Cadastro Ambiental Rural beneficia 575 famílias quilombolas da Baixada

Nesta sexta-feira (21), o Governo do Estado, por meio do Sistema da Agricultura Familiar (SAF, Agerp e Iterma) entregou recibo coletivo do Cadastro Ambiental Rural (CAR) beneficiando comunidades quilombolas da Baixada Maranhense. Com esta ação, 575 famílias de Penalva, Matinha e São Vicente Ferrer.

O secretário da Agricultura Familiar, Júlio César Mendonça, destacou que a cobertura do CAR em áreas quilombolas é uma prioridade do Governo.

“Essa ação nestes municípios representa um avanço significativo, em que estamos fortalecendo, resgatando e valorizando a luta destas comunidades. O Governo Flávio Dino prioriza o CAR nestas comunidades que tanto precisam, pois com esse documento em mãos, terão como agregar outras políticas, como crédito rural e assistência técnica”, afirmou Mendonça.

Na ocasião foram entregues também, kits de irrigação e uma motocicleta para o escritório regional da Agerp de Viana.

A cerimônia foi realizada no povoado Capoeira, em Viana, e contou com a presença do secretário da SAF, Júlio César Mendonça; a secretária-adjunta, Luciene Dias; a gestora da Agerp de Viana, Janaira Sá e equipe; a secretária de políticas sociais da FETAEMA, Nilvane Santos; presidentes de sindicatos; líderes das comunidades beneficiadas; representantes do MIQCB e ACONERUQ.

O CAR é o registro do domicílio rural, garantindo acesso do agricultor e agricultora familiar às políticas públicas, assim como o crédito. No Maranhão, o programa é executado pela SAF, com o apoio dos Escritórios Regionais da Agerp.

Desde dezembro de 2019, o Governo do Estado deu início ao CAR em todo o estado, por meio do projeto Mais Sustentabilidade no Campo, e conta com investimentos de R$ 41 milhões do Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), apoiado pelo Fundo Amazônia.

Serão realizados 182.500 cadastros, nos 217 municípios, para agricultores familiares individuais e territórios coletivos como os povos tradicionais: quilombolas, quebradeiras de coco, extrativistas, pescadores e assentamentos estaduais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *