AGEM apresenta projeto do Cais São Luís-Alcântara ao Governo do Estado

Mais um projeto do Governo do Estado, por meio da Agência Executiva Metropolitana (AGEM) está prestes a ser iniciado. Trata-se do Cais Flutuante São Luís-Alcântara (Terminal Portuário da Ponta D’Areia, em São Luís, e Terminal Portuário da Independência, em Alcântara), cujo projeto básico e executivo foi apresentado na tarde desta quarta-feira, 16, pelo presidente da AGEM, Lívio Jonas Mendonça Corrêa.

Atualmente, o Cais da Praia Grande é o único Terminal Hidroviário da capital. Conta com apenas quatro embarcações, três Iates e um Catamarã realizando duas viagens por dia, são transportado 11.935 passageiros mês, sendo 398 por dia. Além das embarcações do Centro de Lançamentos de Alcântara (CLA) que realiza o transporte de 246 militares diariamente.

Embora esteja localizado na Avenida Senador Vitorino Freire no Centro de São Luís, o Cais da Praia Grande somente oferece condições de navegabilidade durante o período de preamar, para manobras de acostagem e atracações das embarcações que realizam o transporte de passageiros e pequenas cargas para Alcântara e outras cidades da região da Baixada Maranhense, devido as grandes variações de marés, ficando inoperante durante a baixamar. “Com as quantidades de viagens diárias reduzidas, o potencial turístico de Alcântara é pouco explorado pelos visitantes”, explicou Lívio Corrêa.

Com a implantação do Terminal Portuário na Ponta D’Areia, estima-se a realização 24 viagens por dia, com embarcações saindo a cada 1 hora, transportando 3.312 passageiros diariamente.

O projeto de viabilidade técnica do Cais Flutuante São Luís-Alcântara foi aprovado pelo Governador Flávio Dino. “Agora passaremos para a próxima fase, que é a de viabilização dos recursos financeiros para a execução da obra”, revelou o presidente da AGEM.

O Cais Flutuante São Luís-Alcântara será construído pelo Governo do Estado, por meio da Agência Executiva Metropolitana, em parceria com a Prefeitura de Alcântara. O prazo de execução da obra será de aproximadamente 18 meses (1 ano e meio).

Polícia prende quadrilha que clonava números de celulares de prefeitos do Maranhão

A Polícia Civil do Maranhão por meio da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC) apresentou nesta quarta-feira (16), um grupo que foi preso pela acusação de crimes em estelionato e associação criminosa.

A quadrilha clonava um número de chip de celular, e por meio de aplicativo de mensagens de texto, entrava em contato com familiares e amigos da vítima, para pedir valores por transferências bancárias.

Os acusados José Jorge Xavier Alves; Lottas Mateus Ribeiro Caldas; Hallen Devid Cosmo do Nascimento; Bruno Nascimento Alves de Morais; Marcos Aurélio Santos Freitas Filho; Márcia Sebastiana Sousa de Jesus e Anniele Raina Barreto Granjeiro se passavam pela vítima do chip clonado e pediam ajuda financeira. O grupo criminoso fez vítimas em vários municípios do Maranhão.

Um dos investigados já fora preso pela SEIC, pelo mesmo tipo de crime, mas encontrava-se gozando do benefício da Liberdade Provisória.

Relação com chips de prefeitos clonados

Alguns políticos relataram que foram vítimas de clonagem de chip, o prefeito de Alto Alegre do Pindaré, Fufuca Dantas (PP) teve nesta terça-feira (15) seu telefone celular clonado, e conhecidos pediram dinheiro por meio do Whatsapp.

Esta semana, o prefeito de Viana, Magrado Barros, teve seu número clonado. Em 2018, o marido da prefeita de Matinha, Eldo Jorge, teve seu número clonado. Também no mesmo ano, os prefeitos de Cajapió e Olinda Nova do Maranhão também foram vítimas do mesmo golpe.

O prefeito de Paço de Lumiar, Domingos Dutra, relatou que também teve o chip clonado. A polícia revelou que estão investigando o caso, e que tudo leva a crer, que essa quadrilha foi a responsável por essas clonagens. Inclusive, de políticos do  Paraná. (Via Blog do Jailson Mendes).