AGEM apresenta projeto do Cais São Luís-Alcântara ao Governo do Estado

Mais um projeto do Governo do Estado, por meio da Agência Executiva Metropolitana (AGEM) está prestes a ser iniciado. Trata-se do Cais Flutuante São Luís-Alcântara (Terminal Portuário da Ponta D’Areia, em São Luís, e Terminal Portuário da Independência, em Alcântara), cujo projeto básico e executivo foi apresentado na tarde desta quarta-feira, 16, pelo presidente da AGEM, Lívio Jonas Mendonça Corrêa.

Atualmente, o Cais da Praia Grande é o único Terminal Hidroviário da capital. Conta com apenas quatro embarcações, três Iates e um Catamarã realizando duas viagens por dia, são transportado 11.935 passageiros mês, sendo 398 por dia. Além das embarcações do Centro de Lançamentos de Alcântara (CLA) que realiza o transporte de 246 militares diariamente.

Embora esteja localizado na Avenida Senador Vitorino Freire no Centro de São Luís, o Cais da Praia Grande somente oferece condições de navegabilidade durante o período de preamar, para manobras de acostagem e atracações das embarcações que realizam o transporte de passageiros e pequenas cargas para Alcântara e outras cidades da região da Baixada Maranhense, devido as grandes variações de marés, ficando inoperante durante a baixamar. “Com as quantidades de viagens diárias reduzidas, o potencial turístico de Alcântara é pouco explorado pelos visitantes”, explicou Lívio Corrêa.

Com a implantação do Terminal Portuário na Ponta D’Areia, estima-se a realização 24 viagens por dia, com embarcações saindo a cada 1 hora, transportando 3.312 passageiros diariamente.

O projeto de viabilidade técnica do Cais Flutuante São Luís-Alcântara foi aprovado pelo Governador Flávio Dino. “Agora passaremos para a próxima fase, que é a de viabilização dos recursos financeiros para a execução da obra”, revelou o presidente da AGEM.

O Cais Flutuante São Luís-Alcântara será construído pelo Governo do Estado, por meio da Agência Executiva Metropolitana, em parceria com a Prefeitura de Alcântara. O prazo de execução da obra será de aproximadamente 18 meses (1 ano e meio).

Viana – Sem ajuda da prefeitura, moradores da Zona Rural recuperam estrada vicinal

Com o início do período chuvoso, quase todas as estrada vicinais do Maranhão apresentam dificuldades para o tráfego e, por conseguinte, prejudicam o escoamento da produção dos povoados da Zona Rural.

Em Viana, as comunidades clamam por ajuda da Prefeitura e ou até da iniciativa privada, para que olhem para as estradas vicinais que estão lamacentas, esburacadas e com precárias pontes de acesso.

No Cacoal, comunidade quilombola próxima da sede do município, os moradores cansaram de esperar pela ajuda da prefeitura municipal e colocaram a mão na massa, ou melhor, no barro para recuperar a única via de acesso do povoado. São 1.800m de estrada até a entrada na MA-014.

Sem recursos, mas com muita força de vontade, os moradores improvisam até comida para executarem um trabalho de obrigação da Prefeitura Viana

Enquanto isso, a iniciativa de uma manifestação contra o gestor vianense, Magrado Barros (PSDB), se espalhou feito um rastilho de pólvora nas redes sociais, e está marcado para o dia 26 (sábado), às 15h, com saída da Praça da Bíblia.

Os moradores exigem pagamento de salários em dias, iluminação e melhorias em ruas públicas e prédios, merenda escolar de qualidade e coleta de lixo em dias, dentre outras prioridades elencadas pela organização.

O grupo se diz independente e sem articulação política por trás, mas pede a imediata cassação do mandato dele e da vice-prefeita, a mãe do ex-prefeito Rilva Luis, que foram eleitos em 2016.

Nas redes sociais, Magrado Barros diz que está há dois anos no comando da cidade de Viana e que não tem nenhum caso de corrupção, que está sendo vítima de mentiras, mas que ora por todos.

“Dois anos de governo e nenhum caso de corrupção. Se já não bastasse tantas mentiras que inventam ao meu respeito, invadem a minha privacidade (se referindo a uma suposta clonagem do número do seu celular). Colocarei todos no meu Pai Nosso que rezo antes de dormir todos os dias da minha vida. Essa é a única coisa que eu posso fazer: Perdoar a quem me ofendeu”, comentou.

Com esse barulho todo em Viana, melhor mesmo é rezar e ter fé, porque o povo parece estar com sangue nos olhos e a faca nos dentes!!!

(Com informações do Blog do Jailson)

Polícia Federal desarticula laboratório de cocaína em fazenda, em Pedro do Rosário, na Baixada Maranhense

A Polícia Federal desarticulou, na noite de ontem, um laboratório de manipulação de cocaína na zona rural de Pedro do Rosário, região da baixada maranhense.

Após receberem denúncias de que um indivíduo seria proprietário de um laboratório especializado na manipulação de drogas, uma equipe de Policiais Federais da Delegacia de Repressão a Drogas passou a realizar diligências na região, na tentativa de localizar e prender o suspeito.

Por volta das 20:40, foi abordado um indivíduo em um gol vermelho no município de Pedro do Rosário, com o qual a Polícia Federal encontrou uma pequena porção de cocaína pronta para consumo.

A equipe de policiais federais deslocou-se então para a fazenda do suspeito e, ao entrarem na casa, depararam-se com um laboratório de manipulação de entorpecentes, o qual contava com prensa hidráulica, balança de precisão, tabletes de crack e cocaína pronta para consumo, além de diversas munições de calibre 38, sem o devido registro.

Chamou a atenção dos Policiais Federais o fato de o laboratório de manipulação de drogas estar montado em um dos quartos da casa, ao lado do quarto dos filhos do suspeito, todos crianças menores de 10 (dez) anos de idade.

A diligência contou com o apoio de Policiais Militares lotados no município de Pedro do Rosário, além da Guarda Municipal daquela localidade.

O envolvido foi encaminhado à Superintendência Regional de Polícia Federal em São Luis, onde foi autuado em flagrante por tráfico de drogas e por ter em depósito insumos e produtos químicos destinados à preparação de drogas, sem autorização , além de posse ilegal de munição.

(Via Blog do Luis Cardoso)

Governador em exercício visita obra de alargamento da Avenida Jerônimo de Albuquerque

Na tarde desta sexta-feira, 4, uma comitiva comandada pelo governador do Estado em exercício, Carlos Brandão, visitou o canteiro de obras do projeto de alargamento de um trecho da Avenida Jerônimo de Albuquerque, nas proximidades do bairro Angelim. Brandão estava acompanhado do presidente da Agência Executiva Metropolitana (AGEM), Lívio Jonas Mendonça Corrêa.

O projeto, que é uma iniciativa do Governo do Estado, por meio da AGEM, tem prazo de 90 dias para ser concluído. Compreende um trecho de 500 metros de comprimento e 10 metros de largura, sendo 6 metros de pista e 4 metros de passei público.

Nesta fase estão sendo realizados serviços de terraplanagem, drenagem e pavimentação asfáltica. “Esta obra será fundamental para ajudar a desafogar o trânsito nessa região, que é um dos mais intensos na capital”, destacou Lívio Jonas Mendonça Corrêa.

Para o governador em exercício, Carlos Brandão, a obra é muito importante, pois vai facilitar muito o fluxo de veículos e pedestres na região. “Naquela área o trânsito é sobrecarregado e demandava há tempos por um projeto como o que está sendo desenvolvido”, afirmou.

De acordo com Brandão, o Governo do Estado está focado em melhorias nas áreas de educação, saúde e segurança. “Mas também volta sua atenção para a mobilidade urbana, pois esta também é uma área essencial para o bem estar social e desenvolvimento”, assegurou.

A nova Praça do Panteon

Arquivo

Por Luiz Carlos Pinheiro Gomes*

A bem da verdade, aquele é um logradouro relativamente novo sendo assim denominado pela Lei Municipal n.º 442 de 30/7/1954. E encravado no antigo Largo do Quartel, espaço que em outros tempos também era chamado de Campo de Ourique. A Câmara de São Luís em 20/4/1998, pela Lei Municipal n.º 3697, designou aquele local como de homenagem póstuma oficial e permanente àqueles que tenham prestado relevantes contribuições às Letras e às Artes no Maranhão.

Os 16 bustos que outrora ali existiam — e 1 (um) inidentificável, pois algumas placas que os nomeavam desapareceram, foram colocados isoladamente um a um ao longo do tempo por familiares dos homenageados e por entidades ligadas à cultura como o Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM) e a Academia Maranhense de Letras (AML). Contam que o primeiro monumento implantado foi o de Artur Azevedo seguido pelos de Raimundo Corrêa, Dunschee de Abranches e Nascimento Moraes.

Decerto o critério atual adotado pelo IPHAN/Prefeitura de São Luís foi o de manter os bustos das 16 personalidades que estavam ali anteriormente, retirando, não se sabe bem por que, os bustos de Domingos Perdigão e de Humberto de Campos! Sabe-se ainda que as peças originais foram retiradas e guardadas desde 2007 no pátio do Museu Histórico e Artístico do Maranhão (MHAM) com o objetivo louvável de se evitar por vandalismo a depredação das mesmas e por sugestão de membros da AML. Agora acrescentaram os bustos de Silva Maia, Josué Montelo, Teixeira Mendes e Clodoaldo Cardoso, perfazendo assim os 18 monumentos atuais.

Registre-se, por oportuno, que em que pese o nome pomposo “Panteon” que em latim se escreve Pantheon e em grego clássico significa Panteão (local comum a todos os deuses ou mausoléu de pessoas notáveis), a nossa Praça do Panteon — não vai lamentavelmente e por tradição — ostentar os nomes dos maiores expoentes da literatura, da história e da política do Maranhão. Nem tampouco vai expor os monumentos dos maiores vultos nas letras do nosso estado biografados pelo Plutarco Maranhense, Henriques Leal, em sua magistral obra Pantheon Maranhense! Diga-se os bustos das glórias consagradas da inteligência maranhense como de Odorico Mendes,  Sotero dos Reis, João Lisboa, Gonçalves Dias e de tantos outros.

Figuram após a reinauguração da praça os bustos de Henriques Leal, Gomes de Castro, Coelho Neto, Gomes de Souza, Ribamar Bogéa, Nascimento Moraes, Maria Firmina, Raimundo Correia, Urbano Santos, Teixeira Mendes, Corrêa de Araújo, Josué Montelo, Silva Maia, Bandeira Tribuzi, Dunshee de Abranches, Clodoaldo Cardoso, Artur Azevedo e Arnaldo Ferreira. Portanto de 18 personalidades.

Em tempos anteriores, aquele logradouro ostentava os bustos de Henriques Leal, Gomes de Castro, Coelho Neto, Gomes de Souza, Ribamar Bogéa, Nascimento Moraes, Maria Firmina dos Reis, Raimundo Corrêa, Urbano Santos, Corrêa de Araújo, Bandeira Tribuzi, Dunshee de Abranches, Arthur Azevedo, Arnaldo de Jesus Ferreira, Domingos Perdigão e Humberto de Campos. Portanto de 16 personalidades.

Sugerimos que nos 16 espaços de 2 a 3m existentes entre os pedestais atuais, recebam os bustos daqueles que foram a essência da cultura do Maranhão e que lamentavelmente foram esquecidos.

Vista aérea do Complexo Deodoro, em São Luís (MA). Foto de Meireles Jr. Cortesia Iphan.

No que tange à Praça Deodoro (antiga Praça da Independência), muitos devem ter ficado aqui curiosos porque não mencionamos nestas linhas este topônimo tão conhecido na cidade inclusive como todo aquele espaço. Consultando várias fontes, muitas divergentes e confusas, concluímos que esta praça compreende aquele quadrilátero que vai da Rua de Santaninha (Salvador de Oliveira) à Rua dos Remédios (Rio Branco) margeado pelas ruas da Paz e do Sol e em frente da Praça do Panteon, local onde existia um camelódromo.

Com referência às plaquetas de identificação, cheias de erros gramaticais e ante a reação dos visitantes, acho que deverão ser melhoradas as suas redações urgentemente, e enriquecidos os seus textos por membros da AML, ou da ALL, ou do IHGM, se assim acharem necessário. Outrossim, sugerimos ser substituídas por placas de bronze que terão inegavelmente uma vida útil infinitamente superior às recém-colocadas.

*Vianense / Engenheiro | Publicado no Jornal O Estado do Maranhão, edição do dia 4/1/2019.

Viana, o “Natal reciclado” e a “praga” de Papai Noel

Como o Blog havia previsto, o Natal da Cidade dos Lagos foi tão desconfortável quanto as suas ruas esburacadas, tão ineficiente quando a saúde, desastroso como os nossos ônibus escolares e tão atrasado como os salários dos servidores.

Estado de muitas ruas em Viana, em pleno período natalino

Vejam bem, Macho Velho e sua “brilhante” equipe, desta vez, conseguiram uma verdadeira proeza, ou seja, reciclaram aquilo que já havia sido reciclado. Explicando: pegaram os adereços utilizados na gestão anterior, em 2015, há três anos, quando foi realizada a terceira edição do “Natal dos Lagos” – cidade iluminada, cores, brilho, árvores de Natal, cantatas natalinas, desfiles, presépios nas praças, decoração nas igrejas, casa do Papai Noel e, a surpreendente chegada do bom velhinho, de helicóptero, encantando as crianças e as famílias.

Foi o maior e mais belo Natal da Baixada Maranhense.

No entanto, depois das reclamações, a prefeitura tentou fazer remendo novo em pano velho. Pegaram as velas confeccionadas em garrafas pet (recicladas), a mesma estrutura de uma das árvores de Natal (dos Lagos), um desfile sem graça, saindo da Praça da Bíblia, até à Praça de São Benedito e uma foguetada que não atraiu nem os seus correligionários mais devotos. Uma lástima!!!

Tudo isso somente no dia 23 de dezembro. Para piorar, no dia 24, véspera de Natal, um velho e conhecido problema: faltou água em toda a cidade. Aí já viu: Papai Noel não iria sair por aí catingando e sem tomar banho, para entregar seus presentes à criançada.

Se o povo de Viana fizer um verdadeiro pedido, justo e necessário, suplicaria ao bom velhinho que, pelo amor de Deus, não deixe isso mais acontecer a partir de 2020, quando teremos novas eleições municipais.

Praga pega – principalmente “praga” de Papai Noel!

Só assim, o castigado povo vianense poderia sair mais uma vez às ruas, com suas famílias e confraternizar um Natal Feliz para todos.

Vamos sonhar e acreditar!

Feliz Natal.

AGEM emite Ordem de Serviço para construção de praça no Quebra Pote

O equipamento de esporte e lazer será construído em uma área localizada na Avenida Principal do bairro.

Mais uma localidade da zona rural de São Luís foi confirmada no conjunto de obras que estão sendo realizadas pelo Governo do Estado, por meio da Agência Executiva Metropolitana (AGEM). Trata-se da comunidade do Quebra Pote, que será beneficiada com uma praça, na avenida principal do bairro, equipamento cuja construção foi garantida pela Ordem de Serviço emitida na tarde desta sexta-feira, 21.

A proposta da intervenção foi desenvolvida pela Agência Executiva Metropolitana, após reuniões com a comunidade, quando foram pontuadas as necessidades e possibilidades a serem consideradas na elaboração do projeto. Isso incluiu a escolha da área para a construção, que, hoje, é um espaço desordenado, mas, ainda assim, utilizado pela população para atividades diversas.

Com a intervenção da AGEM, o local passará a servir como maquinário público com iluminação adequada, bancos para descanso e leitura, uma academia ao ar livre, playground, calçamento e passeio público, área verde – preservando árvores do local -, estacionamento e acessibilidade por rampas. No total, o projeto abrange uma área construída de 3.240,48 m2. “A ideia, desde o início, foi de revitalização de uma área que já é utilizada pelos moradores, de forma a gerar conforto e segurança para todos”, explica o presidente da Agem, Lívio Jonas Mendonça Corrêa.

Lívio Corrêa fez questão de destacar, mais uma vez, que o projeto é uma determinação do Governo do Estado para comunidades das zonas rurais de São Luís. “Entendemos que essas áreas são mais carentes e demandam por equipamentos públicos de esporte e lazer como o que será construído aqui”.

Este aspecto também foi ressaltado pelo vereador Chico Carvalho. “A comunidade do Quebra Pote há muito demanda por uma praça como essa e muitas promessas foram feitas para os moradores. Entretanto, agora o que era um sonho será transformado em realidade”

As obras serão iniciadas no início de janeiro. “A empresa tem um prazo de 90 dias para entregar a Praça”, revelou Lívio Corrêa.