Casarão histórico é restaurado em Viana

Depois de vários anos de abandono, um casarão histórico ressurge e volta a encantar a comunidade que trafega na Rua Antônio Lopes, via estreita e calçada de pedras, em Viana, na Baixada Maranhense.

O conhecido “Casarão do Ananias” passou por restauro e hoje é exemplo raro de revitalização do patrimônio arquitetônico da Cidade dos Lagos.

Abaixo um registro de dois acadêmicos da Academia Vianense Letras (AVL) Geraldo Costa (autor das fotos) e do jornalista, pesquisador e escritor, Luiz Alexandre Raposo.

“Ontem registramos a recuperação de um dos mais belos exemplares do nosso casario, conhecido como “Casa de Ananias”, hoje de propriedade do querido Dr. César Lindoso, vianense apaixonado pela sua “terra abençoada”, mostrando um exemplo de consciência cultural e preservando esse belíssimo prédio na sua originalidade.

Dr. Cezar Lindoso e sua esposa, Gisele

Exemplo este que, como outros vianenses, deixam um legado para os proprietários do acervo histórico, da importância da preservação. Não se trata só de um belo prédio, mas de uma rica história que temos o dever de transmitir para as futuras gerações.

Desta forma deixo meus agradecimentos ao conterrâneo Dr. César Lindoso, pela sensibilidade e acolhida na sua aprazível residência”.

Geraldo Costa

Viana – Maranhão – Brasil

31/08/2019.

 

Um pouco da história desse prédio.

Residência do Sr. Ananias Castro

Por: Luiz Alexandre Raposo.

Situada ao lado da casa do Sr. Estrelinha, foi palco de memoráveis saraus dançantes e bailes carnavalescos. É uma das residências mais belas entre tantas que existiram em Viana e, por felicidade, uma das poucas que resistiram ao tempo e à mão destruidora do homem, chegando praticamente intacta aos nossos dias.

Com entrada lateral por um portão que dá acesso a um belo jardim, janelas amplas com grades e vidraças, essa casa sempre chamou a atenção por seu aspecto imponente e senhorial. No passado, ali residia o Sr. Joaquim Inácio Serra, pai do grande Astolfo Serra. Quando o padre visitava Viana hospedava-se com o seu genitor. Tempos depois, o imóvel passou para a propriedade do telegrafista, Amâncio de Aquino (autor da letra do Hino Vianense), que também residiu ali com a família. Nesse mesmo período, o prédio serviu de sede, por vários anos, para o Correio e Telégrafo de Viana.

Governo reduz de R$ 1.040 para R$ 1.039 previsão para o salário mínimo em 2020

Está prevista correção só pela variação da inflação de 2019. Com preços subindo menos, mínimo também terá alta menor. Redução representa R$ 300 milhões em gastos públicos.

Arquivo Google

A proposta de orçamento para o ano de 2020, divulgada nesta sexta-feira (30) pelo Ministério da Economia, prevê aumento do salário mínimo dos atuais R$ 998 para R$ 1.039 a partir de janeiro do ano que vem – com pagamento em fevereiro.

O valor está abaixo da previsão anterior, feita em abril, de que o salário mínimo avançaria para R$ 1.040 em 2020.

A explicação é que o governo previu a correção do salário mínimo do próximo ano apenas pela variação da inflação de 2019 – que, por conta do fraco ritmo de crescimento da economia, está menor do que a estimativa feita em abril.

A previsão do governo para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de 2019 ficou em 4,02%. Ao prever, em abril, salário mínimo de R$ 1.040 para o ano que vem, a previsão era de que a variação do INPC fosse de 4,19% neste ano.

Mesmo assim, essa será a primeira vez que o salário mínimo, que serve de referência para mais de 45 milhões de pessoas, ficará acima da marca de R$ 1 mil.

Sem aumento real

O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, afirmou que a definição do valor do salário mínimo de 2020 com a correção somente pela inflação, sem aumento real, não representa, necessariamente, que essa será a política do governo para os próximos anos.

“Esse número não é a nossa política de salário mínimo. Temos até dezembro desse ano para estabelecermos a política de salário mínimo”, disse.

A política de aumentos reais (acima da inflação) vinha sendo implementada nos últimos anos, após ser proposta pela então presidente Dilma Rousseff e aprovada pelo Congresso.

Os reajustes pela inflação e variação do PIB vigoraram de 2011 a 2019, mas nem sempre o salário mínimo subiu acima da inflação.

Em 2017 e 2018, por exemplo, foi concedido o reajuste somente com base na inflação porque o PIB dos anos anteriores (2015 e 2016) teve retração. Por isso, para cumprir a fórmula proposta, somente a inflação serviu de base para o aumento.

Economia de R$ 300 milhões

Cálculo feito pelo G1 mostra que, ao propor um salário mínimo R$ 1 menor do que o estimado anteriormente, o governo vai economizar cerca de R$ 300 milhões no próximo ano.

Isso porque os benefícios previdenciários não podem ser menores que o valor do mínimo. De acordo com cálculos oficiais do governo, o aumento de cada R$ 1 para o salário mínimo implica despesa extra de, no mínimo, R$ 300 milhões.

(Por Alexandro Martello, G1 — Brasília)

SOS Baixada Maranhense. Moradores interditam e pedem recuperação imediata da MA-014 na cidade de Viana

Moradores da cidade de Viana interditaram a MA-014 na altura do povoado Bacurizeiro. Os protestos iniciaram desde as 6 horas da manhã.  Alguns trechos da estrada já foram recuperados pela Sinfra, porém os trabalhos estão muito lentos e irritaram a comunidade, por conta da poeira e buracos. Eles exigem a presença de um representante da Secretaria de Estado da Infraestrutura.

Pneus foram incendiados e apenas ambulâncias e alguns veículos estão passando no bloqueio.

A MA-014 é a principal via da Baixada Maranhense e liga o município de Vitória do Mearim a Pinheiro. Tem uma extensão total de 180 km. Devido as fortes chuvas deste ano, a estrada ficou bastante danificada e alguns trechos estão intrafegáveis.

Semana passada, moradores de São Bento também se manifestaram e bloquearam uma área da rodovia, que só foi liberado depois que um representante do governo do Estado informar que os serviços de recuperação iniciariam nos próximos dias.

(Com informações do Blog do Jailson Mendes)

Vejam os vídeos…

Magrado decepciona autoridades sem público na inauguração de obra do governo

Não adiantou a propaganda da Prefeitura, com agência contratada por meio milhão de reais, tentar divulgar a inauguração de uma fábrica de bloquetes, nesta quinta (29), às 9h, como se fosse obra municipal. A população não deu ouvidos a mais um “feito” anunciado pelo Executivo municipal.

A cerimônia foi um fiasco. O prefeito de Viana, Magrado Barros (DEM), passou por enorme constrangimento diante de autoridades do Governo Flávio Dino, que vieram pessoalmente a Viana para o evento, entre eles o secretário-chefe da Casa Civil e aliado, Marcelo Tavares (PSB) e o secretário de Estado da Administração Penitenciária, Murilo Andrande.

Na falta de grandes obras a serem anunciadas, Magrado tem feito contorcionismo na sua assessoria de comunicação para mostrar ao povo vianense algo que de sua administração. A “fábrica” – assim como a Feira da Barra do Sol – não é uma obra com recursos próprios do município. Além disso, apenas representa o cumprimento da Lei de Execução Penal 7210/ 84, criada para que o apenado cumpra a pena a ele imposta por meio do trabalho, com reinserção no mercado, objetivando também dar resposta à sociedade ao colocar o preso em situação de trabalho produtivo.

O Maranhão já tinha três fábricas como esta. Agora são quatro. Os blocos de concreto serão produzidos por internos do Sistema Penitenciário, no caso, detentos da APAC, e essa produção será usados para pavimentar ruas de bairros da cidade. Viana, como se sabe, tem a pior taxa de urbanização do Maranhão, segundo o IBGE, apenas 0,5%. Os buracos na cidade já causaram este ano até a morte de um motoqueiro.

Insalubridade – Além da falta de público presente ao evento, um detalhe chamou atenção de curiosos que foram até o local. Os equipamentos expostos pela Prefeitura para o início das atividades na fábrica apresentavam ferrugem e gambiarras: um risco à saúde dos presos. Houve quem fizesse até piada de que a data de fabricação das máquinas era do tempo em que Sarney foi governador.

Durante a inauguração, nenhuma das autoridade presentes anunciou quando o problema da falta d’água em Viana será resolvido. A promessa já tem quase o tempo de mandato do prefeito. Magrado se diz “macho”, mas “velhos” são os problemas do município.

Eleito para bater boca

O ‘kkkkk’ de Bolsonaro é perfeitamente aplicável a quem quer transformar o país num galinheiro

Arquivo Google

Rui Castro*

Um colega português me perguntou o que, para um jornalista brasileiro, significa ter Bolsonaro como presidente. Respondi que Bolsonaro é um desastre sob todos os pontos de vista, menos um —o do jornalismo. Ele é uma infindável notícia. Todos os dias, em vez de ficar em seu gabinete tratando dos graves problemas do país, faz o contrário. Cria mais problemas.

Vai para a porta do Planalto e, diante de apoiadores laçados para aplaudi-lo, bate boca com os repórteres encarregados de acompanhá-lo. Ele mesmo provoca o assunto e, quando perguntado, devolve uma verborragia recheada de solecismos, escatologias e palavrões. Os jornalistas têm mantido até agora uma impecável postura profissional —aguentam os insultos e, quando se dirigem a Bolsonaro, o fazem de maneira protocolar, como deve ser. Mas quase posso ver a hora em que um deles, farto, o mandará à merda. E sabe o que irá acontecer? Nada.

