Bíblia, bala e boi

JM Cunha Santos

E este é o BBB do presidente Jair Bolsonaro: as bancadas da Bala, do Boi e da Bíblia. Entre eles, os que acham que o Decreto Tiroteio do presidente é fraco, não alcança os propósitos imantados pela ganância da indústria armamentista – a sede de sangue, afinal, que vai aumentar estratosfericamente os lucros de quem já lucra horrores na periferia dos 60 mil homicídios anuais hoje cometidos no Brasil.

E a Bancada da Bala já enfiou na pauta do Congresso, aguardando apenas que Rodrigo Maia coloque em votação, projeto que flexibiliza, assustadoramente, a posse de armas no país. Um pacote criminoso que inclui o direito ao porte, redução de tributos sobre armamentos e munições, anistia a donos de armas sem registro, diminuição da idade mínima de compradores de 25 para 21 anos e abertura do mercado para empresas estrangeiras. Matou, alguém lucrou.

A Bancada do Boi certamente exulta com a possibilidade de disparar sem freios sobre os Sem Terra, (agora considerados terroristas) de condensar listas de lideranças rurais marcadas para morrer. Da Bancada da Bíblia espera-se que acorde desse delírio luciférico e reaja coerente com o “Não Matarás” dos 10 mandamentos. Espera-se.

Bala, Bíblia e Boi. Boi, Bala e Bíblia, uma receita fulminante num país em que metade das mulheres assassinadas por seus parceiros em 2016 foi vítima de armas de fogo. Jesus, a essas alturas, treme no túmulo, se em túmulo ele estiver, padece nos céus uma outra crucificação, a de sua alma. “Se alguém bater na tua face, não oferece a outra, cai de bala nele” essa é a Nova Ordem dos Apóstolos do Cão Sarnento, redigindo, em nome do lucro fácil, licenças para matar.

Qual será o destino dos brasileiros daqui a alguns anos com tanta gente circulando nas ruas com armas na cintura? Pelo que julgo, os Bois estarão mais seguros que o cidadão, guardados por jagunços que deles afastarão, a bala, a presença incômoda de meros seres humanos. A Bíblia, séculos e séculos depois, estará travestida em instrumento do mal, porque pastores de Deus encontraram nela argumentos para aprovar a maior insânia da história da política brasileira. E a Bala, finalmente, pela primeira vez na História da Humanidade, será tratada como instrumento de Paz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *