Apoio de Michel Temer a Roseana Sarney tem objetivo maior: a disputa presidencial

Ex-presidente José-Sarney e o governador Flávio Dino – inimigos políticos no Maranhão

Por Ed Wilson Araújo

Uma frase conhecida de Miguel de Cervantes, na obra Dom Quixote, serve para ilustrar o raciocínio desse texto: “E o vencedor é tanto mais honrado quanto mais o vencido é reputado.”

O fato de Flávio Dino (PCdoB) ter derrotado José Sarney (PMDB), um dos homens mais influentes da República, colocou o governador do Maranhão rapidamente em visibilidade nacional.

A longevidade do poder de José Sarney, beirando os 50 anos, já era um tema bastante explorado na mídia nacional. Sua derrota, portanto, passou a ser uma pauta apimentada, considerando ainda o choque geracional que motivou a eleição de 2014 no Maranhão.

Na condição de vencedor do vencido reputado, a honra de Flávio Dino foi às alturas, somando-se ao próprio perfil do governador, oriundo da elite judiciária brasileira e principal figura do PCdoB.

Flávio Dino ampliou a sua visibilidade midiática durante o impeachment da presidente Dilma Roussef (PT), quando se posicionou como principal advogado da petista e, simultaneamente, articulou uma aproximação com Lula.

Assim, o comunista maranhense entrou na agenda nacional, sabendo que as decisões tomadas na província passam necessariamente pelos poderes da República.

Ser a antítese de Sarney e o avatar de Lula constituem a dupla movimentação do governador para se posicionar na fila da agenda nacional, diante do vazio de lideranças políticas no chamado campo democrático.

Neste campo, no terreno das disputas presidenciais vindouras, a pergunta é: quem será o herdeiro do espólio de Lula?

Eduardo Campos (PSB) morreu, Ciro Gomes (PDT) parece ter um teto, Marina Silva (Rede) perdeu-se no meio do caminho e Marcelo Freixo ainda não alcançou a visibilidade necessária fora do Rio de Janeiro.

Flávio Dino está na fila. Manuela D’Avila é apenas um balão de ensaio.

Se for reeleito governador, em 2018, vai adiante. E pode avançar, caso tudo dê certo, apresentando-se ao Brasil como o homem que derrotou José Sarney e mudou a cara do Maranhão.

Trata-se de uma tarefa difícil, levando em conta que, para ganhar a eleição e governar, Flávio Dino faz alianças com a base do sarneísmo, agregando figuras como Waldir Maranhão, apenas para ficar em um exemplo.

Assim, o projeto de mudança profunda pode naufragar, visto que a base sarneista não está interessada em absolutamente nada que diga respeito a igualdade, democracia, justiça e direitos humanos.

Por isso, a condicional “se tudo der certo” para Flávio Dino tem de ser colocada na balança da análise do projeto nacional.

Considerando o exposto acima, José Sarney opera junto a Michel Temer para intervir no Maranhão. A candidatura de Roseana Sarney faz parte do jogo e pode crescer, caso o PMDB nacional assuma de fato a “operação eleitoral”.

Para impedir o vôo nacional de Flávio Dino, é necessário derrotá-lo agora. Portanto, a volta de Roseana Sarney ao cenário não é apenas um tema de interesse local. E pode se viabilizar, caso o PMDB nacional opere de forma intensiva. Como no Maranhão de antes, tudo passa por Brasília.

Computa-se também nesta avaliação a onda conservadora que move o mundo e o Brasil. O ódio à esquerda e à palavra “comunismo” é algo forte que vai influenciar no projeto de sufocar o governador do Maranhão, número um do PCdoB.

Roseana Sarney não é candidata apenas sob as bênçãos do pai José Sarney. É a candidata da direita conservadora, legítima representante da Casa Grande de Michel Temer et caterva.

O goiabal da Santa e o dia da caça

Por Nonato Reis*

Imagem ilustrativa

A Fazenda da Santa, ou Fazenda Bacazinho, foi palco das melhores lembranças dos meus tempos de menino. Ali estudei as primeiras letras, brinquei, namorei. A maior parte das festas e outros eventos do Ibacazinho, povoado à beira do rio Maracu, a quatro quilômetros da sede do município de Viana, ocorriam nos domínios da fazenda – uma casa de alvenaria em dois pavimentos, erguida sobre um oitão, ao lado de um velho tamarindeiro, e de frente para uma planície verde que se estendia a perder de vista.

No inverno, as águas do Maracu transbordavam e avançam para os campos e matas de vegetação baixa, transformando a paisagem num imenso lençol líquido, margeado por uma estreita faixa de terra, onde se localizavam as casas. A fazenda ficava praticamente isolada, e mesmo o caminho de chão batido, que dava acesso ao lugar, se tornava intransitável, coberto de lama e de água.

No primeiro piso da fazenda havia um salão com mesa grande retangular, usada para a ceia dos vaqueiros no período de ferra (evento festivo em que o gado, recolhido aos currais, era contado, ferrado e vacinado, além de sorteadas as reses que seriam dadas em pagamento ao responsável por cuidar da criação). A mesa também servia à escola de alfabetização, destinada às crianças da comunidade.

Alguns metros além dos limites da casa grande, havia um enorme poço, que abastecia a fazenda por meio de um sistema de bombeamento. A cacimba e o tamarindeiro, conforme relato dos mais velhos, seriam herança dos jesuítas, que ali se estabeleceram em meado do século XVIII e implantaram a Missão de Conceição do Maracu, marco inicial da colonização de Viana.

Um pouco mais à frente do pé de tamarindo estendia-se o goiabal, local preferido da meninada, durante o recreio.

Eram tantos os pés de goiaba que formavam um entrelaçamento de galhos e davam um sentido de unidade, como se houvesse um único pé da árvore, o que possibilitava aos alunos percorrerem toda a extensão daquela floresta, movimentando-se pelos galhos das plantas.

Em determinada época do ano, repleto de frutos dourados, o goiabal se convertia em ótima fonte de nutrição, ainda mais considerando o estado de carência da comunidade.

Porém, ávida por vadiagem, a molecada não apenas se alimentava dos frutos maduros, como fazia-os de bolas de pingue-pongue, atiradas uns contra os outros. Era uma gritaria ensurdecedora quando a goiaba madura espatifava na blusa alvinha de farda de um colega, provocando uma enorme mancha vermelha, para o desencanto das mães, obrigadas a trabalho dobrado para reabilitar os uniformes.

As brincadeiras assumiam um tom de drama, quando a goiaba arremessada acertava, indevidamente, um órgão da criança, como o estômago, por exemplo. Eu passei por situação difícil, quando um primo meu atirou-me um fruto ainda verde. A goiaba acertou-me na altura do fígado, e por alguns minutos eu perdi a fala e a respiração.

Chamada às pressas, a professora Ceciliana, por coincidência minha madrinha, tirou-me daquela agonia e “premiou” o agressor com meia dúzia de bolos. Além disso, proibiu o acesso às goiabeiras por uma semana.

Mas nem os filhos dela escapavam das presepadas no goiabal. Silvana era morena clara, traços delicados e os cabelos secos, fartos, do tipo fogoió. Adorava jogar as goiabas contra os colegas e, ótima arqueira, quase sempre se saía melhor nos arremessos.

Acontece que nem sempre o caçador se dá bem e uma hora ele vira caça. O dia de Silvana chegaria, e ela, de tão atingida pelas goiabas, ficou parecendo um mostrengo – a farda toda ensopada de vermelho, como se do próprio corpo escorresse sangue, e os cabelos numa espécie de sopa de beterraba. Minha madrinha, que não era de passar a mão na cabeça de transgressores, disciplinou gregos e troianos, e Silvana, mesmo a contragosto, teve que acertar as contas com a palmatória.

*Jornalista

Saiba os concursos abertos do Governo do Maranhão e os que estão por vir

Concurso para a Polícia Militar está aberta. (Foto: Divulgação)

 

Além do concurso da Polícia Militar, cujas inscrições estão abertas, há outras oportunidades em andamento e que estão por vir no Governo do Maranhão. Veja abaixo o que está acontecendo e o que está previsto:

Concurso da PM – Inscrições abertas

São 1.214 vagas para níveis médio e superior. As inscrições vão até 18h (horário de Brasília) do dia 30 de novembro de 2017 no site http://www.cespe.unb.br/concursos/pm_ma_17/

Os cargos em disputa são de 1º Tenente do Quadro de Oficiais de Saúde da Polícia Militar (nível superior) e para o cargo de Soldado do Quadro de Praça (nível médio).Os salários são de R$ 4.019,62 para ensino médio e R$ 6.913,74 para nível superior.

As provas objetivas para os cargos de nível superior terão a duração de 3 horas e 30 minutos e serão aplicadas na data provável de 28 de janeiro de 2018, no turno da manhã. As provas objetivas para o cargo de nível médio serão no mesmo dia, mas à tarde.

Uema – Inscrições abertas

Até 07/12/2017, estão abertas as inscrições para Concurso Público destinado ao provimento de Cargo na Carreira do Magistério Superior,  para atender ao Centro de Educação, Ciências Exatas e Naturais – CECEN/Curso de Música Licenciatura. Os salários vão de R$ 6.166,88 a R$ 8.236,21. O edital está disponível clicando aqui.

Até 17/11/2017, estão abertas as inscrições para o Processo Seletivo Simplificado destinado à contratação de Professor Substituto para o Centro de Estudos Superiores de Timon. O edital pode ser consultado clicando aqui. O salário a que fará jus o professor substituto, contratado no regime de vinte horas semanais, será de R$ 2.000,20.

Concurso para Saúde – Previsto (ainda sem data)

O governador Flávio Dino sancionou o Projeto de Lei que cria mil vagas de emprego, por meio de concurso público, na área da Saúde no Maranhão. “Agora é lei: 1.000 vagas efetivas para área da saúde. Vamos organizar o concurso público”, disse o governador por meio das redes sociais nesta semana. As vagas são para o quadro efetivo da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (Emserh), responsável pela gestão de 45 unidades de saúde em São Luís e no interior do Estado. Destinadas a profissionais com nível médio e superior, as vagas têm salários entre R$ 1.000,00 e R$ 7.425,31.

Professores também terão concurso. (Foto: Divulgação)

Flávio Dino também anunciou, nesta semana, a realização de concurso público para educadores do campo, com previsão de atendimento de escolas da zona rural, de comunidades quilombolas e indígenas. “Em 2018, vocês podem se preparar, vamos fazer o concurso específico para educação no campo, incluindo a previsão de vagas para escolas quilombolas e indígenas”, afirmou.

Concurso para UemaSul – Previsto (ainda sem data)

O governador Flávio Dino anunciou em Imperatriz, nesta semana, que a UemaSul vai fazer concurso para professores com 30 vagas.

Orçamento de 2018 – Previsto (ainda sem data)

A proposta de Orçamento do Governo do Maranhão para 2018 prevê a criação 931 vagas para contratação de pessoal em nove secretarias e órgãos da administração direta e indireta. As oportunidades serão oferecidas por meio de concursos públicos e seletivos, para nível médio e superior. De acordo com a proposta, enviada à Assembleia Legislativa, haverá investimentos de R$ 67,7 milhões para garantir as novas contratações.

