Viana Feliz patrocina “Boi Passa Fogo”

O empresário Júnior Linhares (Viana Feliz), deu mais uma prova de amor ao município de Viana, ao apoiar a brincadeira de São João mais aguardada da Cidade dos Lagos: o Boi Passa Fogo.

A tradição tipicamente vianense acontece nesta quinta-feira, 28, véspera de São Pedro, e atrai uma multidão de algozes, devidamente protegidos, que vão literalmente torrar o novilho comandado pelo “boa praça” Zé de Betrone.

Zé de Betrone comanda os últimos preparativos para a apresentação do Boi Passa Fogo

Em Viana já está tudo pronto para a festança, cuja concentração será na Praça de São Benedito, a partir das 9h, e deve percorrer as estreitas ruas de pedra da cidade, no escuro e sob uma intensa chuva de fogos, entre eles, bombas, foguetes, busca-pés e carretilhas.

Leia abaixo artigo da Academia Vianense de Letras sobre a história da brincadeira.

Bumba-meu-boi sob fogo cruzado

Em Viana, uma tradição singular do Bumba-boi resiste por mais de um século

Luiz Alexandre Raposo*

É na noite de 28 de junho, véspera de São Pedro, que a cidade de Viana se torna palco de um inusitado e interessante espetáculo, envolvendo a figura do animal tão festejado no mês. Conhecida pela população local como “passar fogo no boi”, a farra anual consiste em fazer chover uma verdadeira torrente de fogos sobre o dorso do animal, enquanto todos dançam sob o ritmo frenético das matracas.

Não se sabe ao certo a origem da brincadeira. Difícil também definir quando tudo começou. Os registros mais antigos sobre essa tradição do Bumba-boi vianense remontam ao início do século passado. O médico e escritor Salvio Mendonça (1892-1970), no livro de memórias “História de um Menino Pobre,” assim se refere a essa peculiaridade folclórica de sua terra natal:

“Em Viana, o Bumba-meu-boi tinha outro apreço, era a passagem do boi pelo Canto Grande, entre saraivada de busca-pés, foguetes, carretilhas e bombas, de fabricação do velho Rocha. O boi mais famoso de Viana era o do Valentim. Eram feitas as apostas para a passagem do boi pelo Canto Grande, cruzamento das Ruas Grande e Padre Hemetério. O valor da aposta era um barril de cachaça. O boi vinha completamente molhado para resistir ao fogo. Os negros, também molhados, vinham descalços, para facilidade nos pulos. Os rapazes se ajuntavam nas esquinas, municiados, e quando o boi do Valentim chegava ao Canto Grande, era cercado pela frente, retaguarda e lados, entre o estrondar das bombas, foguetes, busca-pés e carretilhas, o que constituía bombardeio de muitas horas. Se o grupo do bumba-meu-boi resistia até se esgotarem os fogos, levava o barril de cachaça. No fim da brincadeira, ficava sempre queimado algum dos batalhadores.”

Travassos Furtado (1912-1990), outro famoso memorialista vianense, também descreve o pitoresco folguedo que tanto encantou sua juventude.

“Após percorrer grande parte da cidade, dançando à porta dos homens de maior projeção de Viana, o boi se prepara, agora, para descer a Rua Grande, a fim de aceitar o desafio dos lançadores de fogos. Antes, porém, retiram-lhe o rico lombo, e assim todo encharcado de água, inicia a caminhada em direção a um trecho estreito daquela rua, entre o chamado Canto Grande e a pequena praça do antigo mercado. Já a essa altura a turma do fogo estava preparada, aguardando apenas o momento de entrar em ação.

Começa, então, a travessia perigosa. Protegido por homens corajosos, que se lançam à frente, aos gritos estridentes, o boi desce vagarosamente, entrando aos poucos, na zona de fogo. E a grande batalha tem início, sob a expectativa da população.

Espetáculo impressionante. Uma chuva de foguetes, carretilhas e busca-pés, com estouros aterradores, cai sobre os brincantes, partindo de todos os lados. O boi e os vaqueiros ficam durante alguns minutos dentro de um verdadeiro círculo de fogo. A luta dura, às vezes, mais de uma hora, e só termina, realmente, quando se esgota a munição. Mas a vitória pertence, quase sempre, ao boi.”

Com o passar dos anos, a brincadeira trocou o antigo Canto Grande por um trecho estratégico da Rua Dom Hamleto de Angelis. Antes, porém, há uma concentração na Praça de São Benedito, marcada para as 20 horas. À meia-noite, seguido por extensa fileira humana, o boi deixa a praça para descer a Rua Grande. No ponto de estrangulamento já o aguarda grande multidão, ansiosa por começar a batalha de bombas, estrepa-moleques, besouros e carretilhas (os busca-pés foram proibidos). São quase três horas de queima de fogos, estouros e muita fumaceira.

Por sua vez, de tanto ser queimado, o boi também adquiriu uma certa imunidade. Hoje, fabricado especialmente para esse fim, possui uma armação mais resistente ao calor. E em vez de um só, são quatro os brincantes que se revezam embaixo dele, enquanto dura a árdua batalha.

Uma vantagem do boi vianense é que o modelo utilizado na Baixada é mais corpulento do que o protótipo adotado em São Luís ou outras regiões do Estado. Esse detalhe favorece maior proteção, na hora do fogaréu, para quem o leva nas costas. Embora continue entrando na zona de fogo previamente encharcado, o boi também conta, atualmente, com a benevolência de seus algozes. Além de lhe permitirem novos banhos de balde no meio do percurso, em determinados momentos entra em cena um secretário para abanar sua face com uma toalha, evitando assim que a fumaça o sufoque completamente.

José Ribamar Vieira (59 anos), o popular Catarrinho, é um dos heróis e principais incentivadores da festa. Encarregado de encomendar a munição de fogos aos fabricantes, ele ainda dança debaixo do boi há vários anos. Apesar das queimaduras inevitáveis do ofício, diz ter o maior prazer em participar do folguedo: “É um costume muito antigo. Meu avô, Raimundo Paixão, era patrão do boi e não perdia a brincadeira. Recebo cem reais pelo trabalho, mas faço tudo de graça se preciso for, para que essa tradição não desapareça nunca do nosso São João”- afirma entusiasmado.

A julgar pelo crescente número de adeptos da folia junina em Viana, nos últimos anos, Catarrinho pode ficar despreocupado. Em 2003, incluindo as caravanas vindas dos municípios vizinhos, estimou-se a presença de 5.000 brincantes e foram queimadas duzentas dúzias de carretilhas. Para este ano, os organizadores já encomendaram quinhentas dúzias. A farra de passar fogo no boi, no próximo dia 28, portanto, promete esquentar!

*Luiz Alexandre Raposo ( Acadêmico da Academia Vianense de Letras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *