Em época de Coronavírus, a saúde da Prefeitura de Viana vai muito bem: a financeira!

Em menos de três meses, o município de Viana recebeu do Governo Federal, o total de R$ 2.470.195,15 (dois milhões, quatrocentos e setenta mil, cento  e noventa e cinco reais e quinze centavos).

As transferências federais para os cofres municipais são destinadas a apenas quatro ações de saúde: piso de atenção básica em Saúde, atenção à saúde da população para procedimentos em média e alta complexidade, incentivo para a vigilância em saúde e para o programa farmácia básica. Além desta quantia, existem outros repasses recebidos pela Administração Municipal, como os efetuados ao Fundo Municipal de Saúde que, até 29 de fevereiro deste ano, recebeu 82 mil e 94 reais.

O prefeito de Viana, Magrado Barros (DEM), gastou quase 1 milhão de reais com o Carnaval – em torno de 883 mil reais – por achar que é mais importante que as pessoas se esbaldem na farra do que ter água, iluminação, ruas e estradas vicinais com qualidade. A Saúde, porém, é obrigação prevista pela Constituição.

Saúde precária

É inadmissível que Viana tenha um Centro Cirúrgico, mas impedido de realizar cirurgias porque a gestão Magrado não consegue que os procedimentos sejam feitos dentro dos padrões exigidos pela Vigilância Sanitária. O município  possui um complexo  hospitalar  mantido  com recursos do Ministério da Saúde, responsável pelo atendimento de 11 municípios que compõem o polo de Viana. Mas a estrutura é precária, sem quadros de médicos especialistas nas áreas de Obstetrícia, deficitário  em Pediatria, sem UTI neonatal e com as incubadoras  adquiridas, mas jamais utilizadas. A saúde é também um dos setores mais afetados pela administração do prefeito cuja popularidade permanece na UTI, sem sinais de recuperação. Nos últimos dias, uma parturiente em Viana sofreu um traumatismo no momento do parto por imperícia dos profissionais do plantão e precisou vir a São Luís para fazer a reconstrução da vagina. O caso foi abafado e divulgado apenas nas redes sociais.

Com quase 2 milhões de meio de reais nos cofres públicos, a Prefeitura de Viana não consegue nem oferecer serviços satisfatórios de saúde pública e, menos ainda, ser transparente no uso dos recursos. As informações são do Portal da Transparência do Governo Federal, que integra e apresenta dados de diversos sistemas utilizados para gestão financeira e administrativa, objetivando promover transparência da gestão pública, além de instrumentalizar a sociedade para a realização do controle social.

Em época de pandemia do coronavírus, é fundamental que se tenha acesso aos estes dados para cobrar o cumprimento das políticas públicas de saúde aos administradores.

Bispo de Viana recomenda brevidade em missas e emite orientações para as paróquias da região contra o Coronavírus

O bispo da Diocese de Viana, Dom Evaldo Carvalho, emitiu um documento com orientações aos padres e demais responsáveis pelas paróquias da região. No decreto assinado nesta terça-feira, o sacerdote emitiu também recomendações contra o novo Coronavírus.

Bispo de Viana, Dom Evaldo

Para fazer o documento, o bispo levou em consideração as orientações advindas da área da saúde pública em esferas Federal, Estadual e Municipal, bem como o esforço concentrado contra a proliferação do vírus COVID – 19 e as declarações da presidência da CNBB, que recomendou atenção e consideração irrestrita às orientações dos especialistas de saúde e autoridades competentes.

Ele suspendeu todos os eventos que favoreçam o aglomerado de pessoas, a saber: qualquer espécie de reuniões, catequese, encontros, assembleias, retiros, eventos pastorais, grupos de oração, círculos bíblicos, visitas missionárias, festas de padroeiros e procissões, além de pedir que o padre busque meios de transmitir as missas pela internet, rádio ou tv.

Ainda segundo o documento, ‘as igrejas precisam se manter limpas e com portas e janelas abertas para a oração pessoal dos fiéis, dispondo em suas entradas o necessário para a devida higienização, a saber: desinfetante para ambientes, álcool gel, papel toalha e lixeirinha fechada para o papel usado, além de trazer orientações para que os fieis mantenham o dízimo para que as paróquias e comunidades assumam seus compromissos financeiros.

“Estas medidas e orientações são de caráter provisório, podendo ser mantidas ou alteradas conforme as circunstâncias exigirem. Enquanto isso ficamos acompanhando e avaliando a evolução do surto e as orientações dos órgãos oficiais de saúde pública. Contudo, não deixemos de elevar a Deus, preces e súplicas, pela recuperação dos contaminados e pelo descanso eterno dos que morreram vítimas dessa pandemia”, concluiu Dom Evaldo.

As medidas adotadas começarão a vigorar a partir do dia 21 deste mês. Vejam o documento na íntegra.

Bispo de Viana-MA

(Via Blog do Jailson Mendes)