Veja o que está previsto na criação e/ou no provimento de cargos e empregos, admissão ou contratação:

Secretaria da Justiça e da Administração Penitenciária (SEAP): 120 vagas;

Fundação da Criança e do Adolescente (FUNAC): 100 vagas;

Instituto de Promoção e Defesa do Cidadão e Consumidor do Maranhão (PROCON-MA): 51 vagas;

Secretaria de Estado da Educação (SEDUC): 457 vagas;

Universidade Estadual da Região Tocantina (UemaSul): 30 vagas;

Instituto de Metrologia e Qualidade Industrial do Maranhão (INMEQ): 43 vagas;

Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (AGED): 100 vagas;

Secretaria de Estado do Planejamento e Orçamento (SEPLAN): 20 vagas;

Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (IMESC): 10 vagas.

Gênero e raça na literatura brasileira são discutidos na 11ª FeliS

Três auditórios que estão funcionando durante a programação da 11ª Feira do Livro de São Luís no Espaço Casa do Maranhão, no Centro Histórico

Programação faz parte da 11ª FeliS (Foto: Divulgação)

O Estado do MA

SÃO LUÍS – Estimular leituras mais profundas sobre as temáticas discutidas é uma das propostas da 11ª Feira do Livro de São Luís (FeliS). O estimulo acontece a partir de palestras que estão inseridas na programação da FeliS desta segunda (13) oferecendo um cardápio recheado de boas opções, com destaque para a palestra “Gênero e raça na literatura brasileira pós lei 10.639”. O palestrante será o o ex-secretário de Igualdade Racial do município de São Paulo, Maurício Pestana, e mediação do professor doutor Antonio Evaldo Almeida Barros (UFMA/Uema), que acontece no Teatro Alcione Nazaré, no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, às 20h. A Feira do Livro, que acontece até o dia 19 na Praia Grande, é promovida pela Prefeitura de São Luís em parceria com o Governo do Estado.

No Espaço Casa do Maranhão, o Auditório 1 (Raimunda Pereira) apresenta programação das Secretarias de Estado da Juventude, Igualdade Racial e da Mulher. Às 10h, vai ter roda de conversa sobre Estatuto da Igualdade Racial, com Socorro Guterres. Às 15h, é a vez da roda de conversa sobre Feminicídio, com Susan Lucena e Marjorie Matos. Às 18h, tem exposições e entretenimentos.

No Auditório 2 (Úrsula), às 10h, tem a palestra “Políticas Públicas do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas no Brasil, Maranhão e São Luís”, com Renata Costa, Carlos Wellington, Thaís Rodrigues e mediação de Aline Nascimento. Às 14h, haverá a palestra “Educação na diferença: por uma igualdade de gênero e raça no ensino brasileiro”, com Josédla Fraga Costa Carvalho (Ceuma), Tatiane Silva Sales (UFMA) e mediação da Dra. Cidinalva Silva Camara Neris (UFMA). Já às 15h30, tem a palestra “A literatura Maranhense sendo descoberta como fonte de pesquisa no meio educacional”, com Samuel Barreto, Wybson Carvalho, Elizeu Cardoso, e mediação de Ana Neres. No Auditório 3 (Cantos a Beira Mar), às 15h30, tem a palestra “A Escola sem machismo”, com Thais Campos (União Brasileira de Mulheres- MA) e Rosane Borges (USP/SP) e mediação de Nádya Dutra (Seduc).

Auditórios

Três auditórios que estão funcionando durante a 11ª FeliS no Espaço Casa do Maranhão. O Auditório 1 tem o nome de Raimunda Pereira, popularmente conhecida como Dica, poetisa e ativista dos direitos humanos, que estimulou a intelectualidade do jovem negro. “Preto só tem valor se for doutor” era uma frase que ela sempre dizia.

Neste espaço, há uma exposição com fotos e uma pequena biografia de mulheres negras de destaque em nível local e nacional, que fala sobre juventude, mulher e negritude, fazendo um passeio entre as três secretarias responsáveis pela programação, Secretaria de Estado da Mulher, Secretaria de Estado da Juventude e Secretaria de Estado da Igualdade Racial. Além disso, há um espaço para que o público exponha sua opinião sobre a temática.

