, Coqueiro, Itãs, Maracu e Jatobá, a região possui extensos manguezais e babaçuais, estes nas áreas mais altas. Este complexo de lagos da Baixada constitui uma região ecológica de distinta importância no Estado e no Nordeste, não só como potencial hídrico, mas pelo papel socioeconômico que representa para toda a população ribeirinha, haja vista a produção de pescados que alimenta a grande população local dos municípios desta região, bem como parte da capital do estado.

O que chama a atenção de nós, baixadeiros, e deve chamar a atenção dos governantes é o fato de que esta é uma região potencialmente rica, porém mal percebida. A exploração de suas riquezas naturais é depredadora e a ação do homem, muitas vezes de maneira irracional, já torna algumas áreas em elevado estado de degradação. Políticas de incremento para a potencialização das riquezas desta região já são mais que necessárias e devem estar, de verdade, na ótica dos novos governantes.

*Membro do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense

A água na Baixada Maranhense

Expedito Moraes*

O Maranhão possui, segundo o Núcleo Geoambiental da UEMA,12 bacias hidrográficas, Gurupi, Tocantins, Parnaíba, Turiaçu, Maracaçumé, Litoral Ocidenta (incluindo Pericumã e outros da região),  Mearim (a maior de todas), Itapecuru, Munim, Preguiças, Periá e a menor de todas, da ilha de São Luís;  que drenam todo o território maranhense, embora, uns mais outros menos. Entretanto, a Região da Baixada drenada pelos rios Pindaré (afluente do Mearim), Pericumã, Aurá, Turiaçu e outros é a que mais sofre a influência dos invernos e verões. Entenda que chamamos de inverno o período chuvoso e verão o contrário.

Lago de Viana

Na BAIXADA durante quatro meses do ano, como agora, não se constrói nada porque tem água de mais; depois tem quatro meses para se fazer muita coisa, inclusive recuperar o que a água levou ou estragou; em seguida mais quatro meses que não se produz nada porque não tem água nem pra beber.

O Rio Maracú é um pequeno afluente entre o Rio Pindaré e o Lago de Viana e este tem conexão com outro lagos como Itans, Aquirí, Formoso, Penalva, etc. essa é a Região dos Lagos. Neste período não há como distinguir uma coisa da outra, é um imenso pantanal, somente os tesos não submergem.

De agosto a dezembro estará tudo diferente, muita poeira, pasto seco, animais morrendo de sede e fome, os humanos sem comida e sem água potável é a miséria onde podia ser um celeiro de produção de alimentos.

Nos últimos anos outra ameaça: a invasão das águas salgadas da Baia de São Marcos nos campos da Baixada, que além da salinização dos campos está mudando a paisagem e costumes dos baixadeiros.

Um grande Projeto chamado DIQUES DA BAIXADA, um sonho antigo, encontra-se a cargo da CODEVASF, existe a possibilidade de transforma-se em realidade nestes próximos anos. Por outro lado o Governo do Estado implantou o projeto DIQUES DE PRODUÇÃO em vários trechos dos 31 municípios da região que servirá para o transporte, contenção de água de chuva e produção de alimentos.

O objetivo de um e de outro é a manutenção de água doce nos campos baixos e conter a entrada de água salgada na região.

Um terceiro projeto seria a construção da BARRAGEM NO RIO MARACU, em CAJARÍ, com objetivo de perenizar os lagos dessa região. Caso contrário continuará assim como no verão de 2016, onde pescadores encontraram filhote de tubarão nas rasas águas do Lago de Viana.

Os governos municipais, estadual e federal devem tomar a iniciativa de intervir planejadamente neste território. Isto permitirá tirar esta Região com mais de 750 mil habitantes do estado de pobreza, onde tudo está por fazer e o IDH é um dos mais baixos país do país.

*Ex-Deputado e Presidente de Honra do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense

Peixadas – notas rápidas

São João em Viana

Segundo informações, a temporada junina da Cidade dos Lagos deve começar oficialmente na próxima sexta-feira, 22.

A prefeitura ainda não divulgou possíveis atrações, entre brincadeiras juninas e shows, porém, a festa, mas uma vez, deve se estender até o dia 8 de julho, aniversário do município – 261 anos -, contabilizando 17 dias de festa, pra quem tiver fígado para beber e dinheiro no bolso pra gastar.

MP aperta Macho Velho

O Ministério Público do Maranhão (MPMA), por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Viana, parece que decretou “tolerância zero” com a prefeitura de Viana.

Diante de dezenas de denúncias, principalmente nas redes sociais, descaso com a infraestrutura, carência de merenda escolar e suspeita de fraudes em licitações, o MP resolveu jogar pesado e divulgar no portal do órgão todas as ações contra a gestão, colocando em polvorosa o setor jurídico da prefeitura.

Quem com ferro fere…

O grupo político de Macho Velho, na campanha que consagrou sua eleição, usou e abusou das redes sociais e de ações na Justiça para tumultuar e tentar inviabilizar a gestão anterior. Se foi ou não uma das causas que enfraqueceram o governo passado, o momento atual está provando que “pimenta no “C” dos outros é refresco”.

E, para piorar, as centenas de manifestações e reclamações nas redes sociais não são oriundas de estratégia política, e sim dos cidadãos, muitos que votaram no 45 e agora estão decepcionados com a administração.

MP aperta Câmara de Viana

A 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Viana ingressou, na quarta-feira, 6, com uma Ação Civil Pública na qual requer que a Câmara Municipal do município regularize o seu Portal da Transparência. Assina a ACP o promotor de justiça Lindemberg do Nascimento Malagueta Vieira.

Em caso de descumprimento da decisão judicial, foi pedida a aplicação de multa diária de R$ 50 mil à Câmara Municipal e de R$ 5 mil a ser paga pessoalmente pelo presidente da Câmara, Valter Antônio Mendes Serra.

Valter Serra se defende!

Em nota, o presidente da Câmara Municipal de Viana, Valter Antonio Serra, afirmou nesta que as possíveis irregularidades sobre a situação do portal da Transparência do órgão municipal, segundo prints de tela extraídas do TCE-MA (Tribunal de Contas do Estado) e publicadas em blogs não têm fundamento e já foram esclarecidas pelo órgão. O relatório número 1085/2018 avaliado em: 11/06/2018 enviado pelo TCE em resposta à Câmara Municipal de Viana aponta REGULARIDADE na Instituição quanto à Lei de TRANSPARÊNCIA.

Ele alega que o relatório levou em conta as constantes atualizações no sistema no portal da Câmara Municipal que pode ser encontrado no endereço: http://www.viana.ma.leg.br/ e que todas as ações adotadas para manter a transparência sempre foram uma marca na gestão dele como presidente, que qualquer cidadão ou cidadã se não possui acesso a internet, pode comparecer no prédio da Câmara que terá acesso a todas as informações que tiverem interesse.

“Nós estamos sempre de portas abertas para receber nossos munícipes e cidadãos interessados em participar de nossa gestão”, defendeu-se o presidente.

Lá vai a ponte

A oposição e a mídia não alinhada ao Governo do Estado criticaram a carreata de peças metálicas do governador Flávio Dino (PCdoB), afirmando que o ato em muito se assemelha ao que fez, em 2012, o então prefeito João Castelo. Naquela ocasião, o saudoso tucano colocou o VLT em cima de uma carreta e promoveu uma entrada triunfal do equipamento em São Luís, meses antes das eleições. Depois disso, o deixou exposto na Praia Grande.

O secretário de Estado da Infraestrutura, Clayton Noleto, divulgou imagens de uma caravana de carretas com estruturas metálicas.

Nas laterais, em letras garrafais: “ESTRUTURA DA PONTE DA PONTE CENTRAL-BEQUIMÃO”, junto com a logomarca do governo.

Por onde os caminhões passaram, é claro, chamaram muita atenção, mas a ponte Central Bequimão, que pode se configurar como a redenção da Baixada Maranhense, continua no chão.

Mais aperto em Macho Velho

O Ministério Público do Maranhão (MPMA), por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Viana, encaminhou, em 5 de junho, uma Recomendação à Câmara Municipal de Vereadores, solicitando que o órgão legislativo abstenha-se de aprovar proposta de projeto de lei visando à ampliação de carga horária e/ou conversão de cargos na administração municipal, sem realização de concurso público.

Na manifestação, o promotor de justiça Lindemberg do Nascimento Malagueta Vieira também requer que os vereadores se abstenham de aprovar projeto de lei para a conversão que não inclua estudos sobre o impacto orçamentário e a necessidade de ampliação de carga horária das funções no quadro municipal.

Tapa-buracos

Dizendo estar cansados de esperar por providências da Prefeitura Viana, moradores de uma das principais avenidas da cidade decidiram por conta própria tapar os buracos.

Abandonada pela gestão, a avenida da “Barra do Sol” está intragável, causando prejuízos aos condutores de veículos e pondo em risco a vida dos vianenses.

Os moradores aproveitaram cacos de tijolos para consertar as “crateras” da via, que diariamente recebe milhares de consumidores da sede, da Zona Rural de cidades vizinhas que vêm a Viana realizarem compras ou fazer tratamento no Hospital Municipal, também localizado nas proximidades.

“Diálogos” em Viana

Como fez em 2014, quando percorreu o estado apresentando suas propostas, o governador Flávio Dino repete a caravana “Diálogos pelo Maranhão”, mostrando o que pretende realizar em sua reeleição.

Nesta sexta-feira (15/06), a caravana do governador promoveu a etapa do “Diálogos pelo Maranhão” na cidade de Viana.

O evento cujo anfitrião foi o prefeito Magrado Barros (PSDB), não contou com a presença do governador, mas, foi prestigiado por vários prefeitos, vereadores, secretários estaduais e municipais e lideranças políticas da região.

Restaurante Popular

Segundo informações, o governado Flávio Dino deve aterrissar em Viana, até a data do aniversário da cidade, para reinaugurar o Restaurante Popular, fechado para o almoço há dois anos. Dino também deve anunciar “Mais Alfalto” pra dar uma força pra Macho Velho, pois a infraestrutura da cidade está caótica e, agora, nem a esfarrapada desculpa das chuvas podem salvar a falta de ação da prefeitura.

Nova escola

O Prefeito de Viana, Magrado Barros, reinaugurou a nova escola municipal Professor Raimundo Firmo Gonçalves, no Povoado Sacaitaua, região dos campos. A unidade foi totalmente revitalizada, teve o espaço ampliado e oferecerá conforto aos estudantes, professores e comunidade.

Na cerimônia de entrega, o gestor fez vários agradecimentos e destacou o papel das secretarias envolvidas no projeto de reforma das escolas, principalmente à equipe da Secretaria Municipal de Educação, comandada por Oliveira Júnior.

Roseana passa por cima

A Caravana de Roseana Sarney na Baixada Maranhense, durante o final de semana, sobrevoou o céu vianense, mas só aterrissou em Mirinzal, Central do Maranhão e Pinheiro. Em todos os municípios pouca gente acompanhou as reuniões e o desânimo era latente em quem presenciou de perto os atos. Acompanhada do irmão, o pré-candidato ao Senado Sarney Filho, Roseana atestou, mais uma vez, que sua impopularidade está estratosférica também na Baixada.

Em seus quatro mandatos, a filha de Sarney pouco deixou como marca dos seus governos na Cidade dos Lagos. Nem quando o seu amigo de décadas, o ex- deputado Chico Gomes assumiu a gestão do município, a então governadora se sensibilizou com a carência de obras estaduais no município.

A “branca” pode até dividir  o volúvel eleitorado vianense, mas, será apenas pelo trabalho dos candidatos ao legislativo ou de cabos eleitorais devidamente remunerados, do que pelo seu “carisma sem obras” em Viana e em cidade vizinhas.

160 anos de São João Batista

Mais um momento de muita alegria para os joaninos que com grande participação popular nos dias 13 e 14 de junho, fizeram parte da festa de aniversário de 60 anos da cidade patrocinado pela prefeitura de São João Batista e secretaria municipal da cultura. A festa alusiva ao aniversário foi antecipada um dia antes com uma programação esportiva incluindo torneios de Futebol de Rua, corridas de motos, bicicletas e à noite o mega Show Gospel com a Banda Som e Louvor onde milhares de fieis evangélicos de todas as igrejas lotaram a Praça de Eventos e participaram de mãos dadas para adorar o senhor Jesus e pedir muitas bênçãos a todos os joaninos. (Via Blog do Jailson Mendes)

Petrobras anuncia uma redução no preço da gasolina nas refinarias

 

A Petrobras anunciou nesta segunda-feira (18) uma nova redução no preço da gasolina em suas refinarias, desta vez, de 1,24%. Com o anúncio, o litro do combustível negociado no parque de refino da estatal custará R$ 1,8941, ou seja, 2 centavos a menos do que o preço atual (R$ 1,9178).

Em junho, a gasolina acumula queda de preço de 3,71% (7 centavos por litro). Nos últimos 30 dias, o recuo chega a 5,51% (11 centavos por litro).

(Agência Brasil)

Viana – um exemplo a ser seguido

Empresário Júnior Viana Feliz restabelece fornecimento de água ao Povoado Caru

Empresário Junior Viana, (ao centro, de camisa listrada), acompanhado de colaboradores e operários, observa o funcionamento do poço artesiano com a nova bomba

Viana – Buscando levar alivio para os moradores do Povoado Caru, Zona Rural de Viana, que sofrem com os problemas causados pela falta d´água devido à quebra da bomba do poço artesiano, o jovem empresário Júnior Viana usou de recursos próprios e adquiriu uma bomba nova, com vazão de 10 mil litros por hora, que vai atender centenas de famílias.

Segundo o empresário que atendeu a solicitação da comunidade, essas ações de solidariedade são agradecimentos ao povo vianense que o acolheu na cidade, acreditou no Viana Feliz e que agora quer compartilhar o sucesso das premiações que fazem a alegria semanal da população.

Júnior Viana enfatizou que sua atitude no Povoado Caru não se trata de uma gestão paralela com a prefeitura, e sim dar a sua parcela de contribuição à cidade que o abraçou, fazendo-o sentir-se mais do que um filho da terra. “Infelizmente, temos a cultura de esperar que a prefeitura resolva todos os problemas do município, e nós empresários, que temos os nossos rendimentos adquiridos na cidade, às vezes esquecemos que também temos a obrigação de dar a nossa colaboração.”, declarou.

A quebradeira de coco, Josefa Muniz, 45, ficou muito feliz com a reinauguração do poço artesiao do Caru. “Nós acordamos cedo, precisamos trabalhar e não temos mais condições de carregar água na cabeça desses poços que ficam longe da nossa casa, por isso quero agradecer esse amigo Júnior Viana, que veio aqui olhar o nosso sofrimento e nos ajudar”,  concluiu.  

O empresário, em conversa com o Blog Vianensidades, afirmou que vai continuar realizando ações para levar alegria aos vianenses, seja em datas comemorativas ou em casos de necessidade das comunidades, com o espírito público indiferente da política, mas, com o olhar voltado para uma Cidade dos Lagos melhor e mais feliz.