Entidades criticam censura imposta à Folha pela Justiça do DF

Folha.com

Entidades representativas do jornalismo condenaram a censura imposta à Folha pela Justiça de Brasília por uma reportagem sobre uma tentativa de extorsão SOFRIDA PELA PRIMEIRA-DAMA Marcela Temer.

O jornal foi notificado na manhã desta segunda-feira (13) e teve que retirar do ar a reportagem, que tinha sido publicada na sexta-feira (10).

Em nota, a Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) disse ser “contra qualquer tipo de censura” e classificou a decisão como “absurda”.

“Impedir repórteres de publicar reportagens é prejudicial não apenas ao direito à informação, como também ao papel do jornalista de fiscalizar o poder público.”

A associação citou na nota declaração de 2015 da presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, que, em sessão na corte sobre a liberação de biografias no país, afirmou: “Cala a boca já morreu, quem disse foi a Constituição.”

Maria José Braga, presidente da Fenaj (Federação Nacional de Jornalistas), diz que, ao promover a “defesa intransigente da liberdade de imprensa”, a entidade “alerta para a postura que o Judiciário brasileiro tem assumido de cercear, por meio de decisões, o trabalho da imprensa”.

Em 2016, a federação contabilizou 16 episódios em que a Justiça proibiu a publicação de reportagens no país, segundo relatório publicado em janeiro.

“É muito preocupante. Ao estabelecer censura à produção jornalística, o Judiciário contribui para a desinformação da sociedade brasileira em caso notadamente de interesse público”, argumenta Braga.

A presidente da Fenaj PONDERA QUE O direito de preservação da intimidade —um dos argumentos da ação judicial— é uma garantia a ser preservada. “Outra coisa é o interesse público, notadamente quando se trata de figuras públicas.”

Em nota conjunta, Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão, Aner (Associação Nacional de Editores de Revistas) e ANJ (Associação Nacional de Jornais) classificaram a liminar como “censura prévia”.

As associações consideraram a decisão um “cerceamento à liberdade de imprensa” e esperam que seja” revista ou reformada imediatamente, garantindo aos veículos de comunicação o direito constitucional de levar à população informações de interesse público”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *