A Escola Príncipe da Paz foi um dos destaques do desfile de 7 de setembro em Viana

A escola particular Príncipe da Paz brilhou no desfile cívico deste ano, na Av. Luis Couto, com o tema “Literatura e Vida”.

Representando a escola, a aluna do 9° ano Adylla Thayná Diniz Ribeiro, 14 anos, filha do casal Adelino Sodre Ribeiro e Tania Reis Diniz, que aproveitaram o momento e agradeceram o Príncipe da Paz por contribuir na sua educação, pois é aluna do Príncipe desde seus 3 aninhos de idade.

Adylla usou um vestido amarelo, criado pelo estilista Guido – Toulon e confeccionado por  Gilvandira Mendonça – (Designer de moda), calçou uma bota exuberante da Chinelaria Franco, make e o cabelo do cabeleireiro Ângelo .

Apaixonada por matemática e ciências exatas, Adylla é amiga, companheira e muito carinhosa. Esteve à frente em quase todas as olimpíadas de matemática realizadas pela sua escola, e adora cantar e tocar violão, um dos seus talentos.

A adolescente, orgulho dos pais e familiares, que sonha ser Engenheira Civil, reinou na avenida como a baliza e princesa da escola Príncipe da Paz.

CONFIRA MAIS IMAGENS DO DESFILE DO PRÍNCIPE DA PAZ

Cajari e a cidade desaparecida

Arquivo google

por Nonato Reis*

A Baixada Maranhense em seus primórdios foi habitada por tribos de índios, que não apenas desbravaram a região, estabelecendo as trilhas de comunicação entre os diversos povos, como também ergueram vilarejos e até cidades. Em Viana no século XVIII, por exemplo, havia a Aldeia do Maracu, um núcleo organizado com ruas e casas, habitado por índios tupinambás, destruído depois no rastro da catequese. Penalva foi reduto dos Gamela, posteriormente dominado pelos jesuítas.

Em Cajari, a poucos quilômetros de Viana, há sinais físicos de uma civilização muito mais recuada no tempo, anterior ao próprio Descobrimento do Brasil, talvez pré-histórica. O vianense Raimundo Lopes, respeitado dentro e fora do Brasil por sua atuação na área de antropogeografia, realizou estudos iniciais no leito do Lago de Cajari e concluiu que as ruínas do lugar representam os restos de uma cidade lacustre, densamente povoada e organizada.

Durante o verão, quando as águas do rio Cajari (curso natural que serve de ligação entre os lagos de Viana e Cajari) abaixam de forma significativa, era possível, décadas atrás, observar as colunas verticais de madeira encadeadas numa extensão de quase dois quilômetros, a partir das nascentes do rio até o lugar conhecido como Urubuquissáua.

Urubuquissáua, aliás, concentra enorme quantidade de objetos (de arte e utensílios domésticos) em cerâmica e pedra. Em seu livro “História de um menino pobre”, editado pela primeira vez em 1963, o médico e escritor Sálvio Mendonça avalia o estado desses objetos como “extremo desgaste”, mas assinala que “os esteios (tocos em cima dos quais se erguiam as casas sobre as águas) mantêm a verticalidade, indicando que foram suportes de habitações, cuja superestrutura desapareceu através de milênios, em pleno lago”.

Na pesquisa feita por Raimundo Lopes em 1919, aproveitando a seca rigorosa daquele ano que pôs a descoberto o conjunto de fundações da cidade desaparecida, foram encontrados amuletos que lembram as peças usadas por tribos pré-colombianas. Lopes, à época, disse que “a estearia apresentava-se toda visível, com os seus milhares de esteios numa perspectiva belíssima, impressionante, esponteando com os seus troncos negros, como se fosse imensa floresta, a face argentada das águas”.

Para Sálvio Mendonça, em seu livro, as ruínas de Cajari indicam a existência no local de uma civilização especial, contemporânea da Marajó, na Amazônia, do México e da Centro-América, no Peru, “talvez do ramo das tribos vindas da Ásia (…), evoluindo no México para a destacada civilização Azteca, e no Peru, para os Incas”.

É de causar espécie que mesmo diante de sinais claros da existência de uma antiga civilização em Cajari o poder público e a iniciativa privada não tenham demonstrado interesse concreto de promover estudos de natureza arqueológica no local, para levantar a origem dessas ruínas e informações sobre que povos se estabeleceram ali, como viviam e que contribuições tenham dado para a colonização posterior.

A Universidade Federal do Maranhão patrocinou recentemente uma expedição científica na Baixada Maranhense, para identificar sítios arqueológicos ao longo da Bacia do rio Turiaçu, na região de Santa Helena. Os cientistas encontraram estearias semelhantes à de Cajari, com enorme quantidade de louças e cerâmicas. Os estudos revelaram traços idênticos com a cultura marajoara na Amazônia e as tribos da América Central e do Norte.

Porém, na matéria produzida pela TV Mirante não há informação de que o trabalho tenha incluído as ruínas de Cajari. Era de imaginar que, em face da importância do tema, organizações arqueológicas e científicas atuassem em conjunto ou isoladamente, para uma melhor compreensão sobre o que se passou em Cajari em tempos remotos.

Parafraseando Hamlet, personagem de William Shakespeare, há mais mistérios na Baixada Maranhense do que possa supor a nossa vã filosofia. Hoje, quem sabe, com os diversos organismos sociais implantados na região – com especial destaque para o Fórum em Defesa da Baixada – abra-se uma janela para o futuro e se possa melhor enxergar o que ocorreu na região, no passado.

*Jornalista

Farol do Saber de Viana será recuperado pelo Governo do Estado

Governo inicia obras de recuperação em 26 Faróis dos Saberes

Para o secretário de Estado de Cultura e Turismo, Diego Galdino, a revitalização dos faróis é de fundamental importância para potencializar o uso e acesso às bibliotecas públicas nos municípios maranhenses. (Foto: Handson CHagas)

A primeira etapa das obras de recuperação em 26 Faróis dos Saberes será iniciada este mês pelo Governo do Maranhão nas cidades de São José de Ribamar, Lago Verde, Viana, Rosário e Paulo Ramos. A previsão é que 26 faróis recebam obras de reparos e manutenção, até o final do ano, como parte da ação de melhoria em infraestrutura nas bibliotecas públicas vinculadas à Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (Sectur).

Para o secretário de Estado de Cultura e Turismo, Diego Galdino, a revitalização dos faróis é de fundamental importância para potencializar o uso e acesso às bibliotecas públicas nos municípios maranhenses. “A ideia é reativar os espaços de leitura e fomentar os espaços existentes integrando-os aos programas culturais e educativos da comunidade”.

Dos 94 Faróis dos Saberes que estão sob a responsabilidade da Sectur, 68 estão em pleno funcionamento. A avaliação é resultado de vistorias realizadas em todas as unidades, desde o ano passado, pela equipe da Secretaria e que levantou necessidades de melhorias na estrutura física, acervo, acessibilidade, contratação de bibliotecários entre outras ações.

Além das melhorias de infraestrutura está em andamento processo licitatório para aquisição de equipamentos (computadores, mesas, cadeiras, estantes, telões) para 32 faróis, aquisição de acervo para todas as unidades, e lançamento de edital para contratação de 94 bibliotecários que irão trabalhar nos faróis dos Saberes da Sectur.

Os demais faróis com obras de recuperação já contratadas são Barreirinhas, Fortuna, Lago Verde, Carutapera, Paulo Ramos, Presidente Vargas, Rosário, São Luís Gonzaga do Maranhão, Viana e São José de Ribamar.

Em 2016, o Governo do Estado instituiu a Rede Estadual de Bibliotecas ‘Farois do Saberes’ que estavam desativados desde 2013 e foram redimensionados para uma gestão compartilhada pela Sectur e Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Das 117 unidades, 23 ficaram sob responsabilidade da (Seduc) e 94 passaram para a coordenação da Sectur.

Escritora Juju é eleita nova acadêmica da AVL

Em Assembleia Geral, no último dia dezoito, a AVL aprovou, por unanimidade, a professora Maria de Jesus Silva Amorim para ocupar a cadeira de nº 17, que tem como patrono Onofre Fernandes. A professora Juju, como é conhecida na cidade de Viana, requereu seu ingresso junto à AVL, e após discussão entre seus membros, foi aprovada como novo membro e tomará posse no próximo dia 25/11/2017, na ocasião da Sessão Solene da AVL.

A Academia Vianense de Letras e o Blog Vianensidades dão as boas vindas à nova acadêmica.

Conheça a nova acadêmica, Professora Juju:

Nascida aos doze de junho de 1958, no povoado Guaratuba, região dos campos do município de Viana/MA, filha de José Ribamar Silva e Joana Soares Silva (in memorian), casada com o médico Edvaldo Franco Amorim e mãe do advogado Euryclides Silva Amorim e do Médico Veterinário Edvaldo Franco Amorim Filho, iniciou os estudos das primeiras letras sendo alfabetizada pela própria mãe, dona Janoca, após a família mudar-se para a cidade de Viana.

Cursou o ginásio no extinto Ginásio Bandeirante, hoje Centro de Ensino Dom Hamleto de Angelis – CEMA e concluiu o Magistério na modalidade Normal Médio na Escola Normal Nossa Senhora da Conceição.

É Licenciada em Ciências Naturais com habilitação em Matemática e Pós-Graduada em Supervisão Escolar e em Orientação Educacional.

Iniciou suas atividades pedagógicas como professora do Ensino Fundamental tendo sido sua primeira experiência como Professora Normalista em 1976, como monitora do Projeto Minerva, programa de alfabetização de Jovens e Adultos, posteriormente assumindo a função de Professora polivalente do Ensino Fundamental maior.

Desempenhou durante dez anos as atividades de Professora de 1º e 2º graus do CENEC – Professor Antônio Lopes, onde lecionou várias disciplinas, contribuindo para que crianças, jovens e adolescentes, concluíssem sua educação básica, tendo sido nomeada, logo após, Orientadora de Aprendizagem da Televisão Educativa (CEMA), ocupando, em seguida, o cargo de Orientadora de Aprendizagem – TVE (1980 a 2014), oportunidade em que desenvolveu o seu desempenho profissional na educação, orientando disciplinas do núcleo comum e contribuindo para a formação de vários jovens.

Em 2001 assumiu a Gestão Adjunta do C. E. M. Nossa Senhora da Conceição, em seguida, coordenou o Projeto Viva Educação do Governo do Estado do Maranhão na Gerência de Articulação e Desenvolvimento da Região dos Lagos Maranhenses, assumindo, também, o cargo de Diretora de Educação da Gerência Regional dos Lagos Maranhenses.

Atualmente, ocupa o cargo de Professora do Ensino Médio do Centro de Ensino Nossa Senhora da Conceição “Escola Normal”, tendo sido aprovada em concurso público.

Desenvolveu suas habilidades com a leitura e a escrita desde muito cedo e produziu as seguintes obras literárias: Palavras que não falei; Minha Poesia, Minha Alma e Bate Papo dos Números.

Participou das seguintes Antologias: I Expressão Artística Contemporânea em Viana/MA – AVELAC; Mil Poemas de Gonçalves Dias; Cento e Noventa Anos de Maria Firmina dos Reis; Púcaro Literário I, dentre outras.

Recebeu as seguintes homenagens: 1º Prêmio Licinho Campos de Poesias de Amor; Diploma Panorama Literário Brasileiro 2014/2015; Certidão de Mérito Literário pela CBJE; Comenda e Medalha de Mérito pelos 25 anos do Jornal de Itapecuru; Certificado de Mérito Educacional da AICLA.

A nova acadêmica tem uma vida de trabalho dedicado às letras e à educação no município de Viana. Portanto merecedora da nova titulação de imortal da AVL.

Governador entrega ônibus escolares e ambulâncias a municípios e reforça política de educação e saúde

Cerimônia de entregas aos municípios aconteceu no Palácio dos Leões. Foto: Gilson Teixeira/Secap

Mais um importante passo para o fortalecimento da educação e da saúde nos municípios foi dado, na tarde desta segunda-feira (21), pelo Governo do Estado. O governador Flávio Dino realizou a entrega de nove ônibus escolares e mais duas ambulâncias para cidades de diversas regiões do estado. A intenção é, em regime colaborativo, poder assegurar mais dignidade para a população.

O governador Flávio Dino destacou a importância de ajudar os municípios, por meio da compra de equipamentos, neste momento de crise econômica que o país atravessa. “Nós continuamos esse programa de parceria com os municípios nessas áreas tão importantes, hoje, no caso, educação e saúde. Estamos em busca da nossa meta de atender todos os municípios de diferentes formas, com entrega de ambulâncias, ônibus escolares, viaturas policiais, motoniveladoras, patrulhas agrícolas, que são equipamentos básicos para que os municípios tenham instrumentos para garantir a prestação de melhores serviços à população e visam amenizar os efeitos da crise econômica nos municípios”, destacou Flávio Dino.

Cerimônia de entregas aos municípios aconteceu no Palácio dos Leões. Foto: Gilson Teixeira/Secap

Os ônibus escolares foram adquiridos com recursos do Tesouro Estadual e foram doados às prefeituras para atendimento de estudantes da rede pública residentes na zona rural. Com esta entregue, o Governo do  Estado alcança o total de 80 veículos e duas lanchas já repassadas aos municípios. “Mais nove ônibus sendo entregues pelo Governo do Estado para ajudar o transporte escolar dos municípios. Essa ação de entrega e apoio aos transportes públicos escolares municipais faz parte do Programa Escola Digna e é um programa permanente do governador até seu último dia de mandato”, pontuou o secretário de Estado de Educação, Felipe Camarão, que adiantou que um novo processo para aquisição de mais 50 ônibus escolares já foi aberto.

Ônibus escolares foram adquiridos com recursos do Tesouro Estadual e doados às prefeituras para atendimento de estudantes da rede pública residentes na zona rural. Foto: Gilson Teixeira/Secap

O prefeito de Bom Jardim, Dr. Francisco Alves, disse que o novo transporte chegou em um bom momento para a cidade, quando se fazia urgente melhorar a condição de transporte dos estudantes da zona rural. “Chega de forma muito satisfatória. Nosso município é muito extenso territorialmente, 65% da população está na zona rural em povoados grandes e muito distantes da sede do municípios e temos alunos tanto do fundamental, quando do ensino médio, que precisam do transporte escolar, e o município investe todo mês uma quantidade razoável de recursos no custeio do transporte escolar e é muito bem vindo esse ônibus que o governador disponibiliza”, pontuou.

Além de Bom Jardim, foram beneficiados os municípios de Carutapera, Nova Iorque, Porto Rico, Mirinzal, Governador Eugênio Barros, Igarapé do Meio, Passagem Franca e Vitorino Freire.

Ambulância

O governador ainda entregou mais duas ambulâncias, beneficiando o Hospital Estadual em Lago dos Rodrigues e os pacientes de Jenipapo dos Vieiras, totalizando 106 ambulâncias já repassadas nesta gestão. O secretário de Estado de Saúde, Carlos Lula, relembra a intenção do Governo do Estado de alcançar os 217 municípios. “Pretendemos chegar a todos os municípios do Maranhão. E com as entregas desses equipamentos de hoje, as ambulâncias e ônibus escolares, mostramos a importância de investir em saúde e educação de forma colaborativas, considerando este momento delicados de crise”, relatou o secretário.

O governador ainda entregou a mais duas ambulâncias, beneficiando o Hospital Estadual em Lago dos Rodrigues e os pacientes de Jenipapo dos Vieiras. Foto: Gilson Teixeira/Secap

Com investimento de R$ 160 mil por cada unidade entregue, o equipamento pode ser utilizado como unidade básica ou Unidade de Suporte Avançado (USA). E dispõem de estrutura adequada para o transporte de pacientes e contam com duas macas, duas pranchas, um umidificador, cadeira de rodas, cilindro e bala de transporte para oxigênio.

LISTA DOS 80 MUNICÍPIOS QUE RECEBERAM ÔNIBUS

#Primeira entrega (Recurso FNDE):

  1. Afonso Cunha
  2. Água doce do Maranhão
  3. Alcântara
  4. Aldeias Altas
  5. Amapá do Maranhão
  6. Anajatuba
  7. Apicum Açu
  8. Araioses
  9. Arame
  10. Arari
  11. Bacurituba
  12. Balsas
  13. Barão de Grajaú
  14. Bela Vista do Maranhão
  15. Belágua
  16. Bom Jesus das Selvas
  17. Brejo de Areia
  18. Buriti
  19. Cajapió
  20. Cajari
  21. Capinzal do Norte
  22. Cedral
  23. Centro Novo do Maranhão
  24. Colinas
  25. Conceição do Lago-Açu
  26. Cururupu
  27. Esperantinopolis
  28. Fernando Falcão
  29. Fortuna
  30. Governador Nilton Belo
  31. Itaipava do Grajaú
  32. Jenipapo dos Vieiras
  33. Junco do Maranhão
  34. Logo do Junco
  35. Lagoa do Mato
  36. Lagoa Grande do Maranhão
  37. Marajá do Sena
  38. Milagres do Maranhão
  39. Morros
  40. Olinda Nova do Maranhão
  41. Pedro do Rosário
  42. Pio XII
  43. Poção de Pedra
  44. Presidente Sarney
  45. Primeira Cruz
  46. Santa Filomena do Maranhão
  47. Santana do Maranhão
  48. Santo Amaro do Maranhão
  49. São Domingos do Azeitão
  50. São Francisco do Maranhão
  51. São João do Caru
  52. São João do Paraíso
  53. São João do Sóter
  54. São José de Ribamar
  55. São José dos Basilios
  56. São Luís Gonzaga
  57. São Raimundo do Doca Bezerra
  58. São Roberto
  59. Satubinha
  60. Serrano do Maranhão
  61. Turiaçu
  62. Turilandia
  63. Tutoia
  64. Vila Nova dos Martírios

#Segunda Entrega (Recurso do Tesouro):

  1. Amarante do Maranhão
  2. São Bento
  3. São Benedito do Rio Preto
  4. Vargem Grande
  5. Santa Luzia
  6. Ze Doca
  7. Pirapemas
  8. Bom Jardim
  9. Carutapera
  10. Gov. Eugenio Barros
  11. Igarapé do Meio
  12. Mirinzal
  13. Nova Iorque
  14. Passagem Franca
  15. Porto Rico do Maranhão
  16. Vitorino Freire

TOTAL = 80 Municípios

Viva a Baixada!

Lago de Viana

Por Natalino Salgado Filho*

Na semana passada, fui alcançado por diversas mensagens de baixadeiros que se identificaram com o artigo que aqui publiquei, constatando que há naquela região uma terra santa. Fiz referência ao meu torrão natal, minha amada Cururupu; mas diversos leitores me disseram que a descrição que apresentei os fez recordarem de suas próprias cidades natais, dadas as semelhanças dos aspectos geográficos que irmanam cada uma das cidades da Baixada Maranhense.

Uma obra que também pode fazer surgir esse amálgama de sentimentos, por elencar uma série de escritos de elementos nostálgicos comuns, atende pelo nome de Ecos da Baixada – coletânea de crônicas sobre a Baixada Maranhense, e que se constitui numa daquelas iniciativas que a arte, na forma de literatura, pode se propor, quando tudo o mais, ao longo de anos, falhou por incontáveis razões. O eco é aquilo que reverbera, mesmo depois da fonte originária ter cessado. Ele ricocheteia e se espalha, repetindo a palavra várias vezes, para que seja ouvida e, quem sabe, desperte em seus ouvintes passivos, esquecidos e alheios, a atenção necessária.

A publicação é uma iniciativa do Fórum da Baixada Maranhense e reúne uma plêiade de baixadeiros escritores, amantes de sua terra que, a despeito da riqueza natural, da diversidade multifacetada de mar, terra, rios, florestas, lagos, flora e fauna, de ter uma riquíssima cultura – até um sotaque peculiar, um léxico de palavras únicas – tem amargado, ao longo de seus breves séculos de ocupação, o esquecimento e um desenvolvimento espasmódico que alcançam, só precariamente, sua gente lutadora.

Ler o livro é fazer uma impressionante viagem por todos os rios e ter à mão uma ictiografia detalhada. Confesso que aprendi mais nomes de árvores que em todas as minhas leituras anteriores. O livro é feito por apaixonados que foram reunidos por iniciativa do advogado – devo acrescentar o epíteto embaixador baixadeiro? – Flávio Braga, presidente do Fórum.

A propósito, a palavra baixadeiro é desconhecida pelos dicionários com o sentido carinhoso que aqui menciono, como uma designação, uma naturalidade. Mas encontrei a palavra associada a um tipo de cavalo rústico, que se desenvolveu naturalmente, e por alguma intervenção humana, justamente em nossa baixada, desde o Brasil Colônia. É um animal pequeno, resistente, totalmente aclimatado aos extremos de seca e cheia da região. É uma raça antiga e um patrimônio genético que honra a comparação com habitantes da região, no aspecto tenacidade e resistência às intempéries.

Na obra que mencionei – ainda inédita – há ao mesmo tempo um toque de tristeza, quando se lê, por exemplo, na crônica de Nonato Reis, um lamento pelo Rio Maracu que, como outros no Maranhão, e talvez em estado mais grave, morre à míngua ano a ano. Mas toda a hidrografia da Baixada está gravemente comprometida e as iniciativas até hoje são, na melhor das hipóteses, tímidas.

O Ecos da Baixada deve ser distribuído nas escolas, na esperança de que crianças e jovens sensibilizados, se tornem ainda agora aqueles que farão de suas jovens vidas ecoar o chamado, não para salvar a natureza manifesta na Baixada, mas para se harmonizarem com ela, como se seus rios e igarapés fossem as veias que irrigam suas vidas.

A pena destes escritores, que integram a obra, faz as vezes de gritos proféticos. Clamam pelos rios como os elementos fundamentais de todo um ecossistema único e que arqueja, como se fosse a materialização das palavras do apóstolo Paulo que, em sua Carta aos Romanos, diz: “Sabemos que toda a natureza criada geme até agora, como em dores de parto.” (Romanos 8:22).

Quem nasceu naquele lugar sabe do que falo. A baixada, a despeito de todos os maus-tratos a que foi submetida, vive e resiste. Viva a Baixada!

*Médico, doutor em Nefrologia, ex-reitor da UFMA, membro da AML, ANM, AMM, IHGMA e SOBRAMES

‘Mais Cultura e Turismo de Férias’ começa neste final de semana em várias cidades do Maranhão

Programação Geral

Com atrações locais e nacionais de diferentes cenas musicais, espetáculos teatrais e o melhor da cultura popular maranhense começa neste fim de semana o ‘Mais Cultura e Turismo de Férias’ com programação gratuita em 12 municípios maranhenses. MPB, pop, rock, samba reggae, chorinho, bumba-meu-boi, tambor de crioula, forró além da comédia Pão com Ovo e Cia Cambalhotas estão no programa que acontece de 7 a 25 de julhocom arte e cultura para todos os gostos. O ‘Mais Cultura e Turismo’ é uma iniciativa do Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Cultura e Turismo (Sectur), realizada com sucesso desde 2015.

Este ano, a edição do programa conta com atrações culturais durante três semanas de julho em várias cidades. Em São Luísas apresentações serão realizadas em quatro pontos da cidade. Em Barreirinhas (portal de entrada dos Lençóis Maranhenses)shows com vários artistas prometem muito agito na cidade turística. Além disso o Mais Cultura e Turismo de Férias levará espetáculos teatrais para as cidades de Estreito, Tuntum, Lagoa da Pedra, Santa Luzia, Zé Doca, Santa Helena, Araioses, Coelho Neto, Coroatá e Vargem Grande.

O secretário da Cultura e Turismo, Diego Galdino, informou que a intenção do Governo é intensificar as ações culturais em todo o estado. “Estamos ampliando a atuação do programa com a inclusão de novos espaços e cidades, diversificando a programação e melhorando a infraestrutura dos pontos turísticos. Além disso iremos expandir ainda mais a oferta de atrações com os editais de ocupação artística que levarão cultura o ano inteiro para os maranhenses”, ressaltou Diego.

Mais Cultura e Turismo de Férias São Luís

Em São Luís as apresentações serão realizadas na Praça Nauro Machado (Centro Histórico) às sextas-feiras, Praça da Lagoa da Jansen e Concha Acústica aos sábados e Espigão da Ponta D’Areia aos domingos. A programação promete atrair maranhenses e entreter turistas que curtem as férias na capital com atrações que darão continuidade aos festejos juninos, principalmente no centro histórico e Espigão Costeiro. Já a Praça da Lagoa da Jansen e a Concha Acústica vão oferecer programação voltada para o público infantil com espetáculos e atividades recreativas.

Nesta sexta-feira (7), o festejo na Praça Nauro Machado começa a partir das 18h com grupos de tambor de crioula. Na sequência tem apresentação do Boi de Morros, às 19h, e Boi de Santa Fé, às 20h. A noite encerra com show de Chiquinho do Acordeon que vai agitar a praça com muito forró.

No Espigão Costeiro da Ponta D’Areia os festejos do São João fora de época terão no domingo (9) apresentação do Boi de Nina Rodrigues, no fim da tarde, ao pôr do sol. O espaço é amplo e o público tem a oportunidade de interagir com a brincadeira num dos pontos turísticos mais bonitos de São luís.

Mais Cultura e Turismo de Férias Lençóis Maranhenses

O ‘Mais Cultura e Turismo de Férias’ em Barreirinhas terá duas grandes atrações nacionais, os cantores  Jorge Vercillo e Chico César. Durante os três finais de semana contemplados na programação, o público pode contar ainda com shows de Carlinhos Veloz, Grupo Criolina, Mano Borges, Pepê Júnior, George Gomes, grupo Lamparina, banda Raiz Tribal, Kambada do Forró, Cacuriá de Dona Teté, banda Filhos da Areia, Chorando Calado, Companhia Encantar, Tambor de Crioula Arte Nossa e grupo Tripa de Bode. A abertura e os intervalos dos shows terão os Djs Júnior Pará (7 e 8), Speto (14 e 15) e Claudinho Polary (21 e 22).

O Mais Cultura e Turismo Lençóis Maranhense será realizado sempre às sextas e aos sábados, e contará com cerca de 20 atrações. Além dos shows a programação terá aulões de ritmos e zumba todas as manhãs e tardes de sábado e manhãs de domingo. Outra atração será o passeio lancha cultural e o espaço infantil comandado pela Companhia do Imaginário, sextas e sábados, a partir das 16h.

Neste primeiro final de semana o destaque fica por conta do cantor Jorge Vercillo, que se apresenta no sábado(8), a partir das 21h. No repertório o artista trará sucessos de todas as fases da carreira, como “Ela Une Todas as Coisas”, “Monalisa”, “Talismã sem Par” além de canções inéditas do álbum mais recente, intitulado “Vida é Arte”.

Mais Cultura e Turismo Teatro

Em 10 municípios maranhenses o ‘Mais Cultura e Turismo de Férias Teatro’ marcará presença com a comédia teatral ‘Pão com Ovo’ e espetáculo ‘Sganarelle e o amor de Suzete’, da Companhia Cambalhotas. As apresentações serão em praças públicas e com acesso gratuito para toda a população.

A comédia teatral Pão com Ovo e espetáculo circense da Companhia Cambalhotas farão apresentações de forma itinerante, percorrendo os municípios de Estreito, Tuntum, Lagoa da Pedra, Santa Luzia, Zé Doca, Santa Helena, Araioses, Coelho Neto, Coroatá e Vargem Grande. (Secap-MA)