Empresários no Maranhão apontam estratégias para faturar, mesmo com lockdown

O G1 Maranhão também ouviu empresas de consultoria sobre os desafios e ideias para evitar a falência e manter o negócio durante o distanciamento social.

 G1 MA — São Luís

Durante a pandemia do novo coronavírus, empresários de todo o país vivem o desafio de manter o negócio vivo em tempos de distanciamento entre empresa e clientes. Na grande São Luís, o lockdown amplia essa dificuldade de vender, apesar de ser uma medida necessária para conter o avanço do vírus.

Dentre inovação e redução de custos, emprendedores e especialistas no Maranhão citam várias estratégias para não acabar em falência.

Hildenê Maia, gerente de gestão de atendimento e relacionamento com clientes do Sebrae, aponta a falta de planejamento como grande causa para falências e demissões.

“No Maranhão, a redução do faturamento e dos lucros, além do aumento de endividamento e não utilizar sistemas tecnológicos adequados para atender seus clientes são causas que podem ter levado a falência. Como forma de prevenção, o primeiro passo é ajustar o planejamento da empresa. Se faz necessário otimizar custos, revisar contratos com fornecedores, negociar dívidas, buscar alternativas de crédito e investir na presença digital do seu negócio”, explica.

José Júnior, sócio investidor da empresa de consultoria Thalamus, já indica como fator para o fim de uma empresa a falta de um modelo de negócio sólido que suporte crises.

“A falência com menos de 90 dias tem forte relação com o modo de gerenciamento e entrega de valor do negócio antes da pandemia, que trouxe o isolamento social e paralisação das atividades da grande maioria dos negócios por não estarem com seus modelo de negócios desenhados para coexistir no mundo físico e digital”, conta.

CONTINUE LENDO:

Magrado passa “rede de arrasto” na barra do Sol

O prefeito de Viana, Magrado Barros, voltou a mandar apreender peixes de vendedores nesta quarta-feira, 13. Vídeos encaminhados ao Blog do Jailson Mendes mostram a situação de total desrespeito com os que sobrevivem da venda de pescados no município.

Na terça-feira (12) o gestor tinha baixado um decreto limitando a venda de peixes na feira da Barra do Sol, como medida de combate ao Coronavírus, mas não surtiu efeito e vendedores tiveram que continuar vendendo os pescados na frente da feira.

Com isso, a Polícia Militar foi chamada e apreendeu diversos peixes que estavam sendo vendidos em carros de mãos pelos feirantes. Pelos vídeos podemos ver a ação da polícia, a mando de Magrado, segundo colheu esta página, o que causou indignação por parte dos moradores e dos consumidores.

Esta não é a primeira vez que feirantes têm seus produtos apreendidos. Desde o início da atual gestão, ações como essas estão se tornando cada vez mais frequentes.

Em abril, Magrado distribuiu alguns kits para famílias carentes de Viana, divulgado como sendo cestas básicas, cuja única proteína era, pasmem, uma sardinha enlatada. Agora, Macho Velho pegou de volta, o cardume todo. (Com informações do blog do Jailson Santos)

Viana – Depois de várias execuções, até de guardas municipais, Polícia Civil prende Cel Ferreira, acusado de chefiar grupo de extermínio no município

A Polícia Civil do Maranhão prendeu, na manhã desta quarta-feira, 13, o tenente coronel Antônio José Ferreira, conhecido como “Coronel Ferreira”, acusado de chefiar uma organização criminosa, especializada em extermínios e assaltos, que agia há alguns anos na região de Viana, Matinha, Penalva e cidades vizinhas. Foi preso, também, o cabo Anderson Moureth Azevedo, apontado como braço direito de Ferreira.

Coronel Ferreira fardado acusado de chefiar a organização criminosa e o cabo Anderson Moureth seu braço direito

Composto por policiais militares e guardas municipais da região, o grupo de extermínio, segundo apurou o blog , é responsável, também, pela execução de vários guardas municipais, ao longo de dois anos, por ‘queima de arquivo’. As investigações sobre a organização criminosa iniciaram há cerca de dois anos, ainda com a delegada Nilmar da Gama Rocha, que à época estava como assistente da Delegacia Geral de Polícia, da Secretaria da Segurança Pública.

Nilma Gamar intensificou o trabalho e conseguiu prender cerca de 15 integrantes da milícia. No entanto, sofreu um acidente e teve que se aposentar, deixando as investigações em andamento com a SECCOR (Superintendência de Combate à Corrupção), que prosseguiu as apurações; desta feita, direcionadas aos chefes da organização criminosa.

Na manhã de hoje, a SECCOR, finalmente, conseguiu prender o chefe da organização criminosa, o ‘Coronel Ferreira’, e seu braço direito, o cabo Anderson Moureth. Este foi preso em São Luís, enquanto o comandante da milícia foi capturado em Viana e será transferido para a Secretaria da Segurança, em São Luís. O Tenente Coronel Antônio José Ferreira foi comandante do Destacamento de Viana até o ano de 2015.

Há informações, não confirmadas por, de que o grupo estaria planejando uma nova execução, além das várias que fez ao longo dos anos, incluindo o assassinato de alguns guardas municipais. Estes foram mortos quando as investigações da delegada Nilmar vieram à tona. Na iminência do desbaratamento da quadrilha, diante da pressão e até prisão de guardas, a organização criminosa decidiu executar alguns deles.

Os crimes tiveram grande repercussão na Baixada Ocidental Maranhense. Ferreira foi candidato a prefeito nas eleições passadas em Viana pela Rede Sustentabilidade. Fonte: Jornal Pequeno