Comunidades de São Luís se preparam para receber praças e quadras esportivas

Os projetos são de iniciativa do Governo do Estado, por meio da Agência Executiva Metropolitana

Desde o início deste ano, o Governo do Maranhão, por meio da Agência Executiva Metropolitana (AGEM), vem desenvolvendo um conjunto de projetos para beneficiar toda a Região Metropolitana da Grande São Luís (RMGSL). Algumas obras já foram entregues e outros bairros se preparam para receber novos equipamentos urbanos de esporte e lazer, caso das vilas Luizão e Magril.

Na Vila Luizão, os moradores irão receber uma Quadra Poliesportiva, construída em um terreno situado em uma área onde, antes, existia um campo de areia e que depois passou a ser utilizada para descarte de restos de construção. “O terreno foi totalmente readequado, para gerar à comunidade um equipamento público adequado ao lazer, tendo em vista que na atualidade, não existem ambientes similares na redondeza”, destaca o presidente da AGEM, Lívio Jonas Mendonça Corrêa.

O projeto contempla, além da quadra, arquibancada com capacidade para 70 (setenta) pessoas, bicicletário, depósito para armazenamento de materiais esportivos e área verde. Ao todo, a área de construção abrange uma área de 518m². “As dimensões do terreno foram utilizadas de forma a priorizar o máximo conforto dos usuários deste projeto”, explica Lívio Corrêa.

A Vila Magril, por sua vez, irá ganhar uma praça com quadra esportiva, calçamento com meio-fio, pavimentação, passeio, estacionamento para carros e motocicletas, canteiros com áreas verdes e arborizadas, academia com instalação de aparelhos de ginástica, playground e um espaço ao ar livre para atividades diversas no local. No total, será uma área de 1.754,13m². “São trabalhos de urbanização e revitalização de espaços que há muito vêm sendo demandados pelas comunidades e que, agora, estão se transformando em realidade”, finaliza Lívio Corrêa. As obras serão entregues até o final deste ano.

Embarcações apreendidas no Maranhão com 4 toneladas de pesca ilegal são transportadas para Belém

O pescado foi apreendido pelo Ibama. As duas embarcações estavam sem documentação, segundo a Marinha do Brasil.

Embarcações “Real Madrid” e “Pesca e Cia” foram apreendidas no Maranhão e trazidas para Belém. — Foto: Reprodução / Marinha do Brasil

Por G1 PA — Belém

As embarcações “Real Madrid” e “Pesca e Cia” foram apreendidas no litoral do Maranhão e foram trazidas para a base naval de Val de Cães, em Belém, nesta quinta-feira (15). De acordo com a Marinha do Brasil, as embarcações realizavam pesca ilegal. Quatro toneladas de pesca foram apreendidas pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama).

De acordo com a Marinha, além da posse do pescado, as duas embarcações infrigiram a lei de segurança, pois não portavam qualquer documento ou não estavam com condutor habilitado. As embarcações chegaram no início da noite.

O Comando do 4º Distrito Naval flagrou as embarcações na quarta (14), durante a operação de Patrulha Naval, que fiscaliza e combate o descumprimento da lei da segurança do tráfego aquaviário e a pesca ilegal.

Segundo o capitão de mar e guerra, Ricardo Ferreira, comandante do Grupamento de Patrulha Naval do Norte, o uso de inteligência para identificação das áreas de concentração de pesca e a parceria com o Ibama foram fundamentais na operação. “Trabalhamos pela segurança da navegação e contribuímos para o uso racional dos recursos naturais no mar”, disse.

Mais de 400 médicos cubanos do “Mais Médicos” devem deixar o Maranhão

No Maranhão, segundo o Ministério da Saúde, os 457 médicos cubanos atuam na saúde básica em 167 municípios. O estado é sexto estado com maior número de médicos pelo programa.

Por G1 Maranhão — São Luís, MA

De acordo com dados do Ministério da Saúde, 457 médicos cubanos atuam no Maranhão pelo programa “Mais Médicos” e eles devem deixar seus postos de trabalho nos próximos dias. O governo de Cuba anunciou a saída do programa social citando as declarações feitas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) em relação à presença dos profissionais no Brasil.

No Maranhão, segundo o Ministério da Saúde, os 457 médicos cubanos atuam na saúde básica em 167 municípios. O estado é sexto estado com maior número de médicos pelo programa.

Antes de começarem a trabalhar nas comunidades, os médicos fizeram provas para validação do diploma pelo ministério da saúde e um treinamento sobre o funcionamento do sistema único de saúde (SUS). Eles chegaram ao Maranhão em 2013 e assumiram postos nas unidades saúde básica, principalmente, na zona rural das cidades e em aldeias indígenas.

A Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde deverão fazer um relatório de impacto no Brasil sobre a saída dos médicos cubanos do programa mais médicos. Na manhã desta sexta-feira (16), o Ministério da Saúde divulgou que a seleção de médicos brasileiros para ocuparem as vagas abertas deve ser realizada ainda este mês.

Iniciadas obras de alargamento da Jerônimo de Albuquerque

Os trabalhos iniciais do projeto de alargamento do trecho compreendido entre o retorno da Cohab e o Angelim foram iniciados. A empresa responsável pela obra já colocou os tapumes e está na etapa de limpeza do terreno que será utilizado para ampliar a faixa de circulação de veículos na região.

 O projeto, que é uma iniciativa do Governo do Estado, por meio da Agência Executiva Metropolitana (AGEM), tem prazo de 90 dias para ser concluído. Compreende um trecho de 500 metros que será alargado. Serão realizados serviços de terraplanagem, drenagem e pavimentação asfáltica. “Esta obra será fundamental para ajudar a desafogar o trânsito nessa região, que é um dos mais intensos na capital”, destaca o presidente da AGEM, Lívio Jonas Mendonça Corrêa.

 Obra paralela

A Prefeitura de São Luís também desenvolveu um projeto para a região, que deverá ser iniciado em breve. A obra, sob a responsabilidade da Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT), criará na área alças semelhantes às que já existem na região entre a entrada do bairro Bequimão e o elevado da Cohama.

Do jornalismo tendencioso à indústria da mentira: Constituição completa 30 anos e mantem travada a legislação sobre comunicação

Três décadas após a promulgação da Constituição Brasileira de 1988, a comunicação, um dos temas fundamentais para consolidar os sentidos de República e democracia, permanece quase inalterado e até mutilado.

Na Carta Magna os eixos sobre comunicação ainda não foram sequer regulamentados.  Dois exemplos são gritantes. O artigo 220 proíbe as práticas de monopólio e oligopólio. Já o artigo 221 manda as emissoras de rádio e TV darem preferência a finalidades artísticas, informativas, educativas e culturais, além de valorizar a produção regional e independente.

Deputados federais e senadores proprietários de emissoras de rádio e TV, os coronéis da mídia, operam em causa própria dentro do Congresso Nacional para que a legislação garanta os seus privilégios no uso e abuso dos meios de comunicação para fins empresariais e eleitorais.

O coronelismo eletrônico atropela a própria Constituição e estende-se mesmo às pequenas rádios comunitárias, impedidas por legislação complementar (nº 9.612/98) de fazer proselitismo político ou religioso, mas controladas por grupos políticos municipais e igrejas evangélicas, salvo as honrosas exceções.

O Brasil ainda é o país onde vigora a concentração empresarial e o uso de verba pública para conduzir apoio político-eleitoral aos mandatários municipais, estaduais e ao federal.

Nem nos governos do PT este vício foi alterado. Lula e Dillma seguiram a mesma cartilha dos tucanos e seus antecessores, privilegiando as Organizações Globo na fruição do dinheiro público.

O mais primitivo de todos, José Sarney, abusou da distribuição das concessões de rádio e TV para negociar o mandato presidencial de cinco anos.

Jair Bolsonaro, por sua vez, faz ameaças explícitas aos meios de comunicação e até insinua usar o controle das verbas publicitárias para coagir linhas editoriais.

Nesses 30 anos, bons ventos sopraram quando da realização da I Conferência Nacional de Comunicação, em 2009, reunindo quase 1500 delegados e delegadas dos segmentos empresarial, estatal e os movimentos sociais para debater, entre outros temas, a regulamentação dos temas da comunicação na Constituição de 1988.

Depois de quatro dias de debate e quase 600 proposições aprovadas, quase nada efetivou-se. Até mesmo o Conselho de Comunicação Social foi apropriado pela burguesia radiodifusora.

O país perdeu o time de sistematizar regras minimamente democráticas e republicanas para as comunicações. Agora está tomado pela indústria da mentira deslavada solapando o jornalismo tendencioso.

Nosso problema civilizatório nem é mais a força das Organizações Globo, mas o império das fake news decidindo a eleição para o cargo mais importante da República.

Imagem: reprodução / capturada neste site

Tchau, querida!!! Roseana pendura em definitivo as chuteiras da política e vai continuar no Maranhão

Descansando em Portugal da exaustiva campanha derrotada na eleição de 8 de outubro, a ex-governadora Roseana Sarney não quer saber de comandar MDB e nem participar de reuniões políticas.

A saída de campo em definitivo foi marcada por uma expulsão apitada pela maioria dos eleitores do Maranhão. Para quem sempre detinha ao menos 35% dos votos sem precisar suar a camisa, obter apenas 29% nesta última eleição mostrou o fraco desempenho da ex-governadora.

Muitos atribuem ao peso da idade, ao cansaço e falta de tesão pela política nos gramados maranhenses. Além disso, a jogadora não mostrou real empenho na última partida e levou para o campo um time de ultrapassados na sua coordenação.

Quem entrava no comitê para olhar o treino, tinha a impressão de que estava na idade da pedra ou, no mínimo, em um museu que nunca foi arejado.

Desiludida, a ex-governadora ainda não anunciou quando retorna do repouso em Portugal, mas já avisou de lá que não quer nada com comando de MDB no Maranhão e muito menos aceitará participar de reuniões.

Se for convidada para algum jogo, desde que seja sentada e com as cartas nas mãos.

(Via Blog do Luis Cardoso)

Candidato Mozart Baldez fala sobre suas propostas à OAB/MA em sabatina da TV Assembleia

O advogado Mozart Baldez foi o primeiro entrevistado da rodada de entrevistas com os candidatos à presidência da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Maranhão (OAB-MA), promovida pela TV Assembleia (canal aberto 51.2/17 TVN).

O candidato da Chapa 1 – Reconstruir é a Ordem foi entrevistado, ao vivo, nesta segunda-feira (12), pela jornalista Natália Macedo e pelo procurador-geral da Assembleia Legislativa, o advogado Tarcísio Araújo, no “Sala de Entrevista”, quadro do telejornal Portal da Assembleia.

A entrevista completa está disponível no canal da TV Assembleia no Youtube (https://bit.ly/2Pq7IGj) e na página da TV Alema no Facebook (www.facebook.com/rtvalema).

Mozart Baldez foi recebido pelo diretor de Comunicação da Alema, jornalista Edwin Jinkings, que destacou a satisfação da TV Assembleia em receber os candidatos da Ordem, para o debate público de ideias e propostas de interesse não só da advocacia maranhense, mas de toda a sociedade.

O advogado parabenizou a iniciativa da TV Assembleia, em abrir espaço para os candidatos postulantes à presidência da OAB-MA. “Queria parabenizar a direção da TV Assembleia, que teve essa iniciativa de abrir as portas, para que nós pudéssemos falar para parte do Maranhão sobre nossas propostas”, disse.

Sabatina

O candidato teve 15 minutos (13 minutos de entrevista e mais dois minutos para as considerações finais) para responder a temas sugeridos e livres, entre eles, o seu posicionamento quanto à recente decisão do Tribunal de Contas da União (TCU), que transforma a OAB em órgão da administração indireta. “Tenho certeza que lei é para se cumprir. Se o posicionamento do TCU tiver respaldo legal, a OAB terá que cumprir. Se não foi legal, ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer aquilo que não esteja prescrito em lei”, afirmou Mozart Baldez.

O candidato também respondeu a perguntas sobre os desafios da OAB-MA para garantir a transparência da gestão, bem como a estruturação da Ordem na capital e no interior do estado. “Passamos oito meses estudando os problemas, crises e soluções da advocacia do Maranhão. Chegamos à conclusão que o problema da Ordem é estrutural. Temos que começar do zero, pois até as regras do Conselho Federal são retrógadas. Uma entidade que se propõe a tomar a frente de todas crises políticas e que estão judicializadas no Brasil, ela precisa de uma reciclagem”, assinalou.

“Nós temos que ter cuidado com essa transparência. Nós vamos ter uma administração transparente, com um orçamento participativo, chamando as assembleias para colocar aos associados o que a Ordem tem de patrimônio e onde os seus recursos devem ser investidos”, completou.

Outro tema abordado foi em relação ao posicionamento da OAB-MA no relacionamento com o Poder Judiciário, para a garantia das prerrogativas da advocacia e do primado da lei. Mozart Baldez também apresentou suas propostas para inserir os jovens advogados no mercado de trabalho, entre elas, as incubadoras da advocacia.

Por fim, o candidato ressaltou a sua trajetória pessoal e profissional, bem como sua vasta experiência que, segundo ele, o gabaritam para assumir a presidência da OAB-MA. “Eu e minha equipe somos preparados para comandar a Ordem. Tenho excelentes serviços prestados para a nação brasileira e, agora, quero prestar para a minha terra. Eu quero que todos olhem nossas propostas, nosso currículo e o serviço que nós prestamos”, finalizou.

(Via Blog do Luis Cardoso)