Bolsonaro rebaixou a fala presidencial a tal nível de botequim de última categoria —com todo respeito pelos queridos botequins de última categoria— que não poderá se sentir desrespeitado. Como não tem ideia de educação ou etiqueta presidencial, achará normal receber de volta um desaforo semelhante aos que despeja contra todo mundo. É o que faz também com as mensagens que arrota no Twitter com sua opinião —ou as que covardemente reproduz, como fez com a que ofendia a primeira-dama da França, concordando com seu conteúdo e acrescentando o cafajeste “kkkkkkkkkk”. ​

Até há pouco, no Brasil, a representação gráfica do ato de rir era “Ah, ha, ha!” —uma risada máscula, grave, sonora. Ultimamente, passou-se a usar “kkkkkkkkkk”, cujo som lembra mais um cacarejo, um espasmo galináceo, indigno de um povo que já produziu Machado de Assis, Nelson Rodrigues, Guimarães Rosa.

Mas perfeitamente aplicável a um presidente que quer transformar seu país num galinheiro.

*Jornalista e escritor, autor das biografias de Carmen Miranda, Garrincha e Nelson Rodrigues.

Brasil atinge 210 milhões de habitantes, diz IBGE

População cresceu 0,79% em relação a 2018. Maior alta ocorreu em Roraima, de 5%. 1 em cada 3 brasileiros mora em 48 municípios com mais de 500 mil habitantes.

Parque Ibirapuera, em São Paulo, capital do estado mais populoso do país — Foto: Renato S. Cerqueira/ Futura Press/Estadão

Por G1

A população brasileira foi estimada em 210,1 milhões de habitantes em 5.570 municípios, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A estimativa com o total de habitantes dos estados e dos municípios se refere a 1° de julho de 2019 e foi publicada no “Diário Oficial da União” desta quarta-feira (28).

O número representa um aumento de 0,79% na comparação com a população estimada do ano passado. Em 2018, o IBGE estimou um total de 208,5 milhões pessoas.

O estado de Roraima teve o maior aumento populacional, de 5,1%. Ano passado, a população estimada lá era de 576,5 mil habitantes, e este ano chegou a 605,7 mil — mais 29,1 mil pessoas. Segundo o IBGE, Boa Vista também foi a capital com maior taxa de crescimento no último ano: 6,35%.

Roraima, que faz fronteira com a Venezuela, tem vivido uma onda de chegada de imigrantes venezuelanos devido à crise econômica, política e social no país vizinho. Apesar de ter registrado o maior aumento percentual, Roraima continua sendo o estado menos populoso, com 605,8 mil habitantes (0,3% da população total).

São Paulo permanece na frente como a unidade da federação com mais habitantes: 45,9 milhões de pessoas, concentrando 21,9% da população do país. Ano passado, a população paulista era de 45,5 milhões. Este ano, aumentou em mais 380,1 mil pessoas — ou 0,8%.

Segundo o IBGE, 66,5 milhões de brasileiros (31,7% ou cerca de 1 em cada 3) moram em 48 municípios com mais de 500 mil habitantes.

As estimativas populacionais são um dos parâmetros utilizados pelo Tribunal de Contas da União para o cálculo do Fundo de Participação de Estados e Municípios e são referência para vários indicadores sociais, econômicos e demográficos. Continue lendo.

Alô Mical: Com mais de 90% de rejeição dos vianenses, Magrado remarca sorteio de casas para usar como moeda de voto

O prefeito de Viana, Magrado Barros, (DEM) amarga uma rejeição histórica e agora tenta melhorar sua imagem usando as casas populares do Residencial Frei Serafim, que foi construída pelo Governo Federal e vai beneficiar milhares de moradores do município. Ele remarcou uma nova data para o sorteio de endereços dos imóveis.

Lucimar e Magrado manobram para entregar as casas do Residencial Frei Serafim aos seus aliados/eleitores

Segundo a última pesquisa que saiu na cidade, pelo Instituto Vox Brasil Pesquisa, o prefeito tem mais de 90% de rejeição e esses mesmos números são apontados quando os eleitores são perguntados se querem a reeleição de Magrado Barros, o que levou o prefeito e intensificar suas ações e fazer o que não fez em todos esses anos como gestor de Viana.

Segundo a última pesquisa, os vianenses não aprovam a gestão de Magrado Barros e Lucimar

Hoje, acompanhados de aliados, o prefeito esteve na Caixa Econômica Federal. A reunião, segundo a assessoria de Magrado, foi para discutir o andamento do Projeto Residencial Frei Serafim, confirmar a data do sorteio dos endereços das casas e a data de entrega aos moradores contemplados até o mês de novembro de 2019.

Após a reunião, a prefeitura anunciou que fará o sorteio no próximo dia 04 de setembro, na Praça de Alimentação. O sorteio já tinha sido desmarcado após intervenções da deputada Mical Damasceno e do ex-prefeito Chico Gomes, que informaram que existia indícios de irregularidades no sorteio e a suposta manobra de Magrado para impedir que quem foi sorteado seja prejudicado.

Enquanto o Ministério Público de Viana faz “ouvido de mercador” sobre o assunto, os vianenses recorrem a que puder ajudar, diante desse cenário de terra de ninguém. (Com informações do Blog do Jailson mendes).