Assassinato de colaboradores da Cemar é mais um motivo para repudiar a posse de armas

Arquivo

Blog do Ed Wilson Araújo

A morte de dois colaboradores da Companhia Energética do Maranhão (Cemar), no Sítio Natureza, serve para refletir sobre o famigerado plano do governo federal de permitir a posse de armas.

Segundo as primeiras investigações da Secretaria de Segurança, o duplo homicídio teria sido cometido por homens insatisfeitos com o corte de energia em uma residência.

Os funcionários foram mortos a tiros dentro do carro da empresa que prestava serviço para a Cemar, no município de Paço do Lumiar, na região metropolitana de São Luís.

É preciso aguardar o resultado das investigações. Mas, independente da motivação do crime, cabe refletir sobre a posse de armas no Brasil.

A maioria da população brasileira não está preparada para ter a posse de um equipamento letal de fogo em casa. Além disso, não há condições de fiscalizar o uso de armas em um país tão grande.

Quem garante que o indivíduo com a posse de arma não vai cair na tentação de transportar um revólver ou pistola no carro ou mesmo para uma festa?

A posse de arma cria condições para um empoderamento acima do normal, podendo levar o indivíduo armado a extrapolar a razão em situações de conflito com um vizinho, por exemplo.

Como serão recebidos os colaboradores da Cemar ou da Caema por um indivíduo com posse de arma em um dia de instabilidade emocional?

O corte de energia elétrica, algo constrangedor, por si só já é motivo para chateação.

Como vai reagir o indivíduo armado diante de alguém que vai até sua casa interromper a luz ou o fornecimento de água?

Essas perguntas são fundamentais para o debate. Armar a população pode jogar o Brasil em uma guerra de todos contra todos e pavimentar o caminho para a barbárie.

A nova Praça do Panteon

Arquivo

Por Luiz Carlos Pinheiro Gomes*

A bem da verdade, aquele é um logradouro relativamente novo sendo assim denominado pela Lei Municipal n.º 442 de 30/7/1954. E encravado no antigo Largo do Quartel, espaço que em outros tempos também era chamado de Campo de Ourique. A Câmara de São Luís em 20/4/1998, pela Lei Municipal n.º 3697, designou aquele local como de homenagem póstuma oficial e permanente àqueles que tenham prestado relevantes contribuições às Letras e às Artes no Maranhão.

Os 16 bustos que outrora ali existiam — e 1 (um) inidentificável, pois algumas placas que os nomeavam desapareceram, foram colocados isoladamente um a um ao longo do tempo por familiares dos homenageados e por entidades ligadas à cultura como o Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM) e a Academia Maranhense de Letras (AML). Contam que o primeiro monumento implantado foi o de Artur Azevedo seguido pelos de Raimundo Corrêa, Dunschee de Abranches e Nascimento Moraes.

Decerto o critério atual adotado pelo IPHAN/Prefeitura de São Luís foi o de manter os bustos das 16 personalidades que estavam ali anteriormente, retirando, não se sabe bem por que, os bustos de Domingos Perdigão e de Humberto de Campos! Sabe-se ainda que as peças originais foram retiradas e guardadas desde 2007 no pátio do Museu Histórico e Artístico do Maranhão (MHAM) com o objetivo louvável de se evitar por vandalismo a depredação das mesmas e por sugestão de membros da AML. Agora acrescentaram os bustos de Silva Maia, Josué Montelo, Teixeira Mendes e Clodoaldo Cardoso, perfazendo assim os 18 monumentos atuais.

Registre-se, por oportuno, que em que pese o nome pomposo “Panteon” que em latim se escreve Pantheon e em grego clássico significa Panteão (local comum a todos os deuses ou mausoléu de pessoas notáveis), a nossa Praça do Panteon — não vai lamentavelmente e por tradição — ostentar os nomes dos maiores expoentes da literatura, da história e da política do Maranhão. Nem tampouco vai expor os monumentos dos maiores vultos nas letras do nosso estado biografados pelo Plutarco Maranhense, Henriques Leal, em sua magistral obra Pantheon Maranhense! Diga-se os bustos das glórias consagradas da inteligência maranhense como de Odorico Mendes,  Sotero dos Reis, João Lisboa, Gonçalves Dias e de tantos outros.

Figuram após a reinauguração da praça os bustos de Henriques Leal, Gomes de Castro, Coelho Neto, Gomes de Souza, Ribamar Bogéa, Nascimento Moraes, Maria Firmina, Raimundo Correia, Urbano Santos, Teixeira Mendes, Corrêa de Araújo, Josué Montelo, Silva Maia, Bandeira Tribuzi, Dunshee de Abranches, Clodoaldo Cardoso, Artur Azevedo e Arnaldo Ferreira. Portanto de 18 personalidades.

Em tempos anteriores, aquele logradouro ostentava os bustos de Henriques Leal, Gomes de Castro, Coelho Neto, Gomes de Souza, Ribamar Bogéa, Nascimento Moraes, Maria Firmina dos Reis, Raimundo Corrêa, Urbano Santos, Corrêa de Araújo, Bandeira Tribuzi, Dunshee de Abranches, Arthur Azevedo, Arnaldo de Jesus Ferreira, Domingos Perdigão e Humberto de Campos. Portanto de 16 personalidades.

Sugerimos que nos 16 espaços de 2 a 3m existentes entre os pedestais atuais, recebam os bustos daqueles que foram a essência da cultura do Maranhão e que lamentavelmente foram esquecidos.

Vista aérea do Complexo Deodoro, em São Luís (MA). Foto de Meireles Jr. Cortesia Iphan.

No que tange à Praça Deodoro (antiga Praça da Independência), muitos devem ter ficado aqui curiosos porque não mencionamos nestas linhas este topônimo tão conhecido na cidade inclusive como todo aquele espaço. Consultando várias fontes, muitas divergentes e confusas, concluímos que esta praça compreende aquele quadrilátero que vai da Rua de Santaninha (Salvador de Oliveira) à Rua dos Remédios (Rio Branco) margeado pelas ruas da Paz e do Sol e em frente da Praça do Panteon, local onde existia um camelódromo.

Com referência às plaquetas de identificação, cheias de erros gramaticais e ante a reação dos visitantes, acho que deverão ser melhoradas as suas redações urgentemente, e enriquecidos os seus textos por membros da AML, ou da ALL, ou do IHGM, se assim acharem necessário. Outrossim, sugerimos ser substituídas por placas de bronze que terão inegavelmente uma vida útil infinitamente superior às recém-colocadas.

*Vianense / Engenheiro | Publicado no Jornal O Estado do Maranhão, edição do dia 4/1/2019.

Vila Magril ganha moderna praça para lazer e esporte

O projeto é resultado de ações do Governo do Estado, por meio da Agência Executiva Metropolitana.

Quadra esportiva, calçamento com meio-fio, pavimentação, passeio, estacionamento para carros e motocicletas, canteiros com áreas verdes e arborizadas, academia de ginástica, playground e um espaço ao ar livre para atividades diversas. Assim está estruturada a Praça Vila Magril, inaugurada na tarde desta sexta-feira, 14.

O projeto, que contempla uma área de 1.754,13m², foi totalmente idealizado e executado pela Agência Executiva Metropolitana (AGEM). Para a criação, foi promovido um estudo para escolha da área em que seria implantada a Praça. Em seguida, passou-se para a elaboração do projeto, que, depois de finalizado, foi apresentado à comunidade, que deu o aval para o início das obras. “Todas as etapas de nosso trabalho incluem representantes dos moradores, pois entendemos que o equipamento deve ser construído de acordo com as demandas desse grupo”, explicou o presidente da AGEM, Lívio Jonas Mendonça Corrêa.

A Praça Vila Magril está localizada na Rua São Jerônimo (esquina com as ruas Tamarindo e Laranjeiras), em uma área que, antes, servia como depósito de entulho e até sucatas (ferro-velho), propício ao acúmulo de água parada em períodos chuvosos e, consequentemente, um criadouro de mosquitos transmissores de doenças. “Apesar dessas limitações, o espaço era utilizado para reuniões e encontros da comunidade local. Daí a importância de um projeto como a Praça”, revelou Lívio Corrêa.

Transformando realidades

Durante a inauguração, o deputado federal eleito, Pedro Lucas Fernandes, destacou a importância da Praça para a Vila Magril. Ele revelou que, ao iniciar os contatos com a comunidade, oito anos atrás, percebeu as carências do bairro. “Por isso, desde então, procuramos desenvolver ações para melhorar a vida da população e hoje conseguimos inaugurar este espaço”, disse.

Lívio Corrêa também enfatizou a importância da obra. O presidente da AGEM destacou que um projeto para a zona rural é diferente dos que são destinados à zona urbana. “As comunidades rurais são mais carentes. Aqui na Magril, por exemplo, não havia nenhum espaço para lazer. Por isso o Governo do Estado tem determinado que sejam direcionados obras de melhoria para essas regiões”, revelou.

O presidente da Associação de Moradores, Cândido Júnior, reforçou o que disse Lívio Corrêa. “Sonhamos por muito tempo com essa Praça. E agora vamos nos comprometer a zelar por ela”.

Sobre a gestão do local, Lívio Corrêa revelou que, na próxima semana, uma equipe da AGEM e da Prefeitura de São Luís irá se reunir com representantes de moradores para formar um Comitê Gestor. “Este será responsável pela administração da Praça”, finalizou.

Vereador Cézar Bombeiro encaminha emendas ao orçamento municipal a ser votado na Câmara

O vereador Cézar Bombeiro encaminhou emendas ao orçamento do município que será votado no legislativo municipal.

Ele pediu a inclusão de obras de cobertura de galerias no bairro da Liberdade com orçamento estabelecido de R$ 400 mil; Asfalto no Residencial 500 Anos no bairro do São Cristovão II, no valor de R$ 300 mi; WIFI no Mercado da Liberdade, no valor de R$ 100 mil e R$ 200 mil para a recuperação geral do telhado e pintura no Colégio Mario Andeazza, no bairro da Liberdade.

Cézar Bombeiro diz que as emendas apresentadas se destinam a serviços emergenciais e que já poderiam ter sido feitos pelo poder público. A cobertura das galerias será de fundamental importância e prevenção a doenças, haja vista que atualmente elas se tornam autênticos criadouros de aedes egypti, proporcionando a que as famílias vivam doentes todos os dias do ano. Quanto ao colégio Mario Andreazza, funciona em um prédio que faz parte da memória e onde foi a administração do antigo Matadouro.

Quanto ao asfaltamento para o Residencial 500 Anos é uma aspiração popular das famílias que moram no local e finalmente o WIFI no Mercado da Liberdade é de grande importância para os feirantes e para milhares de pessoas que fazem compras todos os dias no local, que inclusive é uma importante atração para os bairros da Camboa, Fé em Deus, Monte Castelo, Vila Passos e do centro da capital, afirmou Cézar Bombeiro. (Via Blog do Aldir Dantas)

Governo do Maranhão entrega Praça na Vila Esperança 

Mais um equipamento de esporte e lazer foi inaugurado pelo Governo do Estado, por meio da Agência Executiva Metropolitana (AGEM), em parceria com a Prefeitura de São Luís. Trata-se da Praça Vila Esperança, na comunidade de mesmo nome. A inauguração aconteceu na tarde desta sexta-feira, 7, e contou com a presença maciça da comunidade e de autoridades políticas.

Essa é a primeira obra entregue na zona rural de São Luís. Outra está em execução na Vila Magril. A comunidade de Coquilho e o Projeto de Assentamento Conceição serão as próximas da região a receberem projetos do Governo do Estado, via AGEM. “Essas obras fazem parte de uma série de ações que vêm sendo desenvolvidas para melhorar a infraestrutura dos bairros da Região Metropolitana da Grande São Luís e que estão revitalizando espaços subutilizados nas comunidades”, destacou o presidente da Agência Executiva Metropolitana, Lívio Jonas Mendonça Corrêa.

A Praça da Vila Esperança ocupa uma área de 1.939,97m2, onde estão instalados academia de saúde, quadra esportiva e estacionamento, além de mobiliário como bancos. “Esta obra deu nova funcionalidade a um terreno localizado em uma das partes centrais da comunidade, próxima a escolas, comércios e posto de saúde”, explica Lívio Corrêa.

Concretização

Para o líder comunitário e professor de Zumba, Dionísio Caldeira, a Praça Vila Esperança é resultado de muito esforço. “Insistimos demais até que fôssemos ouvidos. Muitos não acreditavam, mas continuamos na luta e, agora, temos este espaço maravilhoso e que será muito bem utilizado por todos”.

Para o vereador, e deputado federal eleito, Pedro Lucas Fernandes, a Praça comprova que as políticas públicas estão chegando a diversas áreas de São Luís. “Temos trabalhado intensamente por toda Ilha, pois entendemos que os benefícios devem alcançar a todos”, revelou.

O também vereador Umbelino Júnior fez questão de ressaltar os esforços conjuntos para a concretização da Praça. “A indicação do projeto para a Vila Esperança foi feita por a partir de demandas dos moradores, mas se não fossem as parcerias com o Governo do Estado e com a Prefeitura não teríamos chegado a este resultado, que abrange não apenas esporte e lazer, mas também cultura e educação”.

O secretário de Assuntos Políticos da Prefeitura de São Luís, Ivaldo Rodrigues, também destacou os esforços conjuntos. “Esta Praça é uma necessidade histórica dos moradores. Então, fizemos prevalecer a vontade da população, mas isso só foi possível pelo trabalho em parceria”.

Próximos passos

Outras ações estão sendo desenvolvidas na área de infraestrutura e equipamentos de esporte e lazer nas zonas rurais de São Luís. Lívio Corrêa revelou que, além de Coquilho e PA Conceição, várias comunidades receberão projetos em breve. “Estamos, inclusive, finalizando um diagnóstico de vias, para que possamos elaborar projetos para cada uma dessas áreas”, afirmou.

Segundo o presidente, os trabalhos prosseguirão e, já no próximo dia 14, será entregue uma nova praça. “Desta vez na Vila Magril. Em janeiro outras obras serão inauguradas”, finalizou.

Agência Executiva Metropolitana instala placas de delimitação de divisas da Grande Ilha de São Luís

De agora em diante, os municípios da Região Metropolitana da Grande São Luís (RMGSL), a saber, São José de Ribamar, Paço do Lumiar, Raposa e São Luís, passam a ter um instrumento preciso de delimitação de cada um deles. Isso porque o Governo do Estado, por meio da Agência Executiva Metropolitana (AGEM), fez nesta quarta-feira, 05, a instalação das Placas de Divisas dos Municípios da Ilha de São Luís.

A ação conta com a parceria do Instituto Maranhense de Estudos Cartográficos (IMESC) e do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE). De acordo com o presidente da Agência Executiva Metropolitana, Lívio Corrêa, as placas fazem a seguinte delimitação: São Luís/São José de Ribamar; São José de Ribamar/Paço do Lumiar e Paço do Lumiar/Raposa. “Os pontos contam com coordenadas geográficas, para que a posição possa ser identificada com GPS”, revela. As placas instaladas estão localizadas na Avenida dos Holandeses, esquina com Rua Rio Branco; Travessa Novo Araçagi, esquina com Holandeses, e MA-204 (Rua 10).

Lívio Corrêa destaca, ainda, que a instalação das placas de identificação territorial dos municípios vai colaborar para resolver um problema histórico dos moradores de bairros limítrofes entre as cidades que compõe a Grande Ilha, que afetava a cobrança de impostos e, em alguns casos, até duplicidade nos boletos enviados aos domicílios. “Isso pode comprometer, inclusive, o repasse de verbas estaduais e federais”, destacou.

Demarcações

Os novos limites entre os municípios de São Luís e São José de Ribamar foram definidos pela Lei nº 10.649, de 31 de julho de 2017, aprovada pela Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão (Alema), em julho deste ano e publicada na edição do dia 1º de agosto, no Diário Oficial do Estado. São 57 pontos que delimitam as duas cidades.

Além de São Luís e São José de Ribamar, os outros municípios que integram a Grande Ilha também foram redefinidos, através da Lei nº 10.648, de 31 de julho de 2017, que atualizou a divisa entre Paço do Lumiar e Raposa. A Lei nº 10.650, de 31 de julho de 2017 trata sobre os limites entre Paço do Lumiar e São José de Ribamar. Os quatro municípios da Grande Ilha integram a Região Metropolitana da Grande São Luís, instituída pela Lei Estadual Complementar nº 174/2015.

Governo do Estado entrega quadra na Vila Luizão

A comunidade Vila Luizão e adjacências dispõem agora de um moderno equipamento para prática de esportes e lazer. Trata-se da Quadra Poliesportiva Vila Luizão, inaugurada na tarde desta sexta-feira, 30.

A Quadra Poliesportiva está localizada entre as ruas do Norte e Projetada. É fruto de um conjunto de projetos que vêm sendo executados pelo Governo do Maranhão, por meio da Agência Executiva Metropolitana (AGEM), em parceria com a prefeitura de São Luís, para beneficiar toda a Região Metropolitana da Grande São Luís (RMGSL). “São trabalhos de urbanização e revitalização de espaços que há muito vêm sendo demandados pelas comunidades e que, agora, estão se transformando em realidade”, destacou o presidente da AGEM, Lívio Jonas Mendonça Corrêa.

O projeto contempla, além da quadra esportiva, arquibancada com capacidade para 70 (setenta) pessoas, bicicletário, depósito para armazenamento de materiais esportivos e espaço verde. Ao todo, a construção abrange uma área de 518m². O deputado federal eleito, Pedro Lucas Fernandes, fez questão de enfatizar o compromisso assumido pela AGEM com a implementação de projetos de infraestrutura de toda a Região Metropolitana. “É importante frisar, ainda, que esta quadra não é apenas para esportes, mas também um espaço de transformação social”.

Preservação

O secretário de Assuntos Políticos da Prefeitura de São Luís, Ivaldo Rodrigues, lembrou da importância das parcerias na execução de projetos. “Temos que ter sempre como prioridade o interesse coletivo e todas as nossas ações devem beneficiar o maior número de pessoas, daí a importância de um trabalho conjunto”. O secretário falou, ainda, que a participação da comunidade também será fundamental a partir de agora. “É importante conservar este local”, alertou.

A opinião foi partilhada pelo vereador Marquinhos. Ele fez questão de lembrar que a Quadra Poliesportiva é fruto de muitos esforços e que, a partir de agora, é fundamental o envolvimento dos moradores para zelar o espaço. “Assim estaremos valorizando e poderemos sair em busca de novas conquistas para o nosso bairro”, justificou.Sobre a administração da Quadra, Lívio Corrêa destacou a parceria com a Prefeitura de São Luís que, além da iluminação, também é responsável pela criação do Comitê Gestor. “É este grupo que trabalha mais diretamente na conservação do local”, finalizou.