Serviços e Construção Civil ajudam Maranhão a se destacar na criação de empregos em 2017

Construção Civil ajudou a puxar alta de empregos em 2017. (Foto: Handson Chagas)

Dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) mostram que, além fechar 2017 com saldo positivo de empregos com carteira assinada – diferentemente do Brasil, que teve mais demissões que admissões –, o Maranhão fortaleceu a oferta de novas oportunidades no interior do Estado, com aumento de ofertas em diversos setores produtivos.

O Brasil terminou o ano com perda de 20.832 empregos. Mas o Maranhão destoou desse cenário e criou 1.221 novos postos, mesmo com a crise econômica que toma conta do país.

Os dados do MTE apontam que no Maranhão houve ampliação de vagas nos setores de Serviços e Construção Civil, com mais 3,6 mil e 845 novos empregos, respectivamente. A dinâmica da distribuição de novos empregos por municípios também é destaque para novos empregos gerados em todas as regiões do Estado.

A Construção Civil, desaquecida no país, teve importante papel no Estado, sobretudo nas obras de Infraestrutura dos Programas Mais Asfalto, Mais Saneamento e Escola Digna, responsáveis pela maior parte das contratações formais no setor.

Segundo o Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (IMESC), que monitora a evolução do emprego formal no Estado, a tendência é de crescimento na oferta de vagas na Construção Civil em 2018, especialmente em função da construção do Residencial Parque Independência, em São Luís, com investimentos de R$ 255 milhões.

O aquecimento da economia, com investimentos do Governo do Estado em todas as áreas, colaborou para o aumento na oferta de trabalho também no setor de serviços em São Luís e Imperatriz. Juntos, os municípios geraram 3,6 mil novas vagas, com destaque para os novos empregos na área de Saúde, com 1,5 mil vagas, e Transportes, sobretudo na atividade Transporte Rodoviário de Carga, com mais 950 novos empregos.

O Governador Flávio Dino destaca o bom momento do Maranhão em relação ao restante do país, onde os efeitos da crise atingem mais intensamente o trabalho formal: “Os dados do Ministério do trabalho mostram que 2017 foi um ano positivo para o Maranhão na geração de empregos, enquanto, infelizmente, o Brasil teve saldo negativo. 2018 será melhor”.

Municípios

Importante fator de desenvolvimento regional, a evolução da oferta de trabalho com carteia assinada no interior do Estado mostra a dinamização da economia, mesmo com os impactos da crise nacional.

Dentre os municípios que mais geraram empregos formais em 2017, além da capital maranhense, estão Paço do Lumiar (522), Balsas (426), Imperatriz (411) e Grajaú (386).

Além de Construção Civil e Serviços, setores ligados à agropecuária e atividades de apoio à produção florestal contribuíram para a geração de trabalho e renda.

“Além do apoio com capacitação tecnológica e investimento em cadeias produtivas, o Governo atua para garantir marcos legais, dar segurança jurídica, apoio à desburocratização de licenciamentos ambientais, de legislação tributária”, diz o secretário de Agricultura, Pecuária e Pesca, Márcio Honaiser.

“Tudo isso ajuda e favorece a produção. Além dos recursos, precisávamos criar condições técnicas e legais para dar suporte ao crescimento da agropecuária no estado, o que assegura mais empregos e renda”, acrescenta.

Acidente com vitima fatal em Viana e tiroteio em Penalva

A Baixada Maranhense vive dias de violência e intranquilidade.

Hoje pela manhã, no bairro de Fátima, em Viana, uma aposentada morreu após ter sua cabeça esmagada por uma caçamba. Pelo que o Blog colheu, trata-se de uma senhora identificada apenas como Dona Raimunda e no local do acidente não tinha nenhum quebra-molas e as circunstâncias do acidente não foram divulgadas até agora.

ASSASSINATO EM PENALVA

De acordo com as informações, o primeiro caso aconteceu no bairro Bacural, em Penalva. Um homem identificado apenas como Baldez foi brutalmente assassinado com diversos tiros de revólver. Um companheiro da vitima também foi atingido com os disparos, mas ainda está vivo.

A morte aconteceu após um tiroteio com centenas de tiros, mas a polícia não divulgou até agora, nenhuma informação oficial.

Em menos de 24 horas, dois tiroteios foram registrados no município de Penalva e a população vive apreensiva.

Com informações: Folha de SJB

Médico é preso por omissão de socorro no Hospital Materno Infantil em Pinheiro-MA

Uma criança recém-nascida, moradora da cidade de São Bento, teve atendimento negado no hospital Materno Infantil na madrugada desta quinta-feira (1) na cidade de Pinheiro e morreu dentro da ambulância na porta do hospital. Segundo policiais que foram chamados, o médico de plantão identificado por Paulo Roberto Penha Costa, se negou à atender, cometendo o crime omissão de socorro, estabelecido no artigo 135 do Código Penal Brasileiro.

De acordo com a Força Tática da Policia Militar do 10º BPM de Pinheiro, a criança chegou ao hospital e não foi atendida porque estaria vindo de outra cidade. Com isso a guarnição foi acionada via rádio informando que teria uma ambulância da cidade de São Bento na porta do hospital Materno infantil de Pinheiro com um recém-nascido em estado grave de saúde e que a equipe do hospital estaria se negando a tendê-lo. O chamado aconteceu por volta das 3h da manhã.

A guarnição da Policia Militar se dirigiu até o local e constatou In loco, a veracidade da denúncia. A Policia solicitou a presença do médico plantonista, e foi informada por uma enfermeira que o médio não poderia atender a criança por ser da vizinha cidade de São Bento e o Materno Infantil de Pinheiro não recebe pacientes desse município.

Segundo a polícia o médico não saiu do seu quarto, onde estava deitado descançando para atender a criança e nem mesmo para dar explicações a força policial que solicitou a presença do profissional. Diante de tal omissão, a guarnição policial se deslocou até o quatro onde estava o Paulo Roberto Penha Costa, para explicar a gravidade dos fatos, mas não obteve êxitos. 

Mesmo assim o médico continuou dizendo que não atenderia, negando-se a atender a criança e que se tratava de uma omissão de socorro e por se tratar de um crime foi solicitado que o mesmo  acompanhasse a guarnição até Delegacia de Polícia  para prestar esclarecimentos. Segundo a polícia o médico respondeu que não iria a lugar algum reagindo com agressividade e arrogância, tendo que ser imobiliza-lo pela guarnição e conduzido.

Minutos depois a criança veio a óbito dentro da ambulância na porta do hospital. Tanto o prefeito quanto a direção do hospital serão denunciados na Promotoria Pública por crime de omissão de socorro, um fato lamentável que chocou toda sociedade pinheirense.

OMISSÃO DE SOCORRO

É um dos crimes previstos no Código Penal brasileiro, em seu art. 135. É o exemplo clássico do crime omissivo. Deixar de prestar socorro a quem não tenha condições de socorrer a si próprio ou comunicar o evento a autoridade pública que o possa fazê-lo, quando possível, é crime. Pena na forma simples, detenção de 1 a 6 meses ou multa. Se resultar lesão grave, reclusão de 1 a 4 anos. Se resultar morte, reclusão de 4 a 12 anos. Ação penal pública incondicionada.

Por tanto se a lei for aplicada conforme seu artigo 135 do Código Penal, o médico Paulo Roberto Penha Costa pode ser condenado até 12 anos de cadeia.

Via Blog do Vandoval Rodrigues