Teatro Arthur Azevedo reabre nesta sexta-feira (08) com programação especial

O Teatro Arthur Azevedo reabre nesta sexta-feira, 08, com extensa programação em comemoração aos 200 anos da casa e apresentação do espetáculo ‘João do Vale  – O Musical’, uma grande homenagem ao músico, cantor e compositor maranhense João do Vale. A solenidade de reabertura inicia às 20h.

A programação começa com visita a ‘Exposição Alusiva aos 200 anos do Teatro Arthur Azevedo’ que reúne peças, objetos, gravuras e plantas da casa de espetáculo. O trabalho de pesquisa durou cerca de um ano e meio com visitas a personalidades, buscas no acervo do teatro, viagem ao Rio de Janeiro para pesquisa junto a Biblioteca Nacional e outros espaços de cultura nacional. A curadoria da exposição é de Carolina Ramos com ajuda dos pesquisadores Anderson Oliveira, Ângela Pereira e Magnólia Everton Costa.

Durante visita à Exposição os convidados prestigiarão cópias da coleção de gravuras de Arthur Azevedo. Outro destaque é a homenagem a Apolônia Pinto, atriz nascida dentro do TAA em 1854 no Camarim nº 1. No local, serão encontradas figuras e objetos que remetem a vida da atriz além de exemplar do livro ‘Apolônia Pinto e seu tempo’, de José Jansen.

A Exposição ocupará diversos espaços do Teatro Arthur Azevedo proporcionando um tour pela casa reformada. Ainda durante a Exposição será lançado o livro ‘Teatro Arthur Azevedo: 200 Anos’, escrito por personalidades maranhenses e nacionais, ex-diretores e funcionários, artistas, políticos e historiadores, além de engenheiros, professores de teatro, cantores dentre outros profissionais.

O foyer também será espaço para o lançamento da coleção Teatro da joalheria Rosa Rio inspirado nos 200 anos do Teatro Arthur Azevedo.

Após a Exposição acontecerá a grande estreia do espetáculo ‘João do Vale – O Musical’, uma produção do Teatro Arthur Azevedo com realização do Governo do Estado do Maranhão e patrocínio da Cemar por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura.

A produção durou cerca de um ano e meio e conta com cerca de 40 profissionais envolvidos desde a técnica até os atores.

O ator que interpretará João do Vale é o maranhense Vicente Melo, morador do bairro do Lira, que desde a adolescência dedica-se a composição de músicas da cultura popular. O compositor já participou de diversos concursos como o Festival de Música Popular de Pinheiro e o Festival de Música Carnavalesca do Sistema Mirante.

Além de Vicente Melo, também estão no elenco Tiago Andrade (Zé Keti), Gisele Vasconcellos (Nara Leão), James Pierre (Zé Gonzaga), Juliana Cutrim (Dorinha), Marconi Rezende (Chico Buarque), Millena Mendonça (Domingas) e Victor Silper (Luiz Vieira).

O espetáculo continua em cartaz nos dias 09, 10,15, 16 e 17 de dezembro. Os ingressos estão sendo vendidos na bilheteria do Teatro Arthur Azevedo das 14h às 18h45. Para mais informações acesse cultura.ma.gov.br/taa ou ligue 32189901.

 

Polícia investiga hipótese de Nenzin ter sido assassinado pelo próprio filho

Por: O Informante

 

Nenzin foi assassinado na manhã desta quarta-feira quando estava com o filho Mariano Júnior

Há fortes rumores em Barra do Corda de que o ex-prefeito Manoel Mariano de Sousa, o Nenzin, tenha sido assassinado pelo próprio filho Mariano Júnior, o ‘Nenzin Júnior’, ex-candidato a prefeito do município e seu herdeiro político.

Ainda há pouco, horas depois de retornar de Barra do Corda, onde esteve pessoalmente acompanhando as investigações, o Secretário da Segurança, Jefferson Portela confirmou a O INFORMANTE que a polícia já investiga essa hipótese. O secretário não quis dar mais informações, adiantando apenas que “está tudo muito estranho” para ser um crime de pistolagem.

É pública e notória a ‘disputa intestina’ travada em Barra do Corda entre familiares do ex-prefeito, que possui muitos bens. Hoje Mariano Júnior é herdeiro político do pai, e hoje o filho mais próximo de Nenzin.

O INFORMANTE apurou, também, que momentos depois de Nenzin ser baleado o filho dele, empresário Pedro Telles, esteve na UPA, para onde o ex-prefeito foi levado, com sintomas de embriaguez e desequilíbrio, acusando o irmão Mariano Júnior de ter cometido o crime.

A presença de Pedro Telles em Barra do Corda chega a causar estranheza, já que ele está com prisão decretada pelo assassinato de um conterrâneo conhecido como Miguelzinho, no início dos anos 2000. Pedro Telles foi julgado, condenado e perdeu todos os recursos impetrados para anular o júri. Com o processo transitado em julgado, o empresário teve a prisão decretada recentemente, mas a Polícia não conseguiu prendê-lo. A informação da decretação da prisão vazou e Pedro Telles se evadiu. Estranhamente, estava na manhã desta quarta-feira na UPA, para onde o pai foi levado, ainda com vida.