A bibliotecária Janaína Ferreira, da Secretaria de Estado da Mulher, informa que o público também tem acesso a uma pequena amostragem dos livros da Biblioteca Maria da Penha, que é especializada em gênero e fica sediada na própria Secretaria, no bairro Calhau, em São Luís. “Aqui a gente quer fazer um espaço de reflexão, onde as pessoas se enxerguem. Trabalhamos conceitos e preconceitos para refletir, construir e desconstruir. As crianças e adolescentes que vem aqui saem estimulados a ler publicações sobre as temáticas discutidas”, explica.

Há também o Auditório 2 e Auditório 3 que receberam os nomes das obras “Úrsula” e “Cantos a Beira Mar” em homenagem à patrona Maria Firmina dos Reis. O romance “Úrsula” consagrou Maria Firmina como escritora e também foi o primeiro romance da literatura afro-brasileira, entendida esta como produção de autoria afrodescendente. “Cantos a Beira Mar” é uma coletânea de poesias da escritora.

Programação

A programação do Espaço Casa do Maranhão do domingo (12) no Auditório 1 (Raimunda Pereira), das 10h às 18h, contou com Exposições e entretenimentos promovidos pelas Secretarias de Estado da Juventude, Igualdade Racial e da Mulher. No Anfiteatro Beto Bittencourt, às 20h teve atração cultural.

No Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, houve o Café Literário, das 14h às 16h, com programação das unidades de internação de menores da Fundação da Criança e do Adolescente (FUNAC), Sarau Florescer e declamação de poesias. Às 17h, também aconteceu o sarau musical “Brilhando no café: Maria Firmina em verso e prosa” com a Escola de Música Lilah Lisboa e a roda de conversa “Mulher no Espaço de Poder “, com Laurinda Pinto, Socorro Guterres, Mundinha Araújo e mediação de Adriana Amarante (SSP).

No Espaço Viriato Corrêa, na Casa do Maranhão, das 13h às 18h30, aconteceu a programação da Biblioteca Pública Benedito Leite, com exposição de livros com rodas de leitura, contação de história e conversa com escritores. No Espaço Criança, na Praça da Casa do Maranhão, das 10h às 20h, tem programação realizada pelo SESC e Semed, com contação de histórias, música, dramatizações, dança, pintura de rosto, oficinas, dobraduras, apresentações de projetos das escolas públicas municipais de São Luís, apresentações artísticas, brincadeiras e jogos educativos.

Já na Casa do Escritor, no Cine Praia Grande, das 16h às 20h, houve o lançamento dos livros “Maria Firmina em Cordel” de Raimunda Pinheiro de Souza Frazão, “A lenda da carruagem encantada de Ana Jansen” de Beto Nicácio, “O vale das Trutas” de Sanatiel Pereira, “Politicotopia” de Aleluia Leonardo de Melo e “Balaiada – A Guerra do Maranhão – 2ªed” de Iramir Alves Araújo.

O evento é uma promoção da Prefeitura de São Luís e do Governo do Estado do Maranhão, por meio das secretarias municipais de Cultura (Secult) e de Educação (Semed), e estaduais de Cultura e Turismo (Sectur) e da Educação (Seduc), tendo como correalizador o Serviço Social do Comércio (Sesc), patrocínio da Vale e Potiguar e apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema), Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), Secretaria de Estado da Mulher (Semu), Secretaria de Estado da Igualdade Racial (Seir), Fundação da Criança e do Adolescente do Maranhão (Funac), e Secretaria de Estado Extraordinária da Juventude (SEEJUV), Academia Ludovicense de Letras (ALL), Academia Maranhense de Letras (AML), Associação dos Livreiros do Estado do Maranhão (Alem), Universidade Estadual do Maranhão (Uema) e Universidade Federal do Maranhão (UFMA).