Residencial Parque Independência recebe inscrições de mais de 8 mil servidores

Residencial Parque Independência. (Foto: Divulgação)

 

Maior programa de financiamento habitacional para servidores públicos das últimas décadas no Maranhão, o Residencial Parque Independência, recebeu 8.632 inscrições de interessados em adquirir um dos 2.048 apartamentos do empreendimento, localizado no bairro São Cristóvão, em São Luís.

Com a conclusão dessa primeira fase, a Secretaria de Estado das Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid) iniciará a análise cadastral dos inscritos junto à Caixa Econômica Federal, parceira na realização do financiamento.

Logo após a análise preliminar das inscrições, os cadastrados serão chamados para atendimento presencial e encaminhamento do processo de verificação dos critérios para financiamento dos imóveis, de acordo com as regras do Sistema Financeiro de Habitação.

 

“Após o cadastro, que foi feito exclusivamente por meio do site, não havendo restrições cadastrais, será realizado um sorteio eletrônico com o objetivo de definir a ordem de atendimento dos servidores”, explica a titular da Secid, Flávia Alexandrina.

“Após essa definição, o proponente receberá comunicação para que compareça à Secid, onde daremos continuidade ao processo de financiamento do imóvel”, completa a secretária.

Governo do Maranhão e Caixa Econômica Federal investem R$ 255 milhões no projeto. As obras estão previstas para começar no início de fevereiro de 2018.

Próximo a grandes avenidas, aeroporto, escolas e universidade, Corpo de Bombeiros e polícia, o Residencial Parque Independência terá oito condomínios: cinco com imóveis de dois quartos e três com apartamentos de três quartos.

Os oito condomínios do Residencial Independência terão, cada um, 256 apartamentos com áreas independentes, compostas por piscina, quadra poliesportiva e área de lazer coberta. Para garantir ainda mais conforto e tranquilidade, serão plantadas duas árvores nativas ou frutíferas por apartamento.

Governo Federal descumpre acordo e municípios do Maranhão perdem R$ 83 milhões este ano

A gestão do presidente Michel Temer (PMDB) descumpriu, mais uma vez, acordo feito com os municípios brasileiros.

De acordo com informações repassadas pela Secretaria do Tesouro Nacional nesta quinta-feira (28), somente em 2018 o governo federal depositará nas contas das prefeituras R$ 2 bilhões em recursos oriundos do Auxílio Financeiro aos Municípios (AFM).

O pagamento estava agendado para este mês, conforme garantiu o próprio Michel Temer durante encontro com gestores públicos municipais de todo o país no mês passado, em Brasília.

As 217 cidades do Maranhão seriam beneficiadas com R$ 83 milhões, segundo levantamento divulgado pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) à época.

A divisão dos recursos do AFM obedeceria aos mesmos critérios utilizados pela União para repartir o dinheiro proveniente do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Os recursos extras estavam sendo aguardados por prefeitos e prefeitas de várias regiões do estado e seriam utilizados para pagamento do funcionalismo público, por exemplo.

“Trata-se, mais uma vez, de uma ação do presidente da República contra a municipalidade maranhense e brasileira. Estes recursos extras, garantidos pelo senhor Michel Temer durante encontro com prefeitos e do qual eu participei, chegariam em uma boa hora e estavam sendo aguardados pelos gestores como uma espécie de salvação da pátria. Agora, com a informação de que o repasse não será feito este ano, as prefeituras do Maranhão voltam à situação de colapso financeiro”, afirmou o presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (FAMEM), Cleomar Tema.

Em julho, Michel Temer também não honrou compromisso firmado com a municipalidade brasileira.

Na oportunidade, ele não autorizou o depósito nas contas das prefeituras de R$ 168 milhões referentes à antecipação da compensação do FUNDEB.

(Via Blog do John Cutrim)

Flávio Dino é o governador que mais cumpre compromissos de campanha, mostra G1

Um levantamento do portal G1 com todos os Estados brasileiros mostra que Flávio Dino é o governador que mais cumpre compromissos de campanha em todo o Brasil. A pesquisa também constata avanço ano a ano durante a gestão de Flávio.

Segundo o G1, que pertence ao Grupo Globo, Flávio Dino já cumpriu integralmente ou está cumprindo 92% dos compromissos assumidos durante a campanha eleitoral de 2014. É o maior porcentual entre todos os 27 governadores avaliados.

Ao fim do primeiro ano de governo, em 2015, Flávio havia cumprido integralmente 12 compromissos; e dez estavam em andamento. Em 2016, tinham sido 15 cumpridos integralmente e 14 em andamento.

Agora, ao fim de 2017, são 22 cumpridos integralmente e 12 em andamento. Do total de 37 compromissos, portanto, o governador do Maranhão já cumpriu ou está cumprindo 34, de acordo com o levantamento do G1. Isso significa 92% dos compromissos honrados em três anos.

Entre eles, está implementar o Bolsa Escola, aumentar a rede de ensino em tempo integral, reformar e recuperar as escolas do Estado, aumentar o número de médicos no Maranhão, aumentar o número de policiais e criar a Secretaria de Transparência e Controle.

Os 92% atingidos por Flávio são bem acima da média nacional, de 60%, ainda de acordo com o G1.

Os Estados que mais se aproximam do Maranhão são Rondônia (85%), Goiás (82%), Ceará (80%) e São Paulo (75%)

Veja aqui a pesquisa do G1: https://g1.globo.com/politica/noticia/promessas-dos-politicos-em-3-anos-de-mandato-governadores-cumpriram-32-dos-compromissos-de-campanha.ghtml

PTB descobriu que Temer é da cota do Sarney

Pedro Fernandes tornou-se ex-ministro do Trabalho antes mesmo de assumir o cargo. Escolhido às vésperas do Natal, o deputado maranhense foi descartado após o Réveillon. O PTB, partido de Fernandes, descobriu que, sob Michel Temer, o fisiologismo é praticado com método. O ministério pertence ao partido. Mas a Presidência da República continua sendo da cota de José Sarney.

Ex-integrante da falange política de Sarney, Pedro Fernandes, o breve, traz na biografia uma passagem pela equipe de secretários do governo maranhense de Roseana Sarney, a filha do oligarca. Mas cometeu a ousadia de trocar de lado. Desde que Flávio Dino (PCdoB) assumiu o poder no Maranhão, Fernandes deixou-se seduzir pelo comunismo de resultados. E desceu à caderneta de Sarney na coluna dos inimigos.

Um observador incauto poderia enxergar no veto de Sarney uma ótima notícia, pois Pedro Fernandes, um quase-ministro impensável, iria substituir no Ministério do Trabalho ao colega Ronaldo Nogueira, um ministro inaceitável. O problema é que o PTB, convidado a indicar outro nome, cogita acomodar na pasta do Trabalho o inacreditável. Atende pelo nome de Sérgio Moraes.

Moraes é aquele deputado federal que, em 2009, disse que estava “se lixando para a opinião pública” ao defender no Conselho de Ética da Câmara a preservação do mandato de um colega em apuros. Para os padrões do governo Temer, que também dá de ombros para a plateia, a escolha do deputado que se lixa seria adequada. Com uma vantagem: gaúcho, o inacreditável não atiça a ira de Sarney, o dono de Temer.

O renascimento de Sarney tem uma serventia colateral. Quem ainda imaginava que 2018 seria um ano novo e feliz, já pode voltar à realidade. Tirar o cavalo da chuva no segundo dia do Ano supostamente Novo não resolve os problemas do país. Mas pelo menos evita-se que o animal pegue uma gripe. (Blog do Josias de Souza)