O mais novo Doutor da AVL: o acadêmico José Raimundo Campelo Franco e sua Pesquisa

Quem acabou de obter o grau de doutor foi o acadêmico José Raimundo Campelo Franco. Sua pesquisa de tese final intitulada como “Os piquenos da Baixada Maranhense  — Subsídios para geografias outras do lugar” conclusa pela Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense foi orientada pelo Prof. Dr. Jader Janer Moreira Lopes (Universidade Federal de Juiz de Fora) e reúne um conjunto de abordagens que englobam um resgate histórico sobre as crianças maranhenses, que, por fim, cruzam com os porquês das nossas chamativas de piquenos serem designadas às crianças.

Noutros ramos do trabalho de Franco, o novo doutor discute outras formas de se praticar as geografias escolares e de conceber as paisagens dos campos naturais baixadeiros, trazendo para debates, o experimento do Atlas Municipal de Viana (recurso didático criado por ele mesmo), as artes de pinturas e desenhos elaborados pelas crianças, assim como as próprias criações e brincadeiras infantis na “beira do campo” como incidentes cotidianos do divertido lúdico destes atores sociais na suntuosa região natural, onde o pesquisador reuniu um grupo de meninos e meninas do bairro São Benedito.

Franco promete trazer para os vianenses, muitas outras derivadas projeções em forma de livros para popularização destas construções alcançadas no doutorado. A AVL aproveita para brindar esta brilhante conquista que engrandece a ciranda cultural da nossa Veneza Maranhense.

Em outro trabalho (uma obra coletiva), Franco produziu um capítulo de livro com a temática “A Baixada Maranhense e suas interfaces de planícies e águas”. O texto é parte de uma grande produção organizada pelo Arqueólogo Alexandre Navarro (Universidade Federal do Maranhão) e traz como tema: “Civilização Lacustre e a Baixada Maranhense — Da pré-história dos campos inundáveis aos dias atuais”, levantamentos historiográficos que trazem continuidades aos legendários trabalhos do saudoso geógrafo vianense Raimundo Lopes.

No capítulo cinco, onde está a participação de Franco, as discussões se voltam para o reconhecimento da região ecológica da Baixada Maranhense obedecer às espacialidades distintas entre as planícies e seus conjuntos hidrográficos, fazendo-nos entender a confusa distribuição espacial disposta por lagos, campos inundáveis e as terras firmes.

José Raimundo Campelo Franco

Cadeira nº 32

Patrona: Benedita Balby

Fonte: Portal da AVL

Congresso Nacional decreta luto de três dias por mortes por covid-19

Expectativa é que país ultrapasse hoje a marca de 10 mil mortes

Brasília 60 Anos – Congresso Nacional

O Congresso Nacional está em luto de três dias, em razão de o número de óbitos oficiais do novo coronavírus (covid-19) que deve atingir a marca de 10 mil mortes no país. O decreto prevendo o luto foi publicado em edição extraordinária do Diário Oficial do Congresso Nacional de hoje (9).

O ato conjunto foi anunciado pelos presidentes das duas casas, Rodrigo Maia (Câmara) e Davi Alcolumbre (Senado). Por meio de nota, ambos informaram que a bandeira nacional localizada em frente ao Congresso ficará hasteada a meio-mastro a partir das 14h.

Também em nota, o Senado informa que, conforme prevê o ato conjunto 2/2020, ficam proibidas quaisquer celebrações, comemorações ou festividades enquanto durar o luto. “É uma tragédia que nos devasta mais a cada dia. Este Parlamento, que representa o povo e o equilíbrio federativo desta nação, não está indiferente a este momento de perda, de tristeza e de pesar. A situação que estamos vivendo é lamentavelmente singular”, diz a declaração conjunta de Maia e Alcolumbre.

No documento, os dois presidentes do Legislativo pedem a todos que mantenham as recomendações das autoridades de saúde, visando a diminuição do ritmo de contágio da doença. O Brasil é o sexto país com maior número de mortes causadas pelo covid-19, com 9,897 mil óbitos registrados oficialmente até às 13h30 da tarde deste sábado.

O país só fica atrás da França (26,18 mil), Espanha (26,25 mil), Itália (30,2 mil), Reino Unido (31,24 mil) e Estados Unidos (69,88 mil).

Em relação ao número de casos confirmados, o Brasil ocupa a 9ª posição no ranking mundial da Organização Mundial da Saúde (OMS), com 135,1 mil. Acima do país estão Turquia (135,56 mil), França (136,57 mil), Alemanha (168,55 mil), Rússia (198,67 mil), Reino Unido (211,36 mil), Itália (217,18 mil), Espanha (222,85 mil) e Estados Unidos (1,24 milhão). (Agência Brasil)