Novo CEO vai atender Luminenses com mais qualidade e serviços.

Em breve, deverá ser reinaugurado o novo CEO – Centro de Especialidades Odontológicas de Paço do Lumiar. Em fase final de conclusão da reforma, a unidade vai intensificar e disponibilizar novos serviços para atender melhor a população.


O prédio está sendo totalmente reformado, já recebeu pintura, reparos e outras adequações. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde – SEMUS, novos equipamentos também serão entregues a unidade permitindo que equipes de saúde bucal atendam a demanda espontânea de cirurgias odontológicas, periodontia e atendimento PNE (Portadores de Necessidades Especiais), endodontia e próteses.

“Desde que iniciou suas atividades em outras gestões, o centro odontológico da SEMUS, necessitava de ajustes e não trabalhava com a sua capacidade total. Então, resolvemos reestruturá-lo e ampliar os serviços para que ele tenha condições de abranger a demanda a que se propõe; não apenas prevenindo e cuidando da saúde bucal de nossos usuários, mais também, ajudando a devolver sorrisos, alegria e autoestima das pessoas que forem atendidas ali”, ressaltou João Muricy, Secretário de saúde de Paço do Lumiar.

O CEO localizado na av. 12, no Maiobão, é uma dentre várias obras da Saúde, que vem sendo realizadas pela prefeitura de Paço do Lumiar, por intermédio das ações da SEMUS, com o objetivo de levar melhores serviços em saúde para população.

“Além do CEO, estamos com obras de recuperação total do CAP’s, adequações e ampliações no Centro de Especialidades Médicas do Maiobão – CEM, e também, em mais quatro UBS’s que vamos inaugurar em breve (Novo Horizonte, Copacabana, Mercês e Nova Vida), para servir estas comunidades e a toda população de Paço com mais atendimentos, maior qualidade e rapidez, uma determinação expressa da prefeita Paula”, assinalou João Muricy.

Por que dobram os sinos da Matriz

Arquivo Google

Por Nonato Reis*

Eu me lembro até hoje, quase meio século depois, daquele som grave, intermitente, anunciando a morte de Stanislau Muniz, um dos patriarcas da Família Muniz, em Viana. Stanislau, um sujeito de estatura mediana, cabelos e bigodes brancos e o olhar grave de quem parecia estar sempre chateado com alguma coisa, era proprietário da Quinta do Maracu, que em épocas remotas pertencera aos jesuítas da missão de Conceição do Maracu, marco inicial da colonização de Viana.

Os sinos da Matriz de Viana, que depois se tornariam parte do acervo histórico da cidade, vindos, ainda no século XIX, diretamente de Lisboa para a diocese local, constituíam elemento primordial do cotidiano da cidade. Além de anunciarem o falecimento de alguém importante, eram utilizados na comemoração de eventos festivos de cunho religioso, como as homenagens a Maria, mãe de Jesus, durante o mês de maio; para chamar os fiéis às celebrações eucarísticas, alertar sobre temporais e também marcar o tempo, a intervalos de três horas, contadas de acordo com as badaladas. Se meio-dia, hora do Angelus, por exemplo, 12 badaladas, e assim sucessivamente.

Caso o sineiro – aquele que opera o equipamento – errava o número de badaladas, isso poderia resultar em prejuízo para os moradores, que corriam o risco de perder algum compromisso importante, já que naquela época relógio de pulso era quase uma raridade.

Não havia como esquecer o som dos sinos da Matriz,  melodioso e penetrante. Por ocasião do falecimento de Stanislau, eu era ainda um menino recém-saído das fraldas, nada sabia sobre a linguagem dos sinos, mas, dentro de mim, aquele som ecoava como um lamento de dor e tristeza.

Pois é. Os sinos possuíam uma linguagem própria, cujos significados variavam conforme a quantidade de toques do badalo e a forma de badalar. Se o morto era do sexo masculino, três batidas prolongadas; se mulher, apenas uma. O chamamento para a missa era feito com batidas intermitentes, que lembravam o toque da harpa na execução de músicas de Natal.  De qualquer modo, para saber se um sinal de sino é alegre ou melancólico, basta prestar atenção no ritmo das badaladas. Se evento festivo, as batidas ocorrem uma após outra, em profusão; se triste, marcadas e prolongadas, como um lamento.

Do latim signum, que quer dizer “sinal”, “marca”, a história do sino se perde no tempo. Há relatos que a situam na China, ao redor do ano 3000 a.C, então concebido como objeto pagão. Assim o seu reconhecimento pela cristandade só ocorreria no decorrer do século II d.C, quando a Igreja Católica o adota com a finalidade de anunciar o Evangelho e chamar o povo para as assembleias.

O som de um bom sino é captado a quilômetros de distância. Os da Matriz de Viana eram ouvidos em povoados situados nos limites entre municípios, e bem mais no período das cheias, pela facilidade de propagação do som na água. Só para se ter uma ideia, na água a velocidade do som é quatro vezes maior do que no ar. Isso porque, comprimida, a água reage bem mais rápido que o ar, dada a sua elasticidade.

Os sinos da Matriz de Viana, pelo seu valor histórico e pela qualidade do som emitido, foi objeto de cobiça ao longo dos anos 70 e 80, tendo sido vendidos ao Estado, ilegalmente, numa operação comercial até hoje pouco esclarecida, o que motivou forte protesto da sociedade vianense e a deflagração de um movimento pelo seu resgate e retorno às origens.

Sebastião Furtado, ex-vaqueiro da Santa, em seu livro “História de um vaqueiro apaixonado” (título provisório), prestes a ser lançado, informa que, após grande repercussão e apelo da população, os sinos, enfim, voltaram para Viana e foram entregues à Justiça da cidade.  “Ficaram expostos no jardim da Prefeitura por certo tempo, e hoje encontram-se localizados no alto de um campanário de madeira, ao lado da  Igreja Matriz”. Para a felicidade e orgulho da população vianense.

*Jornalista/Escritor

Integra o livro de crônicas “Os sinos da Matriz”, previsto para 2021.

Cézar Bombeiro conclama o povo de São Luís para eleger o prefeito Eduardo Braide

O vereador Cézar Bombeiro retornou hoje a luta com bastante disposição, conclamando o povo de São Luís para eleger Eduardo Braide – Prefeito de São Luís. Ele se baseando que no primeiro turno Eduardo Braide teve a maioria de votos em todas as seções eleitorais, a tendência é que agora seja bem maior, em razão dos expressivos apoios que o candidato do povo vem recebendo.

Cézar Bombeiro destaca um aspecto importante, de que embora haja uma grande expectativa de vitória iminente, o candidato Eduardo Braide mantém uma importante serenidade e respeito aos adversários, o que tem se constituído fator determinante para o crescimento da sua candidatura em todos os segmentos sociais ludovicense, afirma o vereador.

“Daqui pra frente, a mobilização será cada vez mais acentuada com caminhadas, carreatas e bandeiraços, com o povo em busca de mudanças para abrir as portas da nossa cidade para o desenvolvimento responsável e democrático”, afirmou Cézar Bombeiro.

(Via Blog do Aldir Dantas)

Lascou de vez: Tesouro bloqueia FPM e TCE suspende contrato de mais de meio milhão em Viana

Após as eleições do último dia 15 de novembro, que elegeu Carrinho Cidreira para comandar os próximos quatro anos, a cidade de Viana recebeu duas notícias que marcarão o fim da gestão de Magrado Barros, derrotado nas urnas.

Prefeito Magrado Barros entrega gestão em janeiro

O Tribunal de Costa do Estado suspendeu um contrato de mais de meio milhão de reais e o Fundo de Participação do Município foi bloqueado pelo Tesouro Nacional. Segundo as informações, a empresa W&A Villefort Consultoria e Tecnologia Ltda. teve seu contrato suspenso com a prefeitura após fiscalização do tribunal.

A empresa faria uma avaliação econômico-financeira da folha de pagamento dos servidores municipais, bem como a concessão de crédito consignado em folha, mas foi barrado a pedido do Núcleo de Fiscalização do tribunal, que constatou diversas irregularidades no contrato, cuja valor é de R$ 513 mil.

Em uma decisão assinada pelo conselheiro Washington Oliveira, o TCE determinou que a Secretária de Administração da prefeitura, Arlene Barros, e a pregoeira, Maria Celma Ripardo, suspendam qualquer pagamento à empresa. Para completar, o município de Viana está desde o dia 16 deste mês com o Fundo de Participação do Município bloqueado.

O atual prefeito, Magrado Barros, ainda não se posicionou sobre os assuntos. Vejam os documentos…

(Com informações do Blog do Jailson Mendes)

Decisão – TCE- Viana-MA

Catálogo de mostra sobre pesca maranhense traz peças criadas por artesãos baixadeiros

MARANHÃO – O Centro Cultural Vale Maranhão lançou por meio do Selo CCVM Digital, o catálogo da exposição Choque, landruá, sucubé, munzuá… O Design da Pesca no Maranhão, que reuniu 120 peças criadas por 80 artesãos, de 41 municípios maranhenses, sete deles da região da Baixada Maranhense.

Foto: Divulgação.

Da região da baixada, o catálogo trás peças criadas por artesãos das cidades de Anajatuba, Cajari, Igarapé do Meio, Monção, Olinda Nova do Maranhão, São Vicente Férrer e Vitória do Mearim.

São redes, armadilhas, viveiros, itens de armazenamento e de transporte, além de remos e agulhas de tecer rede, com nomes que variam de região a região e funcionalidades adequadas ao tipo e à profundidade das águas para as quais foram criados.

A qualidade das peças, com sua concepção engenhosa e estética aprimorada, chamou a atenção da curadora do CCVM, Paula Porta. “Conforme fomos conhecendo melhor esse rico universo dos artefatos de pesca, percebemos que poderíamos colocar um holofote sobre essa produção, valorizando essa riqueza do patrimônio imaterial”.

O catálogo da exposição aponta a abundância das águas, doces e salgadas, do Maranhão como o contexto propício para o desenvolvimento dessa vasta produção de artefatos que se espalha por todo o estado, cujo Mapa Hídrico é um verdadeiro rendilhado.

“A exposição destaca e homenageia os artesãos e artesãs da pesca, que seguem produzindo, perpetuando tradições ou criando suas próprias soluções e formas, com apurado senso estético. A maioria desses artesãos também atua na pesca e, além do domínio do fazer artesanal, detém grande conhecimento sobre o meio-ambiente, assim como sobre os mitos e histórias associados às águas”, destaca Paula Porta.

As peças foram coletadas pelos pesquisadores do MAPEARTE, um extenso projeto de mapeamento do artesanato maranhense, que já passou por 70 cidades, buscando os artesãos em atividade e registrando seu trabalho com o objetivo de torná-lo mais conhecido e valorizado. O MAPEARTE foi iniciado em janeiro de 2017, sob coordenação de Paula Porta, conta com o apoio do Governo do Maranhão e o patrocínio da Vale. Até o momento, identificou 3.600 artesãos.

O CCVM disponibiliza ao público um catálogo com o nome, a foto, os contatos e as indicações sobre a produção de 515 artesãos da pesca, de 70 municípios, entre eles estão os criadores das peças expostas.

A intenção é incentivar as pessoas a ter contato com os artefatos, a fazer uso deles de diferentes e criativas maneiras e ajudar a divulgar e valorizar essa produção artesanal que está tão próxima, mas que às vezes se torna invisível e corre o risco de desaparecer, trocada por artefatos industriais. A curadora do CCVM enfatiza que “o contato com o artesão é sempre enriquecedor, pelo senso de observação, pela visão de mundo, pelos conhecimentos que em geral possui, vale à pena viajar por esses interiores encontrando essas pessoas e trazendo peças especiais”.

Para quem se interessa por design e decoração, para aqueles interessados em aprender mais sobre o universo da pesca ou sobre as técnicas construtivas dos artefatos, para os que gostam de artesanato e conhecimentos tradicionais e para que todos que amam as coisas do Maranhão, o catálogo da exposição é uma visita imperdível. (Agência Matraca).

Índice de renovação na Câmara de Vereadores de Viana é de 73%

Neste pleito, 4 vereadores foram reeleitos e 11 novos parlamentares vão ocupar uma cadeira na Câmara Municipal.

Foto: Divulgação.

VIANA – A partir do dia 1 de janeiro, a Câmara de Vereadores de Viana terá uma renovação de 73,33%, isso porque apenas quatro (4) dos vereadores de mandato foram reeleitos no município no último domingo, dia 15 de novembro.

Neste pleito, 11 novos parlamentares foram eleitos. Ao todo, o município de Viana tem 15 vereadores. O partido que mais elegeu vereadores foi o DEM, com 5 nomes, seguido pelo PL, com 3 vereadores. Veja a lista, por ordem de votação:

Júlio Marinho (DEM) – 839 votos

João de Marcos ( PL) – 805 votos

Valter Serra ( DEM) – 788 votos

Branco da Farmácia (DEM) – 748 votos

Rivalgênia Gonçalves (PSL) – 736 votos

Meirinha (PDT) – 660 votos

Missô do Galeto (PL) – 643 votos

Armandinho ( DEM) – 614 votos

Lauryfrancy Gomes ( DEM) – 603 votos

Merval Castro ( PC do B) -592 votos

Dorivan Mendonça (PT) – 567 votos

Lourival Gomes (PDT) -517 votos

Markelio Vareta ( PC do B) – 513 votos

Irmão Valdinho (PL) – 485 votos

Gutemberg Moraes (PSDB) – 261 votos

Dessa lista, apenas quatro foram reeleitos na Câmara Municipal de Viana. E são eles:

João de Marcos ( PL)

Valter Serra (DEM)

Branco da Farmácia (DEM)

Irmão Valdinho (PL)

Representatividade Feminina

A bancada feminina será um pouco maior na Câmara de Viana a partir do ano que vem. Em 2016, apenas uma mulher foi eleita, já nas eleições municipais 2020, três mulheres vão representar os vianenses na Câmara. São elas:

Rivalgênia Gonçalves (PSL)

Meirinha (PDT) Lauryfrancy Gomes (DEM)

(Fonte: Portal Matraca)

Metade do eleitorado do Maranhão é feminino, mas só 21% dos prefeitos eleitos são mulheres

Dados sobre o perfil do eleitorado maranhense e de candidatos eleitos apresenta disparidade no estado.

Um panorama das estatísticas sobre eleitores e postulantes nas eleições 2020 no Maranhão mostra que o perfil do eleitorado e dos candidatos eleitos possui uma grande disparidade em relação a gênero e raça. Os dados são do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Segundo o IBGE, no Maranhão, 50,4% do eleitorado é composto por mulheres, e os outros 49,6% são homens. De acordo com o TSE, apenas 21,6% dos prefeitos eleitos no primeiro turno das eleições no estado deste ano são mulheres. Isso significa que, a cada 10 prefeitos eleitos, apenas dois foram do sexo feminino.

Quando comparada a cor da população maranhense com a cor dos prefeitos eleitos no Estado, verifica-se uma disparidade: 76,5% dos eleitores do Maranhão são pretos ou pardos, mas o percentual de prefeitos declarados pretos/pardos ficou abaixo: 57,6%.

O eleitorado branco maranhense é de 21,9%, enquanto o percentual de prefeitos brancos eleitos é de 41,9%. Em todo o país, pouco mais de 32% dos prefeitos eleitos em primeiro turno nas eleições 2020 são negros, categoria que engloba pretos e pardos.

É uma proporção ainda distante dos 56% que esse grupo representa na população brasileira, mas é um avanço: nas eleições municipais de 2016, os prefeitos negros somaram 29,2%.

G1-MA