VÍDEO: Navio pode afundar próximo à Costa Maranhense e há risco de derramamento de óleo

As informações foram repassadas ao blog de que até a tarde desta quarta-feira (26), já haviam 30 metros de água dentro do navio, a profundidade no local aonde se encontra encalhado o Stellar Banner é de 40 metros, portanto a situação é crítica. Veja o vídeo:

 

Aonde o navio se chocou é um pesqueiro, portanto existem pedras no local. O choque teria ocorrido entre as bóias 5 e 6 de 9 existentes.

Segundo um profissional procurado pelo blog, estando no Canal é muito provável que o navio não tivesse sofrido o acidente. Ainda segundo o profissional, o navio tem uma velocidade de certa forma controlada; fora dele isso não acontece.

O profissional explicou ainda que a Vale e o Porto do Itaqui, possuem sistema de monitoramento de computadores que tem como manter o controle dos navios que entram em águas maranhenses, ou seja, se um navio sair da rota prevista, isso tem que ser checado para que a embarcação retorne para rota. Em um comparativo com a rota aérea, existem os aviões comerciais, aviões de cruzeiro e aviões particulares, cada um deles tem um tipo de altitude em que pode voar. No caso de navio são as balizas., que quando entram em um estado ou um país são chamadas de bóias que podem ser verdes ou vermelhas.

“O navio provavelmente bateu fora do Canal porque não tem controle de velocidade; isso pode ter acontecido para diminuir o tempo de viagem  e é comum acontecer esse tipo de situação”, revelou o especialista.

“O procedimento do comandante do navio no meu ponto de vista foi correto de ter encalhado o navio naquela localidade. Só que ressalto aqui, o óleo precisa ser retirado imediatamente do navio, pois da forma que se encontra, já com 30 metros de água na parte interna, dificilmente a embarcação poderá ser salva: deve afundar e o óleo precisa ser retirado antes que isso aconteça. Esse óleo se não for retirado vai cair na água, uma tragédia”, pontuou.

Segundo o especialista, esse óleo combustível de navio é o mesmo que recentemente apareceu em praias brasileiras, principalmente no litoral nordeste do país. É um tipo de óleo com uma textura mais grossa.

“Deve existir a preocupação com o minério claro, carregamento transportado pelo Stellar Banner. Mas o derramamento desse óleo na água é mais desastroso”, explicou.

Pela sua experiência relatou que o navio deve está abastecido com 30 a 40 mil litros de óleo e que é preciso observar se não já está havendo vazamento de óleo pela proa do Stellar Banner. (Via Blog do Eduardo Ericeira